18 de fevereiro de 2019, 22h44

Depressa e bem: assim começou a 7.ª vitória seguida

Futebol

O Benfica ganhou no terreno do Aves na 22.ª jornada do Campeonato.

O Benfica foi atrás da sétima vitória seguida na Liga NOS (a sua melhor série) e foi bem-sucedido no terreno do Aves, vencendo por 0-3 na 22.ª jornada e chegando aos 60 golos (melhor ataque) na corrente edição da prova. A liderança está à distância de um ponto.

RESUMO DO JOGO

O pontapé de saída pertenceu aos anfitriões, mas a equipa benfiquista depressa impôs a sua competência no relvado e começou a construir o resultado.

[GOLO: 0-1] Samaris, descaído para a direita, levantou a cabeça, viu o posicionamento dos companheiros na grande área e fez um cruzamento de alta precisão para o espaço de Seferovic, que dominou a bola e, com muita confiança, usou o pé direito para, com um toque ligeiro, bater o guarda-redes Beunardeau (3').

Foi o 14.º golo do camisola 14 das águias na Liga NOS, ele que marca há sete jogos consecutivos na prova, igualando Dyego Sousa (Braga) e Bas Dost (Sporting) no primeiro lugar da lista de goleadores da prova. A diferença é que nenhum dos remates certeiros de Seferovic foi feito na cobrança de penáltis.

O Benfica poderia ter aumentado a vantagem pouco depois, numa jogada em que Seferovic foi o desbloqueador: mais forte num lance pelo ar, tocou de cabeça para a entrada veloz de Rafa pelo corredor central; o camisola 27 correu na direção da grande área e, já no interior da mesma, fez um passe para a direita, servindo o remate de João Félix, que acertou nas malhas laterais (9').

O Aves tentou recuperar e importunar o Benfica, mas só se mostrou ameaçador aos 28' num livre direto, cobrado sobre o lado direito por Vítor Costa, que proporcionou a Odysseas um momento para mostrar serviço, com o guardião a defender para canto.

[GOLO: 0-2] Num ataque trabalhado sobre o flanco esquerdo aos 36', os encarnados distanciaram-se no marcador: Grimaldo jogou curto para João Félix, que por sua vez, com um leve toque, endossou o esférico a Rafa, e este tratou do resto, encarando um defensor e disparando cruzado, com força e colocação (o esférico entrou junto ao poste direito). Foi o 7.º golo de Rafa nesta Liga NOS e a 4.ª assistência de João Félix.

Antes de se atingir o intervalo, os avenses ainda incomodaram Odysseas num remate de meia distância de Rodrigo, com o guardião das águias a responder "presente".

Com o jogo na mão, o Benfica quis matar eventuais esperanças do adversário e entrou na segunda parte em busca do 0-3. Podia ter acontecido num tiro frontal de João Félix (46'), mas Beunardeau sacudiu por cima do travessão.

O golo voltou a estar perto, nos pés dos jogadores encarnados à passagem do minuto 54, com Rafa a receber de Seferovic e a fazer a devolução, já com Beunardeau fora do seu posto, mas Vítor Costa, no limite, esticou-se e descompôs a hipótese de o camisola 14 das águias bisar na partida.

[GOLO: 0-3] Não foi em jogadas corridas, foi num lance de bola parada, mas a bola tornou a entrar na baliza do Aves: Pizzi cobrou um canto na direita, o esférico ficou a saltitar à entrada da pequena área, com pequenas carambolas, valendo a determinação e decisão de Ferro, que chutou para as malhas (59'). Segundo a plataforma Playmakerstats, o central é o defesa mais jovem a marcar nos dois primeiros jogos que disputou no Campeonato.

No ataque seguinte (60'), Pizzi soltou-se na direita da área e, com o 0-4 à vista, chutou cruzado, mas a bola saiu junto ao poste esquerdo.

Aos 64', o Benfica viu-se reduzido a dez unidades por expulsão de Ferro: o central recebeu cartão vermelho direto por falta sobre Derley à entrada da área, num lance em que o avançado brasileiro ficaria isolado. Para fazer face a este contratempo, Bruno Lage ordenou o recuo de Samaris para o eixo defensivo, atuando ao lado de Rúben Dias. Gabriel baixou para médio mais defensivo.

O Aves tentou tudo neste período para perturbar os encarnados, que, por seu lado, mostraram solidez e coesão defensiva, não concedendo chances de golo ao adversário. Gedson entrou aos 78' (saiu Rafa) e o Benfica mostrou-se confortável na circulação de bola e na gestão de jogo. Aliás, até podia ter ampliado aos 83' num grande pontapé de João Félix.

Seferovic e João Félix foram rendidos por Jonas (83') e Zivkovic (87'), numa fase em que já se contavam os minutos para o derradeiro apito de Hugo Miguel.

Texto: João Sanches

Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar