Minho Minho

Minho

A região dos Vinhos Verdes é diversificada e versátil em estilos e perfis de vinho, conhecida por produzir não só vinhos leves e frescos, mas também vinhos minerais, complexos e estruturados.

Em destaque

Um pouco de história

Minho

À Beira-mar

Montes verdes voltados para o Atlântico

O lugar comum diz que Portugal é um jardim à beira-mar plantado – conhecendo o Verde Minho, como podemos dizer o contrário? Montes verdes voltados para o Atlântico, banhados de sol no Verão, banhados de chuva no Inverno, e sempre agitados por um persistente vento Norte.

O que esperar

Leveza e frescura

Há no canto atlântico da Península Ibérica vinhos únicos no mundo? Há, mas são Verdes. Com baixo teor alcoólico e menos calorias, frutado e fácil de beber, no pico de um bom Verão o Vinho Verde é, na nossa opinião, obrigatório como centro de mesa numa esplanada solarenga, acompanhando saladas, peixe, marisco, sushi; ou acompanhando apenas uma conversa entre amigos.
Mas o talento do Vinho Verde não se esgota na sua leveza e frescura; a sua acidez e corpo, especialmente nos tintos, tem prestado bons serviços acompanhando os fortes pratos minhotos – um exemplo típico será o casamento entre uma Lampreia à Bordalesa e uma boa malga de Verde Tinto.

Notas de prova

Tintos

Usualmente ricos em cor, chegando a vermelho rubi muito carregado e vivo, coroados por espuma vermelha. Normalmente jovens, tendem a ser ácidos o que lhes empresta uma frescura particular – reforçada pela recomendação de serviço entre os 12º e os 15º. Acompanham muito bem pratos de carne, principalmente assados e grelhados. São pouco alcoólicos, devendo apresentar entre 8,5% e 11,5%.

Castas comuns

Alicante Bouschet, Baga, Doçal, Doce, Espadeiro Mole, Grand Noir, Labrusco, Mourisco, Pical, Sousão, Touriga Nacional, Trincadeira (sin. Tinta-Amarela), Verdelho Tinto e Verdial Tinto


Brancos

Cada vez mais apreciado lá fora, o Vinho Verde Branco é frutado, de aroma subtil e menos ácido que o seu irmão tinto. Melhor apreciado entre os 8º e os 12º, é uma visita frequente à mesa nos meses quentes. Sendo certo que todos os Verdes Brancos tendem a apresentar cor citrina e ligeiramente dourada, o seu temperamento varia, sobretudo, quando estamos na presença de vinhos Alvarinho. Esta casta acrescenta um toque mais maduro ao Verde, bem como um pouco de força alcoólica (podem chegar aos 13,5º). Comum a todos os Verdes é a sua agulha, designação que os enófilos dão ao que nós humildemente chamamos gás ou bolhinhas mas que é, citando a CVR do Verde, o “ligeiro desprendimento gasoso, em pequenas pérolas amarradas às paredes do copo, que consiste, tradicionalmente, em gás carbónico libertado no processo natural de fermentação maloláctica”.

Castas comuns

Pintosa, Caínho, Cascal, Diagalves, Sercial (ou Esgana-Cão), Esganinho, Esganoso, Fernão Pires (ou Maria-Gomes), Folgasão, Godelho, Lameiro, Malvasia Fina, Malvasia Rei, São Mamede, Semilão e Tália (ou Douradinha)


Selo de Garantia:

Cabe à CVR do Vinho Verde atribuir o selo de qualidade aos vinhos da região.

Fonte:

CVR Verde, IVV e Wine of Portugal.

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar