5 de abril de 2018, 11h35

João Rodrigues: “Tem de ser jogo a jogo”

Hóquei em Patins

O melhor marcador do Benfica no Campeonato e na Liga Europeia aponta à conquista de todas as provas e sublinha o bom ambiente do grupo de trabalho encarnado.

João Rodrigues, hoquista do Benfica, concedeu uma entrevista à BTV a quem abordou o atual momento da equipa e lançou a segunda mão dos quartos de final da Liga Europeia diante do FC Porto. Marcar presença na Final Four é a meta a alcançar.

Como é que se encontra a equipa de hóquei em patins neste momento?

Estamos bem, estamos na luta por todos os objetivos a que nos propusemos. Na Liga Europeia fizemos um bom resultado em casa, queríamos ter conseguido uma vantagem maior por aquilo que foi o jogo, mas já foi um bom resultado e vamos para a 2.ª mão no dragão para passar à Final Four que é um dos principais objetivos da temporada. Na Taça vem aí uma eliminatória também no dragão para chegarmos à Final Four. No Campeonato estamos na luta, vai ser até ao fim. Temos agora uma deslocação a Barcelos bastante complicada mas vamos com muita ambição de ganhar.

Acabou por ser uma vantagem jogar a 1.ª mão da eliminatória com o FC Porto em casa?

Se me dessem a escolher preferia jogar a 2.ª mão em casa, ou seja, ao contrário. Mas já sabíamos à partida que quem fica em segundo do grupo joga a 2.ª mão fora, portanto, a partir daí essa vantagem está do lado do FC Porto mas é uma vantagem apenas teórica. Jogar em casa permitiu-nos criar uma vantagem para a 2.ª mão. Já vamos a ganhar 1-0. Vamos conscientes que vamos ter um desafio difícil, competitivo, mas o FC Porto do outro lado também deve pensar que vai ter uma tarefa muito difícil para passar.

Quais foram as principais dificuldades sentidas nessa partida?

São duas equipas que já jogaram tantas vezes uma contra a outra que já nos conhecemos muito bem. Acho que fizemos um jogo ainda melhor do que o que fizemos aqui para o Campeonato, a diferença foi que não fomos eficazes nas bolas paradas. Tivemos cinco bolas paradas, apenas convertemos uma. O FC Porto teve quatro e converteu duas, foi isso que fez a diferença, eles só marcaram golos de bolas paradas. Penso que se tivéssemos tido mais acerto nesse capítulo podíamos ter alcançado um resultado à imagem do conseguido no Campeonato em que ganhamos 6-2.

É uma motivação ainda maior jogar para a Liga Europeia?         

Eu lembro-me de há uns anos ser apenas uma miragem, nem era um sonho. Era praticamente impossível pensar ganhar a Liga Europeia. Hoje, felizmente, as coisas mudaram, já conseguimos ganhar por duas vezes e hoje já não nos contentamos com a ida a uma Final Four, queremos sempre ganhar. Realmente damo-nos bem nesses palcos europeus e não tenho qualquer dúvida que também o fator histórico de o FC Porto não conseguir ganhar uma Liga Europeia há muitos anos, nem sequer estar nas Final Four, pode de algum modo causar ansiedade na equipa deles no jogo da 2.ª mão.

João Rodrigues

“É importante marcar golos na minha posição, mas eu quero é ganhar títulos coletivos”

Em 2013 foi decisivo frente a este mesmo adversário. Acaba por ser uma competição onde também se sente muito inspirado?

Talvez tenha sido o dia mais feliz da minha vida desportiva e quando vamos ao dragão jogar é impossível não nos lembrarmos desse dia. Voltarmos para um jogo da Liga Europeia ainda nos vai fazer lembrar mais e pode ser que seja um bom prenúncio para esta segunda mão.

É o melhor marcador do Benfica no Campeonato, luta também para ser o melhor marcador na Liga Europeia. São dois objetivos a nível individual?

Não são, de todo. É importante marcar golos na minha posição, é esse o meu papel na equipa. Mas eu quero é ganhar títulos coletivos. Sempre fui assim e sempre serei até ao fim da minha carreira. Se não marcar mais golos até ao fim da época e o Benfica vencer todos os títulos assino já por baixo.

E é isso que distingue este grupo, um coletivo muito forte?

Nós temos conseguido ultrapassar os obstáculos também por termos um coletivo forte e espero que nos traga as vitórias que tanto queremos.

Os adeptos podem ser fundamentais nesse jogo com o FC Porto, tal como já foram no passado?

Sabemos que vamos encontrar um ambiente complicado, se pudermos ter adeptos do Benfica será aquela força extra que nos pode dar a vitória.

Tem sido uma época positiva a nível individual?

Não comecei muito bem a época. Fisicamente não me sentia muito bem, não tinha confiança, essas coisas acontecem. Só conheço um caminho para recuperar esses níveis de confiança que é trabalhar. Felizmente as coisas agora correm-me melhor e isso é fruto do trabalho coletivo e do dia-a-dia.

Como são os dias de trabalho?

É um dia-a-dia animado, somos um grupo engraçado, com bom ambiente e isso vê-se dentro da pista quando jogamos e quando treinamos. Assim é mais fácil fazer aquilo de que gostamos e não tenho qualquer dúvida que os êxitos recentes se devem muito a esse espírito.

João Rodrigues

O que se pode esperar do ciclo difícil de jogos que aí vêm?

Numa semana vamos ao Dragão [Caixa] para a Liga Europeia, a Barcelos para o Campeonato e novamente ao Dragão [Caixa] para a Taça. É uma semana em que se pode decidir tudo ou não. Esperamos que se for para decidir alguma coisa que seja a nosso favor no caso da Liga Europeia e na Taça. No Campeonato que consigamos os três pontos em Barcelos para nos mantermos na luta. Sabemos que é uma semana importante, mas nós gostamos desses momentos, trabalhamos a época toda para eles.

É fácil manter o foco nas diferentes competições?

Conseguimos fazê-lo porque já temos alguma experiência dos últimos anos e não vale a pena pensarmos mais à frente. Tem de ser jogo a jogo, final a final, porque é disso que se trata. Cada jogo agora é uma final.

Entrevista: Raquel Mateus Silva 

Texto: Luís Afonso Guerreiro

Fotos: Tânia Paulo / SL Benfica


Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar