20 de maio de 2019, 14h08

Seferovic no reino das lendas

Futebol

Os 23 golos apontados em ano de título pelo camisola 14 do Benfica, que imitou Eusébio, colocam-no numa lista ao alcance de poucos.

A época 2018/19 terminou com a conquista do 37.º Campeonato Nacional do palmarés do Benfica e também com um jogador encarnado como Melhor Marcador da prova. Esta é a 20.ª vez que acontece, com Seferovic (23 golos) a juntar o seu nome a outras lendas goleadoras.

Na frente de um ataque montado com dois avançados (4x4x2), o suíço disparou para uma segunda volta de sonho, com 16 tiros, aos quais se juntaram os sete obtidos na primeira metade da Liga NOS.

Todos os tentos do avançado foram através de lances de bola corrida. Só no ano civil de 2019, já com Bruno Lage ao leme das águias, apontou 19 golos em 18 partidas realizadas (1,06 por jogo), precisando apenas de 74’ para faturar e ombreando com Mbappé e Messi. Ou seja, aos 27 anos fez a melhor da carreira.

Porém, nem sempre é fácil coincidir o campeão com o goleador do Campeonato, mas as águias já o conseguiram fazer numa vintena de ocasiões. Tudo começou em 1942/43, com Julinho, que se sagrou o Melhor Marcador, com 24 remates certeiros, mas o Rei desta lista restrita é Eusébio.

Seferovic

Melhor marcador e Benfica Campeão

Época Jogador Golos
2018/19 Seferovic 23
2015/16 Jonas 32
2009/10 Cardozo 26
1990/91 Rui Águas 25
1988/89 Vata 16

Nené

Época Jogador Golos
1983/84 Nené 21
1980/81 Nené 20
1975/76 Jordão 30
1972/73 Eusébio 40
1971/72 Artur Jorge 27

Eusébio

Época Jogador Golos
1970/71 Artur Jorge 23
1967/68 Eusébio 42
1966/67 Eusébio 31
1964/65 Eusébio 28
1963/64 Eusébio 28

José Águas e Béla Guttmann

Época Jogador Golos
1962/63 José Torres 26
1960/61 José Águas 27
1956/57 José Águas 30
1949/50 Julinho 28
1942/43 Julinho 24

Por cinco vezes, Eusébio foi o goleador da prova maior do futebol português em ano de Benfica Campeão – quatro delas consecutivas. O registo começou a ganhar forma em 1963/64 e só terminou em 1972/73. Depois de 1963/64, com 28 disparos, o Pantera Negra celebrou em 1964/65 (28), 1966/67 (31) e 1967/68 (42). No arranque da década de 1970, o Benfica conquistou o Tricampeonato e festejou, nessas mesmas três vezes, o Melhor Marcador. Artur Jorge venceu o prémio em 1970/71 e 1971/72, e o King arrecadou-o pela 5.ª vez em 1972/73, época de campeão invicto.

Nos anos 1980 surgiu o nome de Nené. O veloz atacante sagrou-se o goleador da competição em duas épocas em que o Benfica levantou o cetro de campeão – 1980/81 e 1983/84 – com 20 e 21 golos, respetivamente. A partir do final da década de 1980, início dos anos 1990 e Século XXI, o Melhor Marcador do Clube em ano de Benfica Campeão não mais se repetiu.

Entraram na lista Vata (16 tentos), Rui Águas (25), Cardozo (26), Jonas (32) e Seferovic (23). O suíço é o 20.º nome deste grupo restrito, mas tem mais uma curiosidade… O camisola 14 imitou Eusébio como o futebolista a apontar o golo 100 das águias numa edição do Campeonato Nacional. O Pantera Negra fê-lo na última ronda de 1972/73 frente ao Montijo; o internacional suíço inaugurou o marcador de pé esquerdo no desafio com o Santa Clara, na jornada de encerramento de 2018/19.

seferovic-1-new_thumbnail

Melhores Marcadores do top 7 europeu

Nome Média de golos Jogos | Golos
Mbappé 1,14 28 | 32
Messi 1,06 34 | 36
SEFEROVIC 0,79 29 | 23
Quagliarella 0,72 36 | 26
Lewandowski 0,67 33 | 22
Aubameyang 0,61 36 | 22
Chalov 0,45 29 | 13

Não foi só a nível interno que Seferovic deu cartas. A sua capacidade goleadora evidencia-se quando comparado com a elite europeia. Entre os sete maiores campeonatos da UEFA (Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha, França, Rússia e Portugal), o avançado do Benfica está no pódio, com a 3.ª melhor média de golos. Os 0,79 conseguidos pelo suíço são apenas superados por Mbappé (Paris Saint-Germain) e Messi (Barcelona).

Apesar de três destas sete ligas estarem a uma jornada de terminarem, não é crível que Seferovic saia do pódio. Os campeonatos em França, Itália e Rússia vão encerrar na próxima semana, mas só Quagliarella, da Sampdória, é uma verdadeira ameaça. O transalpino está com uma média de 0,72 golos por desafio e, para ultrapassar o benfiquista, teria de fazer quatro golos na receção à Juventus, campeã em título.

Texto: Marco Rebelo

Fotos: Arquivo / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar