25 de fevereiro de 2018, 13h01

Rafa colou o pé ao acelerador

Futebol

Titular pela terceira vez consecutiva na equipa de Rui Vitória, o atacante fez também o seu primeiro jogo completo nesta edição da prova em Paços de Ferreira. Meteu velocidade pela direita, desequilibrou, provocou um golo do Benfica e, precisamente um ano depois, ele próprio voltou a acertar nas redes.

Posicionado sobre a direita do ataque do Benfica, com liberdade para procurar espaços interiores, nomeadamente na zona de finalização, Rafa foi um dos motores da equipa na visita bem-sucedida a Paços de Ferreira (1-3), na ronda número 24 da Liga NOS.

Exatamente um ano depois, o jogador em quem Rui Vitória confiou para render Salvio (lesionado) reencontrou-se com os golos. Este, porém, foi apenas um dos condimentos viçosos da atuação protagonizada pelo internacional português.

No seu primeiro jogo completo na corrente edição do Campeonato, o camisola 27 dos encarnados multiplicou acelerações pelo flanco e, logo na etapa inicial da partida disputada no Estádio Capital do Móvel, procurou o golo numa trivela de pé direito e num cabeceamento à entrada da pequena área.

A segunda parte traria outras contribuições cortantes e determinantes para produzir a reviravolta no resultado e recolher mais um triunfo.

Confiante nas ações que desenhava sobre o relvado naquela que foi a sua terceira titularidade consecutiva nesta Liga NOS – Portimonense (fora), Boavista (casa) e agora Paços de Ferreira –, Rafa confirmou que mexe com o jogo e provocou o lance de ataque pela direita que redundaria no 1-1.

Decidido, o camisola 27 porfiou, acelerou, ganhou o duelo e cruzou atrasado para o meio da área, onde Raúl tentou e, numa segunda vaga instantânea, Jonas fez ainda melhor, chutando a bola para dentro da baliza à guarda de Defendi (72’). Era a primeira grande explosão de alegria do Tetracampeão, que montara um cerco às redes pacenses para extrair uma vitória desta deslocação.

No lance do segundo golo das águias em Paços de Ferreira (88’), Rafa foi espectador privilegiado dentro do terreno de jogo: instalado à direita, pronto para corresponder a eventual solicitação, viu Rúben Dias fazer um passe longo para a esquerda, onde Raúl e Seferovic haveriam de se entender e tricotar o passe (feito pelo pé esquerdo do internacional suíço) para a conclusão de Jonas na área.

A noite estava ganha, mas ainda havia mais Benfica e Rafa para aplaudir e celebrar. Aos 90’+4’, Varela colocou a bola na frente, Raúl, mais forte do que um defensor, levou a melhor pelas alturas e, com um toque de cabeça, convidou Rafa a mais um ataque em progressão e velocidade. No meio de dois defesas, descaído para a direita, o 27 entrou na área e disparou cruzado, cravando mais uma bola nas malhas (1-3).

Rafa e Shéu abraçados

Precisamente um ano depois, Rafa voltava a apontar um golo pelo Benfica na Liga NOS. Em 2016/17, na 23.ª jornada da competição, o atacante inscreveu o seu nome na história da receção ao Chaves no Estádio da Luz, rubricando o segundo golo do encontro (aos 49’), quebrando a igualdade que então se registava no marcador e projetando decididamente a equipa para um triunfo que haveria de ser consolidado (3-1) antes do derradeiro apito do juiz Nuno Almeida.

Texto: João Sanches

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar