1 de dezembro de 2017, 23h24

Clássico discutido, mas sem o tempero do golo

Futebol

O Benfica empatou 0-0 em casa do FC Porto, na 13.ª jornada da Liga NOS.

Mais discutido do que espetacular, o clássico no Estádio do Dragão terminou como começou: 0-0. FC Porto e Benfica dividiram pontos na 13.ª jornada da Liga NOS.

 

Abordagem ambiciosa por parte do Benfica, exibindo atitude competitiva logo nos primeiros lances após o pontapé de saída. Aos 3’, na sequência de um canto cobrado à direita por Pizzi, dispôs de uma boa possibilidade de introduzir a bola na baliza portista, mas o cabeceamento de Jonas foi sacudido por uma palmada de José Sá, que saíra dos postes para tentar neutralizar a ameaça.

Com mais bola, o Benfica, em 4x3x3, teve mais iniciativa de jogo no quarto de hora inicial. Muito mexidos na zona ofensiva, os jogadores encarnados provocavam espaços e geravam linhas de passe para promover uma circulação de bola segura e que, de um instante para o outro, pudesse produzir um desequilíbrio nos últimos metros do terreno de jogo.

O FC Porto, arrumado em 4x3x3, começou a esboçar reação a meio do primeiro tempo, de forma gradual, mas o Benfica mostrava frescura e disponibilidade física nas ações defensivas, com as suas unidades mais adiantadas a reposicionarem-se rapidamente, potenciando a agressividade e cobertura na zona recuada.

Nas poucas vezes em que, nesta fase, os portistas levaram a bola para junto da baliza benfiquista, Bruno Varela mostrou atenção, equilíbrio e competência nas intervenções. Disputado nos planos físico e tático, mas nem sempre bem jogado no quarto de hora final, o clássico correu para tempo de intervalo com o 0-0 cravado no marcador.

A segunda parte mostrou um FC Porto mais empertigado nos minutos iniciais, dificultando a saída de bola do Benfica, que neste período não conseguia ser tão efetivo na circulação e criação de ataques.

O clássico primava pela intensidade e os portistas, mais ameaçadores na zona das decisões, obrigavam o Benfica a expor capacidades na zona defensiva, onde sobressairia a entreajuda dos jogadores e a serenidade de Bruno Varela.

Aos 65’, Rui Vitória decidiu acrescentar músculo à zona central da linha média, lançando Samaris por Pizzi. O Benfica reequilibrou as forças e, com a entrada de Zivkovic (rendeu Cervi aos 76’), voltou a aproximar-se com perigo da baliza portista.

Aos 79’, foi por uma bota (de Marcano) que a bola cruzada por Zivkovic não chegou aos pés de Jonas, que estava completamente solto à entrada da pequena área dos dragões.

Zivkovic seria penalizado pelo árbitro com dois cartões amarelos – num critério disciplinar contestado pelos encarnados – e, reduzido a dez elementos, o Benfica sentiu então necessidade de se trancar nos últimos minutos.

Ainda assim, o Tetracampeão não abdicou de olhar para a baliza portista – Krovinovic, perto do termo do duelo (85), teve mesmo uma aberta na esquerda, mas, na cara de José Sá, o médio-ofensivo do Benfica viu o guarda-redes rival negar-lhe o golo com uma defesa de recurso (mancha).

Antes dessa ocasião para agitar as redes, também por aquele lado, o mesmo Krovinovic, embora com menos ângulo de remate, atirara para fora (80); na área contrária, Marega enjeitaria de cabeça, mesmo no cair do pano, uma bola cruzada por Otávio.

Texto: João Sanches

Comentários (0)

200 caracteres disponíveis

Submeter

Ainda não existem comentários. Sê o primeiro a enviar uma opinião.

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar