25 de janeiro de 2018, 09h30

O dia do Rei

Clube

Há 76 anos nascia Eusébio da Silva Ferreira. O símbolo do futebol benfiquista e do desporto nacional faleceu a 5 de janeiro de 2014.

Eusébio faria, esta quinta-feira, 76 anos. A 25 de janeiro de 1942, o Bairro da Mafalala, na capital moçambicana, viu nascer o homem que se tornaria, para muitos, o melhor jogador português de todos os tempos.

Começou a dar os primeiros passos em Lourenço Marques, hoje Maputo, mas rapidamente deu nas vistas em Portugal. O Benfica ganhou a corrida ao rival da 2.ª Circular e Eusébio chegou a Lisboa numa noite fria de dezembro de 1960.

Começaria aqui uma epopeia de águia ao peito que durou 15 épocas, até 1975. Durante esse tempo, Eusébio espalhou o terror nos defesas e guarda-redes contrários com os seus temíveis remates, com a sua velocidade estonteante ou através de fintas desconcertantes. A panóplia de recursos parecia inesgotável, mas foram as centenas de golos marcados que o tornaram uma Lenda.

Pelo Benfica apontou 638 golos em 614 jogos (média superior a 1 por jogo) e ajudou a conquistar 10 Campeonatos Nacionais, 5 Taças de Portugal, 1 Taça dos Clubes Campeões Europeus e, ainda, 5 Taças de Honra de Lisboa.

Eusébio

Individualmente, o Pantera Negra venceu a Bola de Ouro – a única ganha por um jogador ao serviço de um clube português – em 1965 e um ano depois, no Mundial de 1966, em Inglaterra, deixou todos boquiabertos com os seus golos, remates, velocidade e técnica, exibições que lhe valeram um segundo lugar em nova eleição para Bola de Ouro. Eusébio conquistou, ainda, por duas vezes a Bota de Ouro para melhor marcador europeu, em 1968 e 1973.

Eusébio e Gerd Muller

UMA ESTÁTUA PARA O MELHOR DE SEMPRE

O King deixou de jogar futebol em 1978, nos Estados Unidos da América. Tornou-se um embaixador do Benfica no mundo. A qualquer lado que os encarnados iam, Eusébio era o foco de todas as atenções, era acarinhado, recebia merecidas ovações, principalmente em Inglaterra.

A 25 de janeiro de 1992, por altura dos seus 50 anos, foi inaugurada, no antigo Estádio da Luz, a estátua que imortalizaria Eusébio da Silva Ferreira. Com a construção da Nova Catedral, a estátua do Rei também mudou de local; tornou-se um dos maiores ex-libris do atual estádio e acabaria por ser um local de peregrinação aquando do falecimento do Pantera Negra, a 5 de janeiro de 2014.

Estátua de Eusébio

AS HOMENAGENS AO REI E O PANTEÃO NACIONAL

A madrugada de 5 de janeiro de 2014 é uma das mais tristes da história centenária do Sport Lisboa e Benfica. Desaparecia o nome maior do futebol do Clube, aos 71 anos.

Benfiquistas e não só deslocaram-se ao Estádio da Luz para homenagear Eusébio e depositar cachecóis, camisolas, cartazes e outros artefactos junto da sua estátua. Para que tudo fosse preservado, o presidente Luís Filipe Vieira mandou construir um mausoléu.

Eusébio no Panteão

A 3 de julho de 2015, o Panteão Nacional recebeu os restos mortais de Eusébio, cerimónia que contou com a presença da família do antigo futebolista, de Luís Filipe Vieira e de múltiplas personalidades da sociedade portuguesa.

Texto: Marco Rebelo

Fotos: Arquivo / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar