29 de junho de 2019, 17h03

Passo a passo rumo a Tóquio 2020

Judo

Telma Monteiro falou sobre as mais recentes conquistas nos Jogos Europeus e perspetivou as provas futuras rumo ao principal objetivo.

Telma Monteiro, judoca do Sport Lisboa e Benfica, esteve no programa "Uma semana do melhor", da BTV, onde falou sobre as medalhas conquistadas nos Jogos Europeus de Minsk e apontou baterias ao trajeto rumo aos Jogos Olímpicos 2020, em Tóquio.

A atleta encarnada conquistou a medalha de bronze na categoria -57 kg e a medalha de prata na competição por equipas. Com estes triunfos nos Jogos Europeus, Telma Monteiro tornou-se na 2.ª judoca mais medalhada de sempre.

"Tinha grandes expectativas para este Campeonato da Europa, é uma prova que conta para o ranking olímpico e é uma daquelas que marcam uma carreira. Era um sonho conseguir uma medalha nas duas competições [individual e de equipas], portanto, ter conseguido as duas coisas e ter alcançado a 13.ª medalha em Campeonatos da Europa tornou-me na 2.ª judoca mais medalhada de sempre. Foi uma experiência fantástica", salientou.

Contra grandes potências do judo mundial, os atletas portugueses fizeram uma grande prestação, ficando muito perto do lugar mais alto do pódio. A atleta encarnada acredita que a partir de agora as pessoas vão respeitar ainda mais a equipa portuguesa, aproveitando a ocasião para partilhar o mérito que todos os intervenientes tiveram na conquista.

Telma Monteiro

"Eu tenho consciência de que sou a judoca mais conhecida, mas eu gostava que as pessoas também valorizassem o trabalho que foi feito em equipa. Eu sinto-me no dever de partilhar o mérito que todos tiveram", explicou.

Todos os passos são importantes e o caminho até aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 ainda é longo. Faltam várias provas e Telma Monteiro lembrou que os atletas têm de terminar entre os melhores 18 do mundo para garantirem a qualificação direta para as olimpíadas.

"A partir de agora todos os resultados contam a 100% para a qualificação olímpica, ou seja, é mais um ano de qualificação olímpica, existem vários Grand Prix, Grand Slam, Europeu, Masters e Mundial, mas só contam os cinco melhores resultados, acrescentando mais um que pode ser o do Europeu ou o do Masters. Temos de terminar entre os melhores 18 do mundo para conseguirmos a qualificação direta para os Jogos Olímpicos", finalizou.

Texto: Diogo Nascimento

Fotos: SL Benfica e Arquivo

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar