16 de abril de 2018, 13h01

Zoran Filipovic: "O Benfica sempre foi como uma família"

Futebol

Antigo avançado esteve recentemente na Luz e recordou as três épocas (1981-1984) e as alegrias vividas no Clube.

Natural da antiga Jugoslávia, Zoran Filipovic voltou recentemente à casa que o acolheu por três épocas (serviu o Benfica de 1981 a 1984).

Em entrevista ao programa "Alta Fidelidade", da BTV, o antigo avançado das águias contou como foi regressar à Luz e recordou o seu percurso com a camisola encarnada. Aos 65 anos, exerce funções de adjunto na seleção da Sérvia.

Zoran Filipovic venceu dois Campeonatos (1982/83 e 1983/84) e ganhou uma Taça de Portugal (1982/83) pelo emblema benfiquista.

O que sentiu quando entrou novamente no Estádio do seu Benfica?

Um sentimento de prazer, de alegria. Encontrei mais uma vez pessoas amigas num Clube onde eu passei bons anos, com muitas alegrias e títulos. É sempre bom rever as pessoas e um grande clube como o Benfica.

É arrepiante?

Sim. Quando eu jogava e quando era treinador também no Benfica não havia este tipo de estádio. Agora é um pouco diferente, tem excelentes condições e vejo também um ambiente fantástico com a juventude, um ambiente pintado de vermelho, sempre a puxarem pela equipa. Dá-me muita alegria ver a Família Benfiquista reunida a ver os jogos.

Tinha medo de jogar perante mais de 100 mil adeptos do Benfica no antigo Estádio da Luz?

Não, na minha carreira de jogador passei por muitos jogos e gostava. Talvez não saibam, mas na antiga Jugoslávia a seleção jogou contra o Brasil no Maracanã Grande. Era o último jogo do Pelé pelo Brasil e estavam 170 000 mil adeptos a assistir. Não tive medo, tinha muita experiência nesse sentido, em jogos grandes e com muita gente.

Sempre quis ser jogador de futebol?

Não decidi, foram as circunstâncias que ditaram que assim fosse. Estava num pequeno clube e aos 14 anos mudei para o Estrela Vermelha. Ninguém esperava, nem eu próprio, ter uma carreira assim. Mas sempre joguei futebol, quando era pequenino ficava na escola e na rua a jogar, adorava.

Tinha jeito nessa altura?

Sim. Fui para o Estrela Vermelha e acabei por fazer lá formação até aos 17 anos, altura em que me estreei como titular, o que era raro naqueles tempos, ter um miúdo tão novo a jogar como titular no Estrela Vermelha. Tinha qualidades para isso.

Zoran Filipovic

"No dia em que defrontei o Benfica percebi logo que era grande"

Lembra-se da vinda para Portugal?

Sim, lembro-me muito bem. No Estrela Vermelha os jogadores só podiam sair aos 28 anos. Quando eu tinha 29 apareceu o Benfica. O treinador era o Lajos Baróti e ele lembrou-me se mim. O Benfica precisava de um ponta de lança e eu apareci com todo o prazer. Assim que soube que o Benfica estava interessado vim logo para cá.

Já sabia que o Benfica era grande antes de cá chegar?

Sim, já sabia. O Benfica jogou com o Estrela Vermelha. Estávamos a ganhar 2-0, mas o Benfica acabou por vencer por 3-2. Aí, percebi logo que era um grande clube. Sabia que vinha para cá, que os portugueses gostavam de futebol, que o Benfica tinha uma tradição muito grande, com muitos sócios, com muitos troféus, uma grandeza de um país.

Como era Filipovic antes de entrar em campo?

Sempre calmo, sereno, muito concentrado. Não pensava muito na minha exibição, mas sim em jogar com a equipa e como fazia nos treinos. Dava sempre o meu máximo. Sempre gostei de jogar pelo coletivo, nunca fui egoísta em nenhum aspeto.

O que é que o Benfica lhe ensinou para a vida?

Para mim, naqueles anos, o Benfica era como uma família. Encontrávamo-nos sempre depois dos treinos e dos jogos, por isso senti-me muito bem no Benfica.

Foi difícil acabar a careira de jogador?

A única coisa que me toca assim no sentimento foi não ter acabado a carreira no Benfica, mas naqueles anos foi assim. Acabei a carreira no Boavista e a partir daí fiquei 20 anos em Portugal como treinador. Este país é a minha segunda casa, foram os melhores anos da minha vida e da minha família.

Uma mensagem para os adeptos do Benfica...

Os adeptos sempre apoiaram muito o Benfica, sempre motivaram e foram o 12.º jogador. Hoje em dia continua assim, muita paixão e sempre a puxarem pelo treinador e pela equipa.

Texto: Márcia Dores

Fotos: Arquivo / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar