5 de fevereiro de 2018, 17h10

Quando a Suécia entrou no Benfica…

História

Em 1982, um jovem treinador louro, com 34 anos, chegava a Lisboa para comandar as águias, revolucionar o seu futebol e somar sucessos. No dia em que Sven-Göran Eriksson completa sete décadas de vida, o Site Oficial recorda também os outros suecos que defenderam o Manto Sagrado, de Strömberg a Lindelöf.

Sven-Göran Eriksson, que neste dia 5 de fevereiro completa 70 anos de vida, chegou a Lisboa em 1982 para treinar a equipa do Benfica.

Contratado por Fernando Martins, que àquela época liderava os destinos do Clube, o então jovem sueco, com 34 anos, arregaçou as mangas e transformou o futebol dos encarnados com táticas que privilegiavam o ataque e ao mesmo tempo garantiam triunfos. Foi assim que a Suécia entrou no Benfica.

Eriksson estreou-se como treinador do Benfica logo com uma vitória (0-1, golo de Humberto Coelho) na época 1982/83, em jogo da 1.ª jornada do Campeonato Nacional frente ao Espinho, no Campo Condes Dias Garcia, em São João da Madeira. Era só o começo de uma ligação de sucesso.

O sueco teve duas passagens pelo Benfica: a primeira no período 1982-1984, a segunda no ciclo 1989-1992. Levou os encarnados ao título de Campeão Nacional em 1982/83, vencendo também a Taça de Portugal (dobradinha). Levou ainda o Clube da Luz à final da Taça UEFA, mas a final, a duas mãos, foi favorável aos belgas do Anderlecht (2-1). Em 1983/84 voltou a ganhar o Campeonato (bicampeão).

No seu regresso, em 1989, chegou à final da Taça dos Campeões Europeus, onde perdeu com o AC Milan (1-0). As conquistas não acabaram por aqui e em 1990/91 foi novamente campeão.

Stromberg

STRÖMBERG, O PRIMEIRO JOGADOR

Eriksson abriu a porta aos jogadores suecos no Benfica: o primeiro de todos foi Glenn Strömberg, em 1982/83. Oriundo do Gotemburgo, anterior clube de Sven-Göran, no qual havia sido seu treinador, o médio-centro pisou o solo lusitano pela primeira vez em janeiro de 1983, já com a temporada em andamento, fazendo a sua estreia oficial com a camisola do Benfica no dia 5 de fevereiro de 1983 (há precisamente 35 anos) num desafio a contar para a 18.ª jornada do Campeonato Nacional, frente ao V. Setúbal no Estádio da Luz. O resultado final desse encontro foi uma igualdade (1-1).

Glenn Strömberg esteve ao serviço do Benfica durante duas épocas, tendo realizado 44 jogos e marcado seis golos. Ganhou dois Campeonatos Nacionais (1982/83 e 1983/84) e uma Taça de Portugal (1982/83).

Magnusson

MAGNUSSON, O GOLEADOR

Em 1987 foi a vez de o avançado Mats Magnusson integrar o plantel encarnado. A 12 de setembro de 1987 estreou-se no Estádio da Luz, num jogo a contar para a 4.ª jornada do Campeonato, frente ao Marítimo.

Esteve ao serviço dos encarnados durante cinco temporadas (1987 a 1992), realizou 163 jogos e foi um dos melhores marcadores estrangeiros da história do Clube, com 87 golos.

De águia ao peito, Magnusson arrecadou três troféus: dois Campeonatos Nacionais (1988/89, 1990/91) e uma Supertaça Cândido de Oliveira (1989). Além disso foi o melhor marcador do Liga com 33 golos, em 1989/90.

Jonas Thern

THERN NA SEGUNDA PASSAGEM DE ERIKSSON

Ainda na década de 1980, a par de Magnusson, a equipa do Benfica recebeu mais um internacional sueco: Jonas Thern, de 21 anos, entrou em Portugal em 1989 pela mão de Eriksson, precisamente no momento em que o treinador acertava o seu regresso ao Benfica. O internacional sueco, vindo de um período exuberante ao serviço do Malmoe, trouxe a indispensável segurança ao meio-campo dos encarnados.

A 26 de agosto de 1989, Thern estreou-se pelo Benfica, no Estádio Municipal de Guimarães, na 2.ª jornada do Campeonato. V. Guimarães e Benfica empataram a uma bola, com o golo dos encarnados a ficar a cargo de Mats Magnusson, aos 49’.

Thern envergou o Manto Sagrado por três épocas (1989/90 a 1991/92), onde fez 101 jogos e marcou 10 golos.

Conquistou ainda um Campeonato Nacional (1990/91) e uma Supertaça Cândido de Oliveira (1989).

Schwarz

SCHWARZ, O CANHOTO POLIVALENTE

Em 1990 os Benfiquistas receberam Stefan Schwarz. Jogou três épocas pelo Benfica, realizou 111 jogos e levou no seu currículo 10 golos apontados. O defesa/médio canhoto estreou-se a 25 de agosto de 1990, no campo e no marcador. A 2.ª jornada do Campeonato Nacional jogou-se no Estádio Municipal de Guimarães e o Benfica bateu o Vitória por 0-2, com Schwarz a marcar o primeiro golo da partida, logo aos 4’, e com o seu colega Jonas Thern a dilatar a vantagem aos 43’, fazendo o segundo e último golo do encontro.

Quanto a títulos, Schwarz, o quarto jogador sueco a passar pela Luz, levou na sua carreira dois Campeonatos Nacionais (1990/91, 1993/94), ao serviço do seu “clube do coração”, e ainda uma Taça de Portugal (1992/93).

Pringle

PRINGLE, O AVANÇADO DISCRETO

Em 1996 chegou Martin Pringle, quinto jogador sueco ao serviço do Benfica. Realizou 55 jogos, marcou oito golos, mas não conquistou nenhum título durante as três épocas em que vestiu a camisola encarnada (1996/97, 1997/98, 1998/99).

Pisou, pela primeira vez, o Estádio da Luz a 21 de outubro de 1996, na 7.ª jornada do Campeonato, numa vitória, por 2-0, frente ao Estrela da Amadora.

Andersson

ANDERSSON TAMBÉM RECHEOU O CURRÍCULO

Anders Andersson, na altura com 26 anos, fez o seu primeiro jogo pelo Benfica a 11 de agosto de 2001, no Estádio do Varzim SC, ao substituir Ljubinko Drulovic, aos 78’. A 1.ª jornada do Campeonato, arbitrada por Isidoro Rodrigues, valeu um empate (2-2) ao Benfica, frente ao Varzim (golos de Zlatko Zahovic aos 15’ e de Fernando Meira aos 47’).

O médio esteve ao serviço dos encarnados por três épocas (2001/02, 2002/03 e 2003/04), onde realizou 57 jogos e marcou um golo (a 12 de abril de 2002, na Luz, numa goleada por 4-0 frente ao Paços de Ferreira, na 31.ª jornada do Campeonato). Acrescentou a conquista de uma Taça de Portugal (2003/04) ao seu currículo.

Lindelöf

LINDELÖF, O JOGADOR MAIS TITULADO

O mais recente sueco a integrar o plantel encarnado foi Victor Lindelöf, que ingressou no Benfica em 2013/14. Permaneceu no Clube até à época transata (2016/17), finda a qual se transferiu para o Manchester United. Fez 73 jogos de águia ao peito (54V 10E 9D) e marcou dois golos.

Envergou pela primeira vez o Manto Sagrado a 19 de outubro de 2013, no Estádio Municipal Prof. Cerveira Pinto, na 3.ª eliminatória da Taça de Portugal, onde o Benfica levou a melhor sobre o Cinfães por 1-0, com um golo apontado por Ola John, aos 52’.

Lindelöf foi o sétimo e último jogador sueco, até à data, a passar pela Luz, sendo também aquele que mais troféus ganhou pelo Sport Lisboa e Benfica: três Campeonatos Nacionais, duas Taças de Portugal, uma Taça da Liga e uma Supertaça Cândido de Oliveira.

Texto: Márcia Dores

Fotos: Arquivo / SL Benfica

 

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar