2 de agosto de 2018, 18h03

Seis questões e um desafio em nome da transparência

Clube

O Sport Lisboa e Benfica iniciou esta quinta-feira um novo modelo de encontros com a Comunicação Social. Em conferência de Imprensa, o vice-presidente Varandas Fernandes explicou tudo.

O Sport Lisboa e Benfica promoveu, esta quinta-feira, a realização de uma conferência de Imprensa, com o vice-presidente Varandas Fernandes a ser a voz da instituição, isto num novo modelo de encontros com a Comunicação Social que assim se inicia. Foram deixadas seis questões e um desafio...

"Abrimos hoje uma nova fase nos contactos do Sport Lisboa e Benfica com os media. Teremos aqui no futuro este novo modelo de encontros, que visa dar a conhecer aos milhões de sócios, adeptos e simpatizantes do Benfica a posição do clube sobre os temas que consideramos mais relevantes. Vai ser também uma oportunidade para divulgar e promover as principais iniciativas do Universo Benfica. O modelo destes encontros é simples: farei uma intervenção inicial, com os temas principais e depois estarei ao dispor dos senhores jornalistas para responder às perguntas que queiram fazer", começou por dizer, dando o mote e explicando o modelo.

"Trago-vos hoje dois temas. Em primeiro lugar, um breve ponto de situação deste início de nova época no futebol e restantes modalidades. Vou abordar em segundo lugar um conjunto de questões que consideramos da maior relevância para a defesa da transparência no futebol português", revelou, passando de pronto ao tema inicial.

"Para o Benfica, esta época é a época da reconquista. O presidente Luís Filipe Vieira já teve oportunidade de referir que queremos regressar rapidamente ao ciclo de vitórias no futebol e reforçar a nossa hegemonia competitiva. Nos últimos cinco anos, ganhámos quatro títulos de campeões nacionais. No mesmo espaço de tempo, em vinte títulos em disputa conquistámos doze, enquanto, entre os nossos rivais, um deles só conseguiu três e o outro dois", disse Varandas Fernandes, reiterando o mote.

Varandas Fernandes

 De seguida, o vice-presidente olhou para a estrutura da instituição. O caminho foi longo, mas hoje este Benfica é um exemplo.

"Temos uma situação financeira robusta, boas perspetivas económicas para as operações no Universo Benfica e uma estrutura técnica consolidada na equipa de futebol. A pré-época foi planeada no sentido de preparar este ciclo muito exigente que agora se abre: o acesso à Champions League e o campeonato da Primeira Liga. É reconhecido o esforço realizado para reforçar o plantel, num processo naturalmente sujeito a alguns acertos, porque o mercado está ainda aberto, mas a base está consolidada", revelou.

"Acentua-se a aposta feita na política de reforços: dar prioridade à integração de jogadores vindos da formação. E é com alegria que já vemos à porta da equipa principal uma nova geração de talentos formada no clube, como se pôde comprovar no recente Campeonato Europeu de Sub-19. Portugal conseguiu uma conquista histórica, protagonizada por um coletivo notável, ao qual cinco jogadores do Benfica deram contributo relevante: Nuno Santos, Florentino Luís, João Filipe, José Gomes e Mesaque Dju. E naturalmente seriam mais, se o João Félix e o Gedson não se encontrassem já a trabalhar com a nossa equipa A. À Seleção Nacional de Futebol Sub-19 – atletas, corpo técnico, corpo clínico, funcionários e dirigentes – os nossos parabéns!", apontou o vice-presidente, enaltecendo a Formação made in Caixa Futebol Campus.

Varandas Fernandes

Do Futebol, Varandas Fernandes passou então a fazer um ponto de situação das Modalidades do Clube e do Benfica Olímpico.

"Também nas modalidades de pavilhão e Benfica Olímpico a estratégia é clara no sentido de reforçar as equipas para conquista dos títulos, ao mesmo tempo que se investe cada vez mais na formação de jovens atletas", revelou inicialmente.

"Como ao longo dos últimos anos temos provado, a estratégia de aposta na formação não é incompatível com o sucesso desportivo. Antes pelo contrário, é virtuosa a combinação dos nossos jovens talentos com os jogadores de créditos firmados que vamos contratando em Portugal e no estrangeiro. É assim que formamos equipas estáveis e asseguramos uma continuidade de bons resultados desportivos: vencemos no presente e garantimos o futuro", afirmou, elogiando novamente o caráter formativo do ecletismo das águias.

“Outro grande destaque desta nova temporada é o elevado reforço da aposta nas equipas femininas. O Benfica vai ter novas equipas femininas no futebol, andebol e voleibol. Desta forma cumprimos um dos objetivos da nossa Direção: teremos equipas femininas no futebol e em todas as modalidades de pavilhão", disse.

Em jeito de resumo do primeiro tema em análise, a confiança e a ambição são o mote…

"Em síntese, a preparação da nova época obedeceu a uma rigorosa estratégia de consolidação e afirmação de um Benfica ganhador, que lutará pela vitória em todas as competições em que participa", afirmou taxativamente.

Varandas Fernandes

Terminada a análise à primeira temática, Varandas Fernandes iniciou a segunda, isto num momento em que o arranque da época oficial se aproxima e faltam dez dias para o início do Campeonato.

"Com a época a arrancar, a uma semana do nosso primeiro jogo de campeonato, trago à reflexão e a debate um segundo tema para este nosso encontro. Ao longo da época passada, viveu-se em Portugal um ambiente asfixiante. Assistimos a uma guerrilha permanente, com o propósito evidente de condicionar os agentes desportivos e em particular a arbitragem. Esse estado de coisas tem de acabar. Para que tal aconteça e as coisas mudem, em defesa da transparência e da verdade, algumas questões devem ser esclarecidas, antes de o Campeonato ter início no dia 10 de agosto", começou por dizer.

"Em defesa da transparência e da equidade desportiva no futebol, levantamos seis questões e lançamos um desafio junto das instâncias responsáveis pelo desporto e por esta indústria tão importante em Portugal. Dirigimo-nos, sobretudo, à Federação Portuguesa de Futebol e à Liga Portugal, entidades que detêm o mandato exclusivo para organizar, gerir, regulamentar e monitorizar as competições, inclusive através dos seus órgãos jurisdicionais", atirou, passando a enumerar...

 Varandas Fernandes

QUESTÕES

1.ª Qual o ponto de situação das investigações à invasão ao centro de treinos dos árbitros na Maia? Já passou tempo de mais sem os necessários esclarecimentos. Prevalecem as dúvidas e o caso parece esquecido, sob um manto de silêncio e opacidade. Nós não esquecemos.

2.ª Qual o ponto de situação sobre as queixas apresentadas por vários árbitros em relação às ameaças que sofreram e que também visaram as suas famílias e os seus bens? Também aqui um manto de silêncio cobre o caso.

3.ª Qual a explicação da Liga Portugal para que na época 2017/2018 não se tenham cumprido os regulamentos na realização da segunda parte do jogo Estoril-Futebol Clube do Porto? Para quem já se esqueceu – porque há quem queira fazer esquecer estas coisas –, o jogo foi retomado 37 dias depois. Nunca se percebeu esta decisão e, para que coisas como esta não se repitam, a Liga deve dar explicações.

4.ª Como se explica que o relatório de perícia feito pela Federação Portuguesa de Futebol, sobre a recente divulgação pública de contratos de jogadores do Sport Lisboa e Benfica, tenha sido publicado num blogue? O documento nunca foi recebido aqui no clube, pelo que é evidente que não foi no Benfica que a fuga teve origem.

5.ª Reconhecendo e assumindo a Liga Portugal e a Federação Portuguesa de Futebol a existência de fragilidades e falta de segurança no sistema de troca de correspondência sobre contratos que circulam entre os seus serviços, uma pergunta se impõe: porque será que só há fugas para a praça pública de contratos do Benfica, e sempre em blogues reconhecidamente associados a outros clubes? No mínimo, é coincidência a mais...

6.ª Como se justificam o silêncio e a total inação da Liga Portugal e da Federação Portuguesa de Futebol diante do crime de acesso indevido e divulgação de correspondência privada por parte de um clube em relação a outro, seu concorrente direto nas competições que a Liga e a Federação gerem e regulamentam? Já existem decisões do Tribunal Administrativo do Porto e da Entidade Reguladora para a Comunicação Social sobre esta matéria. Este silêncio não se compreende e é insustentável, ainda mais quando se percebe que há quem queira prosseguir neste tipo de práticas.

Posto isto, "é mais do que tempo de clarificar posições face a comportamentos que criaram um ambiente de enorme pressão sobre as equipas de arbitragem. É mais do que tempo de assumir atitudes que de forma clara defendam a indústria do futebol, diante de factos que merecem reprovação pública e reclamam respostas claras dos responsáveis institucionais", afirmou de forma taxativa Varandas Fernandes.

 Varandas Fernandes

 

DESAFIO

"Nos últimos anos, decerto como manobra de diversão para disfarçar erros e fraquezas próprias, foram alguns tecendo o mito de que o Benfica dominaria as principais estruturas do futebol português. Pois bem: convidamos a Liga Portugal, a Federação Portuguesa de Futebol e respetivos órgãos, incluindo os da justiça desportiva, e também o Tribunal Arbitral do Desporto a publicar nas suas páginas todo o percurso profissional dos seus dirigentes e dos seus quadros. Identificando claramente os clubes onde já trabalharam e exerceram funções. E assumindo cada um a sua preferência clubística, caso exista. Transparência total, para escrutínio total", lançou.

"Estamos certos de que será um contributo decisivo para se acabar com a falsa propaganda de que o Benfica controla as principais instâncias do futebol nacional. Quem não deve, não teme. Vamos a isso!", concluiu o vice-presidente do Sport Lisboa e Benfica.

Texto: João Sanches e Sónia Antunes

Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar