Futebol

27 outubro 2017, 22h41

O golo de Jonas apareceu cedo (11’) e carimbou a vitória do Benfica sobre o Feirense na 10.ª jornada da Liga NOS, no Estádio da Luz, mas o treinador do Tetracampeão queria mais e está seguro de que a equipa consegue ser mais constante ao longo dos 90 minutos.

“Foi um jogo bem disputado. Entrámos fortes, a não deixar que a equipa do Feirense se enquadrasse. Conseguimos isso e fizemos o golo, mas deixámos o jogo ir para um ritmo mais baixo: foi mais disputado e até meio esquisito, com algumas paragens, e nessa fase não tivemos o que queríamos”, analisou Rui Vitória.

“O Feirense teve uma boa postura, sempre mais defensivo, mas à procura de um erro que pudéssemos cometer. Tivemos oportunidades para fazer o segundo golo… O jogo estava aberto, não fizemos o golo para matar o jogo, mas acabámos bem. Foi uma vitória justa, contra um adversário que se organizou muito bem e se tornou difícil”, disse o treinador.

“Não fomos o que queríamos ser na primeira parte. No segundo tempo tivemos oportunidades para fazer golos. Poderíamos ter marcado nas bolas que tivemos na cara do guarda-redes do Feirense. Acabámos com mais rapidez, determinação e convicção, explorando as costas da defensiva contrária. Não foi um jogo muito bem conseguido, mas começámos bem e acabámos bem – e ganhámos”, insistiu Rui Vitória.

O resultado era fundamental. “Temos consciência de que houve períodos em que podíamos ter feito melhor. Mas devo valorizar uma equipa como a do Feirense, que veio cá dentro da sua estratégia tentar controlar e depois tentar impor a sua forma de jogar. Vencemos, que era o que queríamos, mas fica a noção da minha parte de que temos capacidade para fazer melhor em determinados momentos”, detalhou o técnico.

Pizzi voltou a ficar no banco, cabendo a Filipe Augusto a missão de atuar ao lado de Fejsa na zona central do meio-campo. Rui Vitória explicou a decisão tática e expressou confiança num rápido regresso de Pizzi à forma que exibiu 2016/17.

 “Pizzi foi o melhor jogador do campeonato na época passada. Não perde a sua capacidade por ter uma fase menos boa, rapidamente vai voltar a ter rendimento. Fruto da estrutura que o Feirense ia apresentar, era importante ter dois jogadores que recuperassem rapidamente naquela posição”, explicou.

Svilar e Diogo Gonçalves fizeram na noite de sexta-feira o primeiro jogo de campeonato no Estádio da Luz com a camisola do Benfica na condição de titulares.

“Estou satisfeito com o aparecimento de mais dois jovens, um da formação, outro recrutado fora. São dois jovens com qualidade e é um sinal claro do futuro do Benfica. Com o passar do tempo e à medida que os jogos entram no corpo, eles também vão tendo mais rendimento e qualidade. É uma mensagem clara de um futuro que o Benfica tem”, reafirmou o treinador.

Assegurada mais uma vitória na Liga NOS, a equipa do Benfica vira-se para o compromisso europeu que se segue no calendário: terça-feira à jogo em Manchester, contra o United, na 4.ª jornada da Liga dos Campeões.

“É um jogo diferente, com uma envolvência diferente. Os jogadores gostam deste tipo de ambientes e de jogos. Agora é recuperar, repousar e preparar o melhor possível o jogo. Vamos a Manchester com o propósito de vencer, sabendo que será um jogo difícil.”

 

Texto: João Sanches

Última atualização: 7 de fevereiro de 2019

Patrocinadores principais do Futebol


Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar