Futebol

30 novembro 2020, 22h25

Jorge Jesus

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

O treinador Jorge Jesus analisou o jogo com o Marítimo (1-2), da 8.ª jornada da Liga NOS. Sublinhou que ganhou a melhor equipa e até considerou que "a primeira parte foi dos melhores jogos que o Benfica fez fora".

O técnico destacou, ainda, o antijogo do Marítimo; demonstrou confiança em Otamendi e Vertonghen; admitiu ter gostado da exibição de Everton; e lamentou a falta de espaço que os avançados tiveram para mostrar a qualidade que têm.

Marítimo-Benfica

Melhor primeira parte fora de casa

"Primeiro, o objetivo era vencer num campo difícil, como é o Estádio do Marítimo. Ainda por cima, virámos o resultado. A primeira parte foi dos melhores jogos que o Benfica fez fora, com muita qualidade. O Marítimo teve um canto [em 90 minutos], fizemos 12 remates… mas isso são estatísticas que às vezes não dizem muito. O que aconteceu no jogo foi que o Marítimo teve dificuldade em parar o Benfica através da sua organização defensiva nesses primeiros 45 minutos. Soube aproveitar bem uma falha individual nossa para se colocar a vencer 1-0. Na segunda parte voltámos a entrar fortes e fizemos o golo [1-2 por Everton] aos 51 minutos. Na última meia hora tivemos medo de ganhar o jogo. A equipa do Benfica não teve tanta qualidade como teve nos 60 minutos anteriores. Nos últimos 30 minutos, o Marítimo dividiu o jogo. Nos primeiros 60 minutos não dividiu, nem quis dividir. Não quis jogar. Só quer jogar quando está a perder. O Benfica ganhou com alguma dificuldade, como demonstra o resultado, mas foi nitidamente mais equipa e justificou vencer."

"Até fazer o 1-2, a equipa do Benfica teve muita qualidade. Foi impressionante como a equipa jogou no ataque posicional e a qualidade de jogo que demonstrou. Depois do 1-2 deixámos de jogar com tanta qualidade e passámos a ser uma equipa a defender, emocionalmente e psicologicamente, o resultado. O campo também está muito difícil para jogar. Este é um resultado importante porque ganhar é sempre bom. Volto a frisar que este é um campo difícil, e jogámos contra uma equipa que ganhou ao nosso rival [FC Porto, no Estádio do Dragão]."

Marítimo-Benfica

O antijogo do Marítimo

"Esta equipa do Marítimo quando quer jogar, joga bem. O Marítimo não precisa de fazer o que fez hoje. Isto é um antijogo constante e o futebol português não quer ideias destas. Enquanto a equipa do Marítimo não está a perder... não quer jogar. O guarda-redes está constantemente no chão, há muitas quebras de jogo e isto não é qualidade para se jogar numa competição com a responsabilidade do Campeonato português. O fundamental foi a vitória num estádio muito bonito e com a equipa do Benfica a jogar durante uma hora com muita qualidade. Este foi o filme do jogo."

"O Marítimo, quando quis jogar, dividiu o jogo com o Benfica. Durante os primeiros 60 minutos não quis jogar. Essa não é a melhor forma para dignificar o Marítimo nem o futebol português."

Marítimo-Benfica

Confiança nos defesas-centrais

"Os erros individuais fazem parte do jogo. É verdade que não podemos cometer erros desses, mas isto faz parte do jogo e da profissão. A minha confiança no Jan Vertonghen e no Otamendi é a mesma de quando os fomos buscar. O Nico esteve mal naquela decisão [golo do Marítimo], mas no resto do jogo teve bastante qualidade e foi uma voz de comando muito forte dentro do campo. Para mim, é mais grave um jogador meu errar taticamente do que tecnicamente. Se errarem taticamente? Aí cobro!"

"Condições para continuar a ser titular? Sim, tem. Por isso é que o contratámos. Hoje o Otamendi teve uma falha individual. Estaria mais preocupado se tivesse falhado posicionalmente. Não é um erro normal, mas quem joga e anda lá todos os dias sabe que por vezes ocorrem erros individuais. Isso não vai justificar nada para que ele continua a ser titular no Benfica, nem vai justificar nada para que ele continue a ser chamado à seleção da Argentina."

Marítimo-Benfica

Everton vai dar muitas alegrias

"Para mim, o Everton já fez melhores jogos no Benfica. Ainda não demonstrou a qualidade que apresentou na seleção do Brasil e no Grémio. Esta é uma jogada [que culmina no 1-2] onde ele costuma fazer muitos golos. Ele ainda vai proporcionar muitas alegrias, a ele e à equipa do Benfica." 

Marítimo-Benfica

Avançados sem espaço para jogar

"O ataque do Benfica sente a falta dos jogadores que estão a jogar. Hoje, o Luca [Waldschmidt] não esteve tão forte como costuma ser, o Seferovic também não esteve tão forte, faltou-lhe ao lado um jogador que o pudesse assistir. A equipa do Marítimo apresentou-se com três homens no corredor central, marcaram bem os nossos dois avançados e eles não tiveram tanto espaço, e aqui há mais mérito de quem defende do que demérito dos avançados do Benfica."

Texto: Diogo Nascimento e Marco Rebelo

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Última atualização: 30 de novembro de 2020

Patrocinadores principais do Futebol


Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar