18 de novembro de 2017, 20h40

Benfica nos oitavos da Taça com assinatura dos médios

Futebol

Cervi (25’) e Krovinovic (81’) deram expressão ao trabalho coletivo na zona de finalização, marcando os golos do triunfo sobre o V. Setúbal (2-0) nos 16 avos da segunda competição mais relevante em Portugal.

Com um golo em cada uma das partes, o Benfica bateu o Vitória de Setúbal por 2-0 no Estádio da Luz, avançando para os oitavos de final da Taça de Portugal. Os golos tiveram a assinatura de dois médios de ataque: Cervi (25’) e Krovinovic (81’).

Mantendo o figurino tático dos últimos jogos, que se traduz no reforço das pedras sobre a zona central do meio-campo (Samaris, Pizzi e Krovinovic) e entrega do eixo do ataque em permanência a uma unidade (Jonas), o Benfica deu o pontapé de saída na partida e logo mostrou pressa e vontade de perfurar a defensiva do V. Setúbal, na perspetiva de enfiar a primeira bola na baliza.

Confiantes, seguros e rápidos na circulação de bola com amplitude, os jogadores do Benfica foram tentando combinações para criar desequilíbrios, aproveitando a projeção ofensiva dos laterais Douglas (à direita) e Grimaldo (à esquerda).

De uma incursão de Rafa pelo flanco direito nasceu a primeira oportunidade de golo da partida. A bola viajou, rasteira, do pé direito do camisola 27 até ao espaço que Krovinovic preenchia sobre o lado esquerdo da área. O croata ajeitou o esférico e disparou, forçando Cristiano a uma defesa difícil. Estavam decorridos apenas seis minutos de jogo.

Somando cantos à esquerda e à direita, as águias procuravam o golo de todas as formas. Na sequência de um desses lances de bola parada, Luisão quase marcava. Bonilha, porém, substituindo o seu guarda-redes, levou a cabeça à bola e negou o festejo ao capitão benfiquista.

O V. Setúbal era, neste período, uma equipa bem organizada e posicionada, mas pouco certeira no processo de saída de bola. O Benfica mandava e encostava o adversário à sua grande área. E o golo, o primeiro do desafio para os encarnados, aconteceu com naturalidade.

Aos 25’, Pizzi bateu um canto na direita; a bola seguiu rente à relva para o interior da área sadina, Luisão abriu as pernas e deixou-a passar, ficando redonda para o tiro de pé esquerdo de Cervi, que estava plantado, sem vigilância, à entrada da área: 1-0.

Em vantagem, o Benfica baixou um pouco o ritmo, mas em nenhum momento perdeu o controlo dos acontecimentos. Porém, o jogo tornou-se menos vistoso nos derradeiros minutos do primeiro tempo.

Mais espevitado e ousado no início do segundo tempo, o V. Setúbal criou então algumas dificuldades ao conjunto benfiquista, embora Krovinovic (56’), na resposta, tenha feito um remate que só não redundou em golo na baliza sadina porque Cristiano se estirou e repeliu o esférico.

Bruno Varela, de volta à baliza dos encarnados, teve de dizer “presente” em dois momentos aos 62’, sustendo tentativas de Arnold e Semedo, e ainda aos 80’, arrojando-se aos pés de João Amaral, com o central Jardel a colaborar igualmente na resolução do engulho.

Já com o jovem Keaton Parks a manobrar na zona central do meio-campo – em estreia absoluta, saltou do banco para render Pizzi (71’) –, o Benfica alcançou o 2-0 aos 81’. Cervi, pela esquerda da área sadina, comandou a ameaça e depois, com um passe curto, assistiu Krovinovic, que disparou de primeira e colocado de pé direito, sentenciando o apuramento dos encarnados.

Texto: João Sanches

Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica

Comentários (0)

200 caracteres disponíveis

Submeter

Ainda não existem comentários. Sê o primeiro a enviar uma opinião.

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar