Futebol

24 fevereiro 2019, 14h40

Bruno Lage

O treinador do Benfica, Bruno Lage, anteviu, em conferência de Impresa, no Caixa Futebol Campus, a partida referente à 23.ª jornada da Liga NOS, com o GD Chaves, agendada para as 21h15 desta segunda-feira, no Estádio da Luz.

Que dificuldades espera encontrar diante do GD Chaves?

Muitas. Tem feito um percurso interessante, conquistou pontos e está na luta pela manutenção. Nesta altura do Campeonato, estas equipas dão trabalho pela atitude e pela organização que mostram no jogo. Esperamos imensas dificuldades, mas queremos fazer um bom jogo, concentrados, organizados e com ambição para jogar bem e ganhar o jogo.

Um comentador de um clube adversário colocou em causa a questão física dos jogadores do Benfica. O que sente enquanto treinador do Benfica?

Não sinto nada. Indiferença total. Concentro-me no meu trabalho, não vejo o que fazem os outros clubes. Quando o treino é aberto à Comunicação Social, vocês, nesses 15 minutos, podem ver como treinamos e a intensidade com que treinamos. Lamento é que não tenhamos tempo para treinar, com jogos de três em três dias, nem para abrir o treino a Sócios e adeptos, para que vejam a intensidade e a atitude com que treinamos.

Bruno Lage

André Almeida e Ferro estão castigados. As obrigatórias mexidas que terá de fazer na defesa podem tirar solidez ao sector? Já está a pensar no clássico com o FC Porto?

Sobre a primeira questão: tentamos criar rotinas com todos. Isso foi notório na gestão equilibrada do plantel, os jogadores saem e entram, e a dinâmica coletiva está lá. A linha defensiva é analisada pelos golos sofridos. Quando cá cheguei, verifiquei que a nossa linha defensiva era muito criticada. Quando queremos jogar em equipa, a responsabilidade é de todos. Iniciamos o ataque através do guarda-redes e iniciamos a defesa com os avançados. Falámos com os avançados para analisarmos o posicionamento defensivo. Têm feito um trabalho enorme. Em jeito de brincadeira, ainda disse: se fizerem o que lhes peço em termos defensivos, e ainda conseguirem marcar golos, é de lhes tirar o chapéu. Mantemos a equipa compacta e estamos satisfeitos com isso. Não podemos olhar só para a linha defensiva e esquecer o comportamento coletivo. Sobre o jogo com o FC Porto: não penso nisso ainda. Estamos muito concentrados em fazer um bom jogo com o GD Chaves, vencê-lo e depois preparar o jogo com o FC Porto.

Podemos ter uma declaração sua sobre o Dínamo Zagreb, adversário que calhou ao Benfica nos oitavos de final da Liga Europa?

Não tenho nenhum conhecimento ainda. Nos últimos dois/três dias foi ver os jogos Chaves-FC Porto, SC Braga-Chaves e Chaves-Marítimo. Tivemos de ver estes três jogos, ver o nosso jogo com o Galatasaray. São quatro jogos. Cada jogo tem uma hora e meia; nós demoramos duas horas e meia a três horas a analisar cada jogo. Ainda tivemos de comer e dormir. Esta é a nossa forma de trabalhar, dá resultado e não vale a pena pensar mais além. Sabemos que tem feito um trajeto interessante na Europa.

Bruno Lage

Sente mais pressão por jogar depois do FC Porto?

A pressão é a mesma. A pressão enorme é colocada no nosso trabalho, em mim, em fazer as coisas bem feitas, em preparar o treino certo, em perceber que temos mais de 20 jogadores e que recuperam de forma diferente e ligá-los para jogarem em equipa. Pressão para que joguem em equipa e para que percebam a estratégia. Fatores externos não nos podem preocupar.

Tem rodado a equipa, mas nos avançados nunca mexeu. Porquê?

No banco tenho um jovem chamado Jonas, que está doido para fazer no jogo o que faz no treino. Temos cinco avançados – incluo o Rafa porque pode fazer mais do que uma posição. O Jota ainda não teve oportunidade de jogar. Estava em mente entrar com o 0-3 em Aves, mas, com a expulsão do Ferro, tivemos de reajustar e não foi possível. Estamos contentes com todos. Analisamos o adversário e a estratégia.

Tem apostado nos jovens. Como se gere a entrada destes jogadores a nível emocional?

Este é um projeto que já dura há uns anos e estamos a dar continuidade. A forma como os jogadores e os homens aqui chegam já preparados… Cheguei aqui e coloquei o João Félix a jogar, não lhe disse mais nada. Foi o mesmo com o Florentino. Perceber que, para além de bons jogadores, temos aqui bons homens e as coisas surgem com naturalidade. As coisas vão acontecendo e não há pressa. Há um caminho a percorrer e sinto-os tranquilos.

Texto: Marco Rebelo

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Última atualização: 9 de julho de 2019

Patrocinadores principais do Futebol


Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar