30 de outubro de 2019, 11h22

Pérola Negra faria hoje 100 anos!

História

Guilherme Espírito Santo foi uma referência no futebol do Sport Lisboa e Benfica e no ecletismo nacional, destacando-se em variadíssimas modalidades.  

Guilherme Espírito Santo, um verdadeiro símbolo do ecletismo do Benfica, faria hoje 100 anos de vida.

Além de futebolista, o Pérola Negra, como ficou conhecido, evidenciou-se também noutras modalidades com o Manto Sagrado.

Pérola Negra

A história do jogador de futebol

Guilherme Espírito Santo nasceu em Lisboa, a 30 de outubro de 1919. Foi nas ruas alfacinhas que deu os primeiros pontapés na bola e ganhava simpatia pelo Benfica. Ainda menino, partiu para Luanda e foi na capital de Angola que começou a sua carreira desportiva, no Sport Lisboa e Luanda, filial do Clube, onde o seu irmão era jogador.

Em 1936, Espírito Santo voltou para Lisboa, com uma carta de recomendação da filial do Clube, apresentando-se na secretaria, mais precisamente na Rua do Jardim do Regedor. No treino que estava agendado, agradou ao treinador de então, Lipo Herczka, e estreou-se na equipa de reservas, num jogo particular, a 6 de setembro desse ano.

20 de setembro de 1936, com 16 anos, debutou na equipa de honra, num particular frente ao Vitória de Setúbal (triunfo por 5-2). Uma estreia auspiciosa, pois marcou um golo e foi considerado um dos melhores em campo pela Imprensa desportiva. A sua estreia oficial de águia ao peito aconteceu em 11 de outubro de 1936, na 1.ª jornada do Campeonato de Lisboa 1936/37, frente ao Casa Pia (empate 0-0).

Espírito Santo

Vítor Silva despedira-se recentemente dos relvados e a equipa benfiquista necessitava urgentemente de um finalizador para o seu ataque. A 20 de dezembro de 1936, a poucos dias do início do Campeonato Nacional 1936/37, Lipo Herckza aproveitou um desafio particular, frente ao FC Porto (vitória por 5-1), para testar uma nova solução no centro do ataque. Optou por colocar Espírito Santo, que anotou três golos e ainda fez uma assistência. No final da época, o Benfica sagrou-se campeão nacional e Espírito Santo foi o segundo melhor marcador da equipa.

Guilherme Espírito Santo

Guarda-redes de improviso (e que exibição!)

A 19 de janeiro de 1941, o Pérola Negra colocou os seus conhecimentos na arte de voar ao serviço do futebol. No campo do Lumiar, em pleno dérbi entre Sporting e Benfica, Martins, o guardião encarnado, lesionou-se com gravidade ainda antes do intervalo.

Numa altura em que as leis do jogo ainda não previam substituições, o técnico benfiquista pediu a Espírito Santo para assumir o papel de guarda-redes. O Pérola Negra defendeu tudo o que tinha para defender e manteve o resultado de 1-2 para o Benfica.

Em 28 de novembro de 1937, com 18 anos, Espírito Santo realizou o seu primeiro jogo pela Seleção Nacional, onde teve uma atuação brilhante no Portugal-Espanha, realizado em Vigo. Nessa época, num jogo a contar para o Campeonato de Lisboa, frente ao Casa Pia (vitória por 13-1), marcou nove golos, constituindo um recorde no Clube.

Pérola Negra

No início de 1940, o Pérola Negra adoeceu gravemente e esteve afastado dos campos desportivos por vários meses, vestindo novamente a camisola encarnada em 23 de junho desse ano e envergou-a até ao final dessa temporada (1939/40) e da seguinte (1940/41). Todavia, o jogador teve uma recaída e esteve afastado durante duas épocas, surgindo a dúvida se algum dia voltaria a praticar futebol. Espírito Santo voltou aos relvados em 24 de outubro de 1943, num jogo de reservas, contra os Unidos, perante fortes aplausos dos espectadores.

Os números ao serviço do SL Benfica

Épocas 14: 1936/37 a 1949/50
Jogos 285
Golos 199
Títulos 4 Campeonatos Nacionais, 3 Taças de Portugal e 1 Campeonato de Lisboa
Internacionalizações 8

Jogou até 1949 e, com 30 anos, resolveu abandonar definitivamente o futebol, após uma carreira extraordinária. O seu último jogo foi em 8 de dezembro de 1949, inserido na sua festa de despedida, onde se disputou uma taça com o seu nome, no recinto do Campo Grande. Era a despedida de um ídolo, admirado pela sua brilhante carreira desportiva eclética e pelo seu fair play em campo, humildadesimpatia e carisma.

Benfica e a Académica de Coimbra formaram alas para Espírito Santo que, enquanto se dirigia para o centro do campo, foi ovacionado pelos espectadores. Feitas as consagrações, a equipa benfiquista venceu o desafio amigável (7-1) e conquistou a Taça Guilherme Espírito Santo.

Pérola Negra

O verdadeiro símbolo do ecletismo

Espírito Santo é uma das poucas figuras da história do Benfica que foram um jogador de futebol de excelência e um atleta de alto gabarito noutras modalidades. O Pérola Negra destacou-se, também, no atletismo onde conquistou vários títulos e estabeleceu vários recordes nacionais.

A 3 de julho de 1938, Espírito Santo registou o seu primeiro recorde nacional de salto em altura (1,825 m) e, uma semana depois, o bateu o recorde nacional de salto em comprimento (6,89 m). A 17 de julho, estabeleceu um novo recorde de triplo salto (14,015 m).

Em 11 de agosto de 1940 bateu o recorde nacional de saltou em altura (1,85 m) e ultrapassou a sua própria marca a 25 de agosto desse ano (1,88 m), registo que durou cerca de 20 anos (foi batido pelo atleta benfiquista Rui Mingas, a 19 de junho de 1960).

Espírito Santo

Saltador nato

O virtuosista encarnado ficou célebre pela sua polivalência nas mais variadas modalidades. Um futebolista de boa impulsão e bastante velocidade que um dia surpreendeu tudo e todos com um impactante salto efetuado.

O gosto pelo atletismo surgiu nos tempos do liceu, onde participou em corridas e em provas de saltos que eram lá organizadas. Contudo, como o próprio contou numa entrevista ao jornal O Benfica, o desportista eclético nasceu por acaso.

Certo dia, num treino, o esférico rolou até ao local onde trabalhava a secção de atletismo. Espírito Santo ofereceu-se para ir buscar a bola e pelo caminho saltou, serenamente e num ato de brincadeira, uma fasquia de salto em altura que estava colocada a 1,75 metros. José Bastos, antigo guarda-redes do Benfica, afirmou que até os atletas que estavam habituados a estes saltos tinham dificuldades em saltar aquela fasquia, enquanto o Pérola Negra transpôs sem problema e com botas de futebol.

No final da sua carreira futebolística, começou a praticar ténis, tal como um pouco de natação e de ténis de mesa. Mas seria no ténis que se tornaria uma referência, tendo conquistado vários títulos pelo Benfica na época de 1967/68. Guilherme Espírito Santo fez ainda parte da Direção do Clube em 1967 e em 1968.

Espírito Santo

Pelos seus feitos, o Pérola Negra foi galardoado com a Águia de Prata em 1938 e com a Águia de Ouro em 2000. A 28 de fevereiro de 2004, foi designado presidente das Comemorações do Centenário. E, em 2012, recebeu o Anel de Platina pelos 75 anos de associado, vindo a falecer nesse ano.

Fotos: Arquivo / SL Benfica

 

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar