3 de outubro de 2018, 00h06

Rui Vitória: "Ganhámos pelo trabalho e pelo rigor"

Futebol

Treinador do Benfica reconheceu que a equipa passou por momentos difíceis por ter ficado reduzida a dez jogadores no fim da primeira parte, mas valorizou a forma como a mesma foi capaz de reagir e vencer no reduto do AEK.

O Benfica teve uma abordagem muito positiva ao jogo com o AEK, em Atenas, na 2.ª jornada do Grupo E da Liga dos Campeões, construiu uma vantagem (0-2), mas depois perdeu Rúben Dias (expulso) em cima do intervalo. O treinador Rui Vitória admitiu que o segundo tempo foi complicado, porque o adversário também arriscou mais, mas destacou a forma como a sua equipa foi capaz de virar o texto e rematá-lo com um triunfo (2-3).

Entrada forte e... expulsão que condicionou

"Entrámos muito bem na partida, com vários remates e oportunidades, com o controlo da partida. No final do primeiro tempo o lance da expulsão [de Rúben Dias] ditou um desequilíbrio que não queríamos que acontecesse. Tivemos de acertar ao intervalo. O AEK também entrou muito forte no segundo tempo, tinha um jogador a mais, estava a jogar com o apoio do público, teve essa vitamina, arriscou mais. Pagámos um pouco a fatura de ter menos um jogador."

AEK-Benfica

Correções para atacar segunda parte difícil

"Na chegada ao balneário, disse aos jogadores que analisaríamos depois o porquê de ter acontecido [a expulsão]. Teríamos de jogar a segunda parte com determinação e inteligência, sabendo por onde é que o adversário nos poderia causar problemas e tentar controlá-los. Teríamos também de ser equipa capaz de chegar à frente para minimizar a diferença de jogadores. Uma segunda parte com um jogador a menos num jogo de Liga dos Campeões acaba por ser complicado."

AEK-Benfica

Alfa Semedo: a chave do triunfo

"Tivemos dificuldades até acertarmos a marcação na zona central com a entrada do Alfa Semedo. Foi uma vitória da determinação, do trabalho. O jogo não estava fácil. São três pontos muito saborosos, de trabalho, que custaram muito a ganhar."

Alfa Semedo golo do Benfica

Com 11 contra 11 a história seria outra

"Se vamos para o intervalo em situação de 11 contra 11, na segunda parte iríamos fazer mais golos. A forma como o AEK defende e como nós estávamos a abordar as saídas para o ataque, iríamos ter mais oportunidades de golo. Com um jogador a menos, tudo foi diferente. Teve influência na marcha do resultado, mas a análise é para tratarmos internamente."

AEK-Benfica

Noite começou com qualidade e organização

"O jogo teria de ser ganho na primeira parte. Nesse período o desafio podia estar praticamente resolvido. Acabámos por ganhar de outra forma daquela que fazia prever a primeira parte. Nessa fase era pela qualidade e organização, na segunda ganhámos pela determinação, pela crença, pelo trabalho e pelo rigor."

Texto: João Sanches

Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar