25 de setembro de 2018, 22h18

Obrigado, capitão!

Futebol

Luisão termina a carreira ao fim de 15 anos no Benfica.

Luisão colocou um ponto final na carreira de jogador aos 37 anos, 15 dos quais de glória e de recordes ao serviço do Benfica. O capitão despediu-se dos relvados no Estádio da Luz.

“Obrigado, Benfica, do fundo do meu coração.” Foi com estas palavras e de forma emocionada que Luisão colocou um ponto final na carreira, numa cerimónia de despedida realizada, esta terça-feira, no Estádio da Luz. Histórias, lágrimas e agradecimentos no adeus do jogador que mais troféus conquistou ao serviço do Sport Lisboa e Benfica.

O Presidente Luís Filipe Vieira foi o primeiro a subir ao palco montado no relvado da Catedral para, num discurso emotivo, recordar “o rapaz franzino” que viu chegar à Luz em agosto de 2003.

“Hoje é um dia muito especial. Recordo, com enorme nostalgia, o dia em que, no velhinho Estádio da Luz, conheci um rapaz franzino no corpo, mas enorme na alma e na entrega. Agora, olho para um profissional feliz, realizado, que se despede – orgulhoso – dos relvados onde defendeu sempre o Sport Lisboa e Benfica”, lembrou o líder encarnado, perante família, jogadores e staff que assistiram à cerimónia.

Luisão Obrigado, capitão

“Luisão, se há 15 anos te dei as boas-vindas, agora digo-te: 'Muito obrigado!'. Obrigado pelo teu carácter, pelo teu profissionalismo, pela tua liderança, pelo amor ao Sport Lisboa e Benfica. É o jogador com mais títulos do Clube: conta com 538 jogos, com mais de 46 mil minutos com a camisola do Benfica, jogador mais vezes capitão com a camisola do Benfica (414 jogos) e o segundo jogador com mais jogos na história do Benfica”, enfatizou Luís Filipe Vieira.

“Hoje não é o final, é sim o início de uma nova etapa que vais percorrer com o mesmo orgulho e determinação, levando o nome do Sport Lisboa e Benfica um pouco por todo o mundo. Não levas o símbolo do Clube na camisola, mas nem é preciso que todos o vejam porque o tens no coração. Conta comigo, Luisão. Como sempre disse, és o meu companheiro de viagem. A tua e a minha, também, ainda estão longe de terminar”, disse, antes de prosseguirem os vídeos com imagens dos 15 anos de carreira do jogador ao serviço do Sport Lisboa e Benfica.

Uma carreira que começou em agosto de 2003 e que fica – também! – eternizada nas páginas do semanário do Clube. “Quando ele chegou, saiu este título no Jornal O Benfica: ‘Quero fazer história’. E fizeste mesmo”, terminou o presidente encarnado.

Luisão Obrigado, capitão

“Aqui, tornei-me homem e atleta”

Depois foi a vez de Luisão falar. Visivelmente emocionado perante o grupo de trabalho que agora deixa e os familiares mais chegados (pais, esposa e filhas), o brasileiro fez uso da palavra para, antes de mais, presentear Luís Filipe Vieira com a camisola que usou no último treino de águia ao peito.

“Hoje, quando eu fui pela última vez ao Seixal, quando vesti esta camisola para treinar, achei que era preciso entregá-la a si. Pela sua visão, por tudo aquilo que contribuiu para a minha formação como homem até, eu gostaria de lhe entregar a última coisa que eu usei naquela que foi a minha batalha no futebol”, agradeceu.

“Costumo dizer que pressão nós sentimos quando temos 65 mil pessoas empurrando, apoiando. Mas hoje, quando entrei com a minha família por aquela porta – a minha última entrada como jogador –, olhei para esta bancada e a vi vazia, eu entendi realmente o que é pressão. Não sei muito bem qual é o meu sentimento agora, mas eu sei que amanhã já não vou ter nada disto. Vou acordar e já não vou tomar o pequeno-almoço com os meus companheiros no Seixal, já não vou equipar-me no balneário, treinar, como se fosse o último dia da minha vida. Mas eu sei que, a partir de amanha, começa uma nova carreira”, disse.

Luisão Obrigado, Capitão

“Gostaria de parar, agradecer a Deus, agradecer a todos, sem exceção. Até aos meus rivais que me fizeram crescer dentro de campo. Orgulho-me de tudo o que Deus me deu ao longo de toda a minha vida. Desde a infância humilde, onde morávamos ao lado de uma tuia de café, até aos primeiros toques na bola quando tinha 5 anos. Quando cheguei aqui tornei-me homem e atleta”, prosseguiu.

“Sempre recompensei tudo aquilo que me deram dentro de campo. Devo quase tudo ao Presidente Luís Filipe Vieira, ao Benfica, à minha esposa e às minhas filhas – e que três mulheres fortes eu tenho em casa! Correspondi a tudo o que me deram dentro de campo e agora eu faço tudo para corresponder e defender este Clube com garra, amor, dedicação, por onde quer que eu leve o nome Benfica. Foi isto que eu aprendi nesta casa. Foi assim no passado e será assim no futuro”, afirmou.

Luisão Obrigado, capitão

“Olho para todo o lado e vejo ‘obrigado, capitão’, mas chegou a hora de ser eu a dizer ‘obrigado, Benfica, do fundo do meu coração”, finalizou Luisão.

Rodeado dos 20 troféus que conquistou com o Manto Sagrado, Luisão, "no centro do relvado de um dos estádios mais bonitos do mundo", explicou por que motivo resolveu pendurar a camisola 4 do Benfica e colocar um ponto final no seu percurso profissional enquanto jogador.

"O que me fez antecipar o fim da carreira foi ter entendido que a minha história já estava escrita. Foram 538 jogos no Benfica e 32 anos de futebol, porque aos 5 anos eu já trocava a bola com o meu pai. Cheguei à conclusão de que a minha história estava escrita e que esta era a melhor hora para terminar. Agora posso dar o meu contributo fora de campo para a Reconquista, que é tão importante para o Clube e para os meus companheiros", revelou em resposta a uma pergunta dos jornalistas. "Eu quero comemorar com eles a Reconquista", acentuou Luisão já em declarações à BTV.

Texto: Filipa Fernandes Garcia

Fotos: Isabel Cutileiro, Cátia Luís e Francisca Caria

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar