1 de agosto de 2019, 13h25

No caminho do sucesso

Futebol

Domingos Soares de Oliveira, administrador-executivo da Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD, em entrevista à revista "Exame".

Numa entrevista concedida à revista "Exame", Domingos Soares de Oliveira abordou vários temas da atualidade do Sport Lisboa e Benfica. Falou sobre a transferência de João Félix, enalteceu os resultados financeiros, abordou o tema do naming do Estádio, da pacificação do futebol português e ainda sobre a expansão da marca Benfica.

ECA

Maior transferência de sempre no futebol português

"Como é evidente, ninguém pode ficar triste por receber 120 milhões de euros. Acho que é preciso ter consciência da grandeza do que nós já fizemos. Tivemos anos em que as transferências andavam à volta dos 80-100 milhões de euros, mas sempre com muitos jogadores. Mesmo este exercício que terminou agora, a 30 de junho, terá um montante significativo do ponto de vista de venda de jogadores, portanto um único negócio que faça 120 milhões de euros é impossível dizer que não é bom. Agora, nós vivemos hoje uma realidade económica que nos deveria permitir dizer “não” a determinadas vendas e estar a reter os jogadores. Na minha modesta opinião, teria preferido muito mais que o jogador ficasse aqui um ou dois anos em vez de o deixar sair já. Para nós, para o jogador – não sei se para o Atlético de Madrid –, teria sido uma situação mais desejável. Mas a vontade do jogador é uma vontade importante, tem de ser respeitada. As condições do negócio, para que se pudesse fazer sem que o Benfica se possa opor, foram apresentadas. O Benfica recebe 120 milhões a pronto, portanto não adianta dizer se estamos contentes ou não. O negócio está feito, está feito."

Para onde está a ser canalizado o valor da transferência

"Obviamente podemos investir na contratação de um megacraque. Mas temos aí dois problemas. O primeiro é que esses megacraques, hoje em dia, dizem que o campeonato português é menos sexy do que os cinco principais campeonatos. Gostam da ideia de poder jogar na Champions, sim, mas o que eu tenho de acautelar é o equilíbrio da folha salarial. Se eu for contratar um jogador que vá ganhar cinco ou seis milhões limpos, eu crio um problema gigantesco ao nível do balneário. O dinheiro vai ser claramente usado para reforçar a nossa capacidade competitiva, o que não significa necessariamente que seja mais compras ou mais salários, mas nós não podemos ficar com o dinheiro aqui, dizer que o Benfica é uma entidade fantástica e que temos 300 milhões no banco. A intenção é reforçar sempre a nossa capacidade competitiva, sem comprometer o equilíbrio, quer do ponto de vista de contas quer do ponto de vista salarial."

Domingos Soares de Oliveira

Ano extraordinário do ponto de vista financeiro

"Temos mantido sempre, do ponto de vista de rácios, o nosso custo salarial dentro das recomendações da UEFA, abaixo dos 70%. Mantendo este comportamento, conseguiremos apresentar resultados positivos, como temos feito nos últimos cinco anos, e 2018/2019 será novamente um ano com resultados positivos. Como é evidente, arrancando 2019/2020 com uma receita extraordinária de 126 milhões, com a garantia de que estamos na Champions, batemos recordes de receitas de lugares cativos, os Red Pass; o ano vai ser extraordinário do ponto de vista financeiro. Oxalá tenhamos a capacidade de ir o mais longe possível na Champions, é um fator importante. Mas as outras receitas todas, direitos televisivos, patrocínios, etc., são muito estáveis, portanto não haverá aqui nenhuma surpresa que faça com que possamos sequer equacionar um cenário de prejuízos no final desta época."

Plantel fechado ou ainda poderá haver movimentações?

"Até 31 de agosto, o plantel está em aberto, e nos dois sentidos. Podem entrar jogadores e podem sair. Eu arrisco-me sempre a ter um jogador, que para nós é crítico, mas, no dia 29, aparecer aqui alguém, bater a cláusula de rescisão à má fila e levá-lo. E este caminho dos jogos de preparação é um processo fundamental para que a equipa técnica faça uma redução do número de jogadores do plantel e para fazer as contratações cirúrgicas que possam ser necessárias."

O passivo

"Em termos nacionais as pessoas preocupam-se muito com o passivo e eu nunca vi ninguém preocupar-se com o ativo. trezentos milhões de passivo, sendo que 130 é o que temos hoje daquilo que tem encargos financeiros; não sei como vamos fechar em termos de fornecedores. No entanto, diria que ficará nos 50-60 milhões de euros, e o resto são os descontos de contratos que vamos fazendo, o que para nós é um valor suficientemente aceitável. Não há nenhuma obsessão do Benfica em seguir uma trajetória mais acentuada de redução de passivo. Ele vai ser reduzido; como lhe disse a nossa intenção é muito provavelmente, nas próximas emissões obrigacionistas, fazer uma ligeira redução dos montantes disponíveis no mercado, mas não será acentuada."

Adeptos Estádio da Luz

Naming do Estádio

"Nós ainda não conseguimos chegar a acordo, e não é caso único. As marcas portuguesas não conseguem suportar o investimento que nós consideramos necessário. Como tal, andamos muito à volta dos temas internacionais. Aquilo que se percebe hoje em dia é que ninguém vai investir no naming só para ter aqui o nome da sua marca, para o divulgar. As marcas nacionais não precisam disso e as grandes marcas internacionais têm outros veículos para projetar o seu nome; elas não precisam de o fazer num país periférico como é o caso de Portugal. Portanto, precisamos de encontrar uma justificação do ponto de vista de negócio que vá muito além da exposição da marca. E é isso que andamos a discutir com mais do que um parceiro. Neste momento temos duas conversas em aberto, espero poder fechar uma."

Importância da Champions League

"Por exigência dos grandes clubes europeus, o dinheiro distribuído na Champions é muito superior ao que era. Há uns anos, pela entrada íamos buscar 8-9 milhões de euros, agora vamos buscar €40 a 45 milhões. A exigência dos clubes grandes e a resposta da UEFA para impedir a criação da tal Superliga europeia resultaram no aumento das receitas. A nível doméstico, isto cria mais desequilíbrio, não apenas em Portugal mas em todo o lado. A nível internacional isto permite-nos manter uma capacidade competitiva razoável, embora seja evidente que nós não recebemos o mesmo que um Barcelona ou um Liverpool, mas pelo menos não ficamos apenas com as verbas domésticas, o que tornaria impossível competir. O exemplo do Ajax, e espero que em breve se fale do exemplo do Benfica, é esse, o facto de com receitas acrescidas por irem mais longe na Champions conseguem ter uma competitividade que, até há pouco tempo, era impossível para um clube de uma liga média, como a holandesa."

domingos-soares-de-oliveira-new_thumbnail

Pacificação no futebol português

"A situação tem vindo a degradar-se e não é apenas entre os três principais clubes. O que nós assistimos nos últimos anos foi à criação de um grupo chamado G15, que exclui de alguma forma os três principais clubes portugueses. Eu não conheço nenhuma situação assim a nível europeu. Mas temos este G15, não sei se este grupo ainda está vivo ou não. Depois temos um grupo, que eu chamo G2, que é uma maior proximidade entre Porto e Sporting, e ainda temos o G1, o Benfica, que, de alguma forma, não está nem num grupo nem noutro e que vai fazendo o seu próprio caminho. Respondendo de forma mais objetiva à sua pergunta: as mudanças de liderança que ocorreram do lado do Sporting geram naturalmente um movimento de maior abertura para que possamos discutir. A atual presidência do Sporting tem tido um discurso mais construtivo quando estamos sentados à mesma mesa. Do que eu me lembro em todos os setores em que já trabalhei, todos têm mecanismos para se sentarem à mesa e construir qualquer coisa. Nós temos isso a nível europeu, os clubes que eu conheço a nível doméstico de outros países têm essa capacidade de conversarem entre grandes e pequenos. Em Portugal, não o estamos a fazer. E acho que isso é prejudicial para o desenvolvimento da indústria."

Caso dos emails

"Nestes quase dois anos, fomos objeto de um conjunto de acusações que eu considero infundadas mas que levaram a uma série de notícias internacionais e que claramente afetaram a marca. Houve necessidade de dar explicações aos nossos principais parceiros e tivemos de fazer um esforço significativo, e o facto de termos de fazer esse esforço significa que, de alguma forma, a marca foi prejudicada. Hoje, parece-me que é uma questão que está em vias de ser ultrapassada, e o sucesso relativo que temos vindo a ter nos casos que estão a ser avaliados em tribunais, seja o caso da concorrência desleal ou outros, creio que leva a que os benfiquistas neste momento voltem a sentir o clube com toda a sua pujança."

Adeptos Estádio da Luz

Expansão da marca Benfica

"Acho que temos condições para ambicionar um Benfica mais forte do que o que temos hoje. E faço a comparação, olhando para os últimos 15 anos, e olhando para a frente. Como o Presidente diz, há 15 anos não tínhamos dinheiro para mandar cantar um cego. Tudo o que queríamos era um sonho, e a capacidade de concretização era muito limitada. Mas é preciso dizer que estávamos nos anos de fácil crédito. E, com o apoio dos bancos, conseguimos a construção do estádio, a remodelação do plantel, a regularização das dívidas todas que tínhamos herdado dos tempos mais negros do Benfica. Se hoje temos, olhando para trás, uma capacidade financeira que é única, uma capacidade de investimento que é única, um plantel que nos orgulha em termos nacionais, se vimos de um processo em que nos últimos seis campeonatos ganhámos cinco, temos uma estrutura profissional que é muito boa, e digo-o sem falsas modéstias, acho que podemos equacionar que, não havendo comportamentos desviantes em termos de eleições que tragam aqui populistas – já vimos isso no Benfica e fora do Benfica –, diria que há todas as condições para, daqui a 10 anos, estarmos cada vez mais integrados nos maiores clubes europeus. Acredito que temos todas as condições para isso."

Fotos: Arquivo / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar