Casas Benfica

12 março 2021, 10h19

Programa "Pelas Casas do Benfica" em modo virtual

REPORTAGEM BTV

O "Pelas Casas do Benfica" desta semana foi dedicado ao Dia Internacional da Mulher, que se assinalou no dia 8 de março. O programa da BTV foi virtualmente ao encontro das presidentes das embaixadas encarnadas em Toronto, Cinfães, Vila de Rei e Algoz.

A Casa Benfica Toronto, no Canadá, conta atualmente com 500 sócios e tem como presidente Fátima Barros, que expressou o contentamento por liderar um espaço vermelho e branco no estrangeiro.

"É um orgulho representar esta Casa sendo filha, mãe e mulher de benfiquistas... É uma forma de nós, emigrantes, nos mantermos unidos a Portugal e às nossas raízes", confessou.

Pelas Casas do Benfica

"Há uns anos era raro ver uma mulher aqui na Casa Benfica Toronto, era um espaço mais escuro, mais descaracterizado, agora temos novas instalações uniformizadas com todas as Casas, com plantas, luz e brilho... o que torna o ambiente mais confortável", afirmou Fátima Barros, enaltecendo a presença feminina no espaço benfiquista.

Devido à pandemia, a Casa n.º 6 do Benfica encontra-se fechada, ainda sem ideia de quando voltará a abrir.

"Aqui, no Canadá, as medidas estão muito restritas desde o início, foram poucos os momentos em que pudemos abrir portas... Continuamos em confinamento, desde o início do ano, e sem perspetivas de quando podemos voltar a exercer", contou.

Pelas Casas do Benfica

Em Cinfães, no norte de Portugal, encontra-se a Casa Benfica n.º 253, que é presidida por Cristina Pinto, também ela uma das sócias-fundadoras.

"Orgulho enorme, grandes batalhas vencidas... Foi difícil, tivemos de ultrapassar imensos obstáculos para conseguirmos, num meio tão distante, trazer uma representação oficial do Sport Lisboa e Benfica", começou por revelar.

A presidente entende que o facto de a Casa ter uma mulher no poder traz vantagens, principalmente no que toca ao público que dá vida ao espaço.

"Os elementos femininos que frequentam a Casa devem-se muito ao facto de termos um rosto feminino na direção e na presidência. Muitas vezes vão sem os maridos, até porque temos mulheres cujos maridos têm outras preferências clubísticas… e vamos criando, assim, um ambiente mais feminino dentro daquele que era maioritariamente masculino", confessou.

Pelas Casas do Benfica

Cristina Pinto enalteceu o orgulho que sente em ser benfiquista: "O Benfica corre-me no sangue, é um dos grandes amores da minha vida... Por hereditariedade, por educação, mas, quando me tornei adulta, por opção."

Devido à pandemia, a Casa Benfica Cinfães, que conta com 494 sócios, encontra-se de portas fechadas e as saudades são mais que muitas.

"A Casa está fechada. Não temos condições para takeaway... Faz-me sentir muitas saudades porque éramos das poucas Casas que festejávamos o Dia Internacional da Mulher, por exemplo, e vai ser o segundo ano que não o vamos fazer, deixa-me com bastante pena. Só peço que a pandemia passe o mais rapidamente possível", vincou.

Pelas Casas do Benfica

Na Casa Benfica Vila de Rei a direção é constituída só por mulheres. Ao todo, são 17 a mandar…

"A ideia surgiu de três colegas que tinham proximidade, depois falámos entre todas, cada uma foi-se lembrando de mais pessoas e achámos que com o contributo de todas poderíamos fazer algo inédito", contou Sandra Carvalho, diretora de instalações e equipamentos da Casa n.º 203.

Pelas Casas do Benfica

Em 2020 foi criada uma equipa de futsal feminino: "Foi uma conquista da qual nos orgulhamos bastante. No início as coisas são sempre mais complicadas, mas estamos muito satisfeitas com aquilo que conseguimos e é para manter."

Com a Casa fechada devido às restrições impostas, Sandra Carvalho, que está na direção há três anos, confessou do que tem mais saudades: "Sobretudo do convívio. Para além de termos as modalidades, fazemos muitas atividades em prol da comunidade, o convívio com todos... Temos várias atividades ao longo do ano que articulamos com o município de Vila de Rei e tentamos dinamizar ao máximo a comunidade."

Pelas Casas do Benfica

No Algarve, também a filial Sport Algoz e Benfica é liderada no feminino.

"Para mim não foi muito difícil, pois corríamos o risco de a filial deixar de existir e, como eu fui criada nesta filial, desde muito miúda, não queria que ela encerrasse. Os sócios viram também aqui uma oportunidade para fazer coisas novas... Fiquei muito feliz. Achava que faltava qualquer coisa, faltava aquele toque feminino", contou a presidente Ana Paula Carmo.

Apesar de a filial n.º 12 do Sport Lisboa e Benfica estar encerrada, Ana Paula Carmo referiu que ideias não faltam: "Tenho sempre ideias... Estou a programar agora o aniversário da filial, que é no dia 1 de julho. Começamos a pensar nas coisas antecipadamente para que tudo corra bem."

Quando questionada sobre o que era para si ser uma mulher benfiquista, a presidente da filial Sport Algoz e Benfica (248 sócios) não hesitou: "Ser uma mulher benfiquista é ser uma mulher solidária, gostar de ajudar os outros sem pedir nada em troca."

Texto: Márcia Dores
Fotos: SL Benfica
Última atualização: 12 de março de 2021

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar