11 de novembro de 2018, 20h00

Na estrada certa

Futebol

Num relvado pesado, massacrado pela chuva, o Benfica mostrou fibra e qualidade, ganhando por 1-3 em Tondela, na 10.ª jornada da Liga NOS.

Numa demonstração de força, qualidade e fibra num terreno muito difícil e pesado, o Benfica virou o resultado em Tondela e triunfou por 1-3 na 10.ª jornada da Liga NOS. Seferovic, lançado por Rui Vitória durante o segundo tempo, também teve influência no desenlace de uma partida em que Jonas marcou e André Almeida fez duas assistências.

Debaixo de chuva, o Benfica entrou com o pé esquerdo na partida em Tondela. Num ataque pela direita, a equipa da casa teve Murillo na condução de bola (1'), em aceleração, sendo a ação do internacional venezuelano concluída com um cruzamento para o meio da área, onde Conti, na dividida com Xavier, pareceu ter sido o último jogador a tocar na bola, que seguiu para o interior da baliza de Odysseas (1-0, autogolo).

Aguentando o golpe, as águias ripostaram e alcançaram o empate (1-1) aos 9': André Almeida, dando profundidade ao ataque pela direita, abriu para receber o passe de Pizzi e cruzou com precisão para Jonas subir mais alto no coração da área, vencendo o duelo aéreo com os centrais e cabeceando para as redes do Tondela, não dando a mínima chance a Cláudio Ramos.

Com mais iniciativa e mais posse de bola (a rondar os 60 por cento no fim do primeiro tempo), o Benfica somou ataques e foi entrando com muito perigo na defensiva da equipa beirã. Jonas, aos 21', procurou o golo num tiro de meia distância; aos 24', depois de um livre batido por Pizzi na direita, foi Conti quem ameaçou o 1-2, mas Ícaro antecipou-se e afastou o esférico.

Aos 28', a oportunidade mais flagrante para ganhar vantagem: Rafa esburacou pela direita e disparou cruzado, sendo o golo negado pelo poste esquerdo. No lance seguinte, Cervi caiu na área do Tondela, depois de um choque com um defensor, mas o árbitro João Pinheiro considerou não ter havido infração para pontapé de penálti.

Pelo meio do caudal do Benfica, o Tondela teve uma jogada ameaçadora: David Bruno escapou pela direita e cruzou para Murillo, que teve espaço para rematar, mas Conti estava lá na dobra a Odysseas, afastando o esférico (37').

Tondela-Benfica

A segunda metade do encontro começou com um tiro de Cervi, de livre direto, que não deu golo por escassos centímetros (47'). Pizzi tentou dar vantagem de meia distância aos 50', mas sem sucesso. Pouco depois, David Bruno foi penalizado por comportamento incorreto com Cervi e foi expulso por acumulação de cartões amarelos.

Rui Vitória mexeu nas suas pedras aos 59', trocando Cervi por Seferovic. Na mesma fase do encontro, Odysseas mostrou presença na baliza e voou para sacudir a bola cabeceada por Xavier. Cinco minutos volvidos, com o Benfica de novo em ataque, Seferovic posicionou-se no sítio certo para dar a melhor sequência a uma combinação entre Pizzi, Jonas e André Almeida na direita, cabendo ao lateral o passe para golo: 1-2 aos 64'. Foi a segunda assistência do lateral neste desafio.

O Tondela ainda reagiu num lance aos 72', com Xavier a escapar no meio da linha defensiva do Benfica e a rematar para fora. As águias voltaram à carga e ampliaram a diferença por intermédio de Rafa aos 75', finalizando dentro da área uma combinação rápida entre Jonas e Pizzi no corredor central (1-3).

Na reta final do desafio, o Benfica esteve sempre mais próximo de marcar e reforçar os números da vitória perante um adversário que ainda perderia Ícaro (vermelho direto por entrada dura sobre Rafa aos 84') antes de o árbitro João Pinheiro dar por encerradas as ações no relvado do Estádio João Cardoso.

Texto: João Sanches

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar