4 de janeiro de 2018, 01h39

Rui Vitória: "Qual é o critério do videoárbitro?"

Futebol

O treinador benfiquista apelou ao esclarecimento e à colocação de regras sobre o perímetro de atuação do árbitro e videoárbitro para que não se vejam dois pesos e duas medidas em diferentes estádios portugueses.

O dérbi teve alguns lances polémicos na área do Sporting, com recurso ao videoárbitro, e Rui Vitória avisou que vai estar atento a decisões semelhantes às tomadas na Luz noutros encontros por parte de Hugo Miguel e Tiago Martins, árbitro e videoárbitro, respetivamente do jogo grande da 16.ª jornada.

Duas notas muito rápidas: primeiro, marcaram um penálti dos vários que houve; segundo, vou estar atento à carreira destes dois árbitros para ver que decisões vão tomar daqui para a frente em situações semelhantes. Esclareçam até quando e em que circunstâncias é que a consulta do videoárbitro, do ecrã de televisão num recinto de jogo, faz sentido por parte do árbitro. Fala-se de aprendizagem, mas quem aprende tanto e comete tantos erros, não neste jogo, mas na situação do videoárbitro…”, considerou.

Rui Vitória estranhou, ainda, o facto de o árbitro do dérbi ter a oportunidade de consultar a televisão e não o ter feito como outros o fizeram noutros estádios.

A arbitragem vai ter de se assumir. Andamos a dizer que foi o árbitro a decidir, que foi o videoárbitro a decidir… Precisamos de esclarecimentos e regras. Nuns estádios, o árbitro tem dúvidas e vai ver o ecrã de televisão, aqui não teria feito mal nenhum. Será que os lances deste jogo são claramente não-penáltis? Não são! Um lance na primeira parte, em que há um empurrão sobre o Jardel… o Sporting ganhou ao V. Setúbal com um lance idêntico sobre o Bas Dost. Que equilíbrio há nisto? Qual é o critério do videoárbitro?”, questionou.

O treinador recusou atribuir à arbitragem o resultado, mas sublinhou que os árbitros têm de ter procedimentos com coerência.

“Merecíamos ter ganhado. Houve várias oportunidades em que a bola não entrou. Há processos que os árbitros têm de ter. Eu gostava de poder decidir em consciência e se tivesse dúvidas ia ver à televisão. Isso não aconteceu”, referiu.

Indo de encontro à antevisão ao dérbi, a afronta ao Benfica e aos Benfiquistas teve continuidade na análise pós-jogo.

O que se vai fazendo é uma afronta ao símbolo do Benfica. Não estou a dizer que foi isso que se passou no campo, mas é importante esclarecer alguns pressupostos para que não haja dúvidas se estão ou não a prejudicar o Benfica. Pode-se reduzir a subjetividade e acho que não foi reduzida neste jogo. Isto é feito para nos dividir, mas não conseguem. Hoje demonstrámos a força que temos e os jogadores deram uma mensagem clara de entrega, de dedicação ao jogo, de vontade e de determinação em querer ganhar”, reforçou Rui Vitória.

Texto: Marco Rebelo

Fotos: Isabel Cutileiro, João Paulo Trindade e Tânia Paulo / SL Benfica

Comentários (2)

200 caracteres disponíveis

Submeter
ruicarlos das neves campos • 04/01/2018

Benfiquistas está na altura da nossa direção dizer BASTA pondo processos a cada um que invente notiçias sobre o nosso clube temos que ir ao bolso deles senão vamos continuar a entrar no jogo deles que é unicamente destabilizar para não conseguir-mos

Responder

José • 04/01/2018

Tenho mesma opinião ,força

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar