9 de fevereiro de 2019, 15h39

Bruno Lage: "Motivação máxima"

Futebol

"Satisfeito" com a evolução da equipa, o treinador do Benfica vinca como é importante entrar em campo com determinação e "jogar bem" para somar pontos na luta pela Liga NOS. E este domingo é dia da família, das Casas do Clube.

Bruno Lage, treinador do Benfica, olha para a evolução da equipa, o caminho feito no último mês e aquele que ainda falta percorrer, sempre com o propósito e a ambição de alcançar mais e melhor, começando pelo próximo desafio, com o Nacional, na 21.ª jornada da Liga NOS, marcado para as 17h30 de domingo no Estádio da Luz.

Em conferência de Imprensa de antevisão, no Caixa Futebol Campus, Bruno Lage falou ainda de João Félix, anunciou o regresso de Jonas às convocatórias e lembrou que a presença das Casas do Benfica na Catedral para assistir a este duelo com os madeirenses "só por si tem de ser uma grande motivação".

É sabido que gosta de analisar os adversários ao pormenor. Que Nacional é que o Benfica vai ter pela frente?

É um adversário que normalmente joga em 4x3x3, mas que também domina o 4x4x2. Constrói muito bem por trás, sai a jogar pelo seu guarda-redes, pelos defesas, tenta ligar com os médios; tem uma boa dinâmica nos corredores, trocas posicionais entre os médios-ala e os interiores para procurar a profundidade. Antevejo um Nacional que goste de ter bola e que tente criar-nos as maiores dificuldades, mas estamos preparados para isso. Conta também olhar para aquilo que é nosso. Estou satisfeito com a evolução que temos tido. Vamos ter um jogo entre duas equipas competitivas, ambas à procura de ter bola, e nós com essa ambição e de controlar o jogo com bola.

O empate do FC Porto em casa do Moreirense (1-1) constituiu um fator de motivação extra para este desafio com o Nacional?

Não, a motivação tem de ser máxima. A nossa direção é olhar para aquilo que é nosso. Ainda agora no último jogo com o Sporting, importante porque era um dérbi a seguir a outro, a pressão colocada por mim nos atletas incidia na tarefa, naquilo que é a nossa forma de jogar. O nosso caminho tem de ser este. Ainda estamos em desvantagem para o FC Porto, essa desvantagem é de quatro pontos. Temos de olhar para a nossa evolução, apresentarmo-nos em campo determinados, a jogar bem, para conseguirmos os pontos que nos levem a chegar à frente. A nossa orientação, repito, tem de ser para aquilo que é nosso. Essa é a maior pressão que coloco em mim e nos jogadores.

Bruno Lage

Tendo em conta os resultados e as exibições das últimas semanas, considera que, neste momento, o Benfica, entre as equipas grandes, é quem pratica melhor futebol?

É uma pergunta difícil... Fujo sempre às comparações, eu olho é para nós. O que eu tenho visto é a nossa evolução, e isso deixa-me satisfeito. Aquilo que foi o nosso primeiro jogo com o Rio Ave e estes últimos com o Sporting deixa-me feliz porque fizemos uma boa evolução num mês. Com um calendário muito apertado, conseguimos fazer a equipa crescer e os jogadores evoluir, e isto tudo com vitórias e poucos dias para treinar. Esta é a comparação que faço, desde o jogo com o Rio Ave até ao último com o Sporting.

Nas últimas semanas temos visto inúmeras notícias sobre João Félix, que apenas tem 19 anos. O jogador, neste momento, está nas nuvens ou com os pés bem assentes na terra?

Vendo o registo dele tanto em treino como em jogo, acho que lhe está a passar tudo ao lado. Sinto-o determinado, entra em campo como se estivesse a jogar desde sempre com os colegas, completamente à vontade. Por isso nem o sinto nas nuvens nem com os pés bem assentes na terra; sinto-o com um à-vontade muito grande, nem parece um menino de 19 anos, mas, sim, já um homem completamente pronto para aquilo que aí vem. É verdade que está a crescer, mas sinto-o com uma mentalidade e uma maturidade muito acima da média para a idade dele.

Bruno Lage

Ferro estreou-se na equipa principal do Benfica no dérbi. Vai manter a titularidade? É um jogador que já lhe dá totais garantias? É um facto que estava habituado a jogar ao lado de Rúben Dias, o que pode facilitar...

Sim, está habituado, mas já não joga com o Rúben há dois anos. O trabalho da linha defensiva é muito importante em qualquer equipa. Imaginem quatro pessoas a andar e a pensar, a correr para a frente, para trás ou para os lados, os quatro à mesma velocidade, à mesma distância e sempre em linha. Se deixarem de treinar durante dois anos, isso perde-se. Fazemos esse tipo de treino todas as semanas. É ali que os nossos adversários vão procurar espaços entre os defesas, à frente e atrás da defesa. Tem de ser um trabalho com enorme organização. Quando passa uma semana e não fazemos esse tipo de treino, sentimos que se perdem coisas, por isso imagine um intervalo de quase dois anos sem isso. Ferro dá totais garantias. Se vai jogar ou não, isso digo primeiro ao jogador. Está convocado.

Com os jogos da Liga Europa o calendário vai ficar mais denso. Vai ter de rodar mais os jogadores a partir de agora?

Temos de crescer no outro lado, que é ter mais bola. Se tivermos mais bola, vamos defender menos tempo. Evito sempre as perguntas do "se" e do "quando". Temos de viver o dia a dia. Para já, a avaliação tem de ser: quem está disponível para jogar amanhã [domingo]? A seguir temos mais quatro dias para preparar o próximo jogo. Esta tem de ser a nossa visão. Responder ao "se" e ao "quando" é tocar em situações que não são concretas, que ainda não aconteceram. O que me deixa muito satisfeito é que está toda a gente empenhada, dedicada, a pensar mais no "nós" do que no "eu".

Bruno Lage

Esperava, ao fim de tão pouco tempo ao comando da equipa, uma resposta tão positiva?

O caminho faz-se caminhando. Importante foi tentarmos perceber o que cada um dos jogadores poderia valer, e ainda não os conheço na sua totalidade, porque só conhecemos um jogador ao detalhe quando ele joga e nem todos tiveram oportunidade de jogar. Procurámos perceber como poderiam contribuir no novo sistema tático e também a ligação entre eles em campo. Este é o caminho que os treinadores fazem para construir a equipa. O que senti foi uma dinâmica muito boa. Dividindo este primeiro mês, houve uma fase com quatro jogos em que quase não tivemos tempo para treinar. Após o jogo com o FC Porto tivemos uma semana para treinar, o que deu para conhecer e criar ligações e dinâmicas.

Jonas e Fejsa já contam para este encontro?

Fejsa está fora, Jonas está dentro da convocatória.

Espera-se um Estádio da Luz repleto no Benfica-Nacional, que é também um jogo especial para as Casas do Benfica. Sentem este apoio no dia a dia e também quando jogaram fora?

Respeitar o público e olhar para ele tem de ser um dos objetivos para quem trabalha nesta casa. Se conseguimos fazer este percurso no último mês, foi essencialmente porque houve uma primeira reação do público, que nos apoiou e que sentiu que a equipa poderia dar a volta a uma situação difícil. Os adeptos juntaram-se à equipa e esta deu uma boa resposta, tem jogado bem. Amanhã [domingo], por aquilo que tem sido a qualidade exibicional da equipa, porventura mais pessoas virão ao Estádio. É um domingo, um dia de família, e as Casas do Benfica também são a nossa família, vão estar presentes para nos ver jogar e isso, por si só, tem de ser uma grande motivação.

Texto: João Sanches

Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar