31 de maio de 2018, 10h52

Rei da Europa: ao Benfica nem o poderoso Barcelona resistiu!

Clube

31 de maio de 1961! Há precisamente 57 anos as águias escreviam História e venciam pela primeira vez a Taça dos Clubes Campeões Europeus.

Assinalam-se nesta sexta-feira 57 anos sobre a conquista da 1.ª Taça dos Clubes Campeões Europeus. O Benfica rubricou uma época extraordinária, abrindo aqui uma década de ouro, e os heróis de Berna foram recebidos em glória.

Foi uma caminhada a todos os níveis notável! Com a conquista do Campeonato Nacional na temporada anterior, o Benfica carimbou a presença no restrito lote de clubes que disputaram a Taça dos Clubes Campeões Europeus em 1960/61.

Passo a passo, eliminatória a eliminatória, os encarnados foram mostrando valor, ambição e mérito… um mérito coroado com classe, qualidade e muita personalidade no Estádio Wankdorf, em Berna.

Mas primeiro, para atingir a tão desejada final, o Benfica deixou para trás Hearts, Ujpesti, Aarhus e Rapid, na altura em eliminatórias a duas mãos.

Já com a conquista do Bicampeonato Nacional assegurada, a quatro jornadas do seu final, o Benfica viajou até terras helvéticas para disputar a sua primeira final da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Pela frente, o poderoso Barcelona… e um jogo que fica nos anais da História.

1.ª Taça Clubes Campeões Europeus

O técnico húngaro Béla Guttmann fez alinhar de início Costa Pereira, Mário João, Ângelo Neto, Germano, Cruz, José Augusto, Santana, José Águas (capitão), Coluna e Cavém… E quando o árbitro suíço Dienst apitou para o início do desafio poucos adivinhariam o resultado final… embora o sonho fosse de largos, largos milhares!

A formação blaugrana inaugurou o marcador à passagem do minuto 20, por intermédio de Kocsis, mas do outro lado houve resposta pronta do Campeão luso. Após jogada rápida pela esquerda, José Águas, oportuno, empurrou para o empate. Um minuto depois, o impensável, com as águias a colocaram-se em vantagem, beneficiando da infelicidade da defesa catalã, com Ramallets a marcar na própria baliza. Era o de 2-1, com que se atingiria o intervalo.

No reatar, enorme Benfica, com Coluna, aos 55’, a ampliar a vantagem para dois golos. Espetacular e indefensável remate com Ramallets a ver o esférico a entrar no ângulo inferior direito da sua baliza.

Do outro lado era o tudo por tudo… Aos 75’, o Barça reduziu, com um grande golo de Czibor… e foi preciso sofrer até ao fim, com Costa Pereira – um monstro na baliza –, os ferros, a estrelinha dos Campeões e a capacidade de superação, entrega e sofrimento de um Benfica que foi melhor a fazerem História: 3-2.

1.ª Taça dos Clubes Campeões Europeus

Na sua segunda participação na prova, e depois de Rogério Pipi ter erguido a Taça Latina em 1950, desta feita, a 31 de maio de 1961, coube a José Águas (melhor marcador da prova, com 11 golos) receber e levantar aos céus a 1.ª Taça dos Clubes Campeões Europeusum momento inolvidável e que inscreveria para sempre o Glorioso, de um pequenino país europeu, como um dos grandes colossos do Velho Continente!

Texto: Sónia Antunes

Fotos: SL Benfica e UEFA

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar