3 de novembro de 2018, 00h02

Rui Vitória: "Reagir o mais rápido possível"

Futebol

Treinador do Benfica assumiu que a equipa “não esteve ao seu nível” no jogo com o Moreirense. 

Sport Lisboa e Benfica e Moreirense FC disputaram na noite de sexta-feira a 9.ª jornada da Liga NOS. No Estádio da Luz, triunfo para os forasteiros, por 1-3, numa noite em que “a equipa não esteve ao nível que deve e tem capacidade de estar”, assumiu o treinador Rui Vitória.

O técnico ressalvou, porém, a “fibra tremenda” de que os jogadores são feitos e a forma “unida e presente” como se trabalha. O mote está dado: reação rápida!

Depois do golo... espaço para o adversário

“Estar a falar agora disso é tudo aquilo que nós não devemos fazer! Que devíamos ter feito mais golos… isso não vale a pena agora! Perdemos, temos de fazer mais, temos capacidade para fazer mais. Eu assumo claramente que a equipa não esteve ao nível do que deveria ter estado. Entrámos a fazer o golo, que era aquilo que todos quereríamos, mas depois deixámos o adversário jogar à vontade, portanto, estar agora a dizer que podíamos ter feito ou aproveitado… neste momento isso não interessa! O que interessa é assumir que não estivemos ao nível que devemos estar e que temos capacidade para estar, e ponto final.”

Benfica-Moreirense

Mais cabeça

“Há que fazer uma análise muito clara e objetiva. Não vale a pena estar a analisar ao pormenor. Objetivamente, não fizemos o que tínhamos de fazer. O adversário aproveitou as oportunidades que teve e nós não tivemos a capacidade para ganhar o jogo. Faltou-nos um bocadinho mais de cabeça, descontrolámo-nos na primeira parte com os golos que sofremos, deixámos o adversário jogar muito à vontade e isso paga-se. Não estivemos bem.”

Benfica-Moreirense

Os números estão lá, mas...

“Estivemos sempre à procura do golo. Claro que na segunda parte o Moreirense fechou-se completamente junto à sua área, ficou mais difícil… mas dizer que poderíamos ter feito isto ou que não aproveitámos as oportunidades… Os números estão lá, mas não vale a pena falar sobre isso! Não estivemos ao nível que deveríamos, como queríamos. Os jogadores trabalharam, mas não com a clarividência que era necessária nesta altura… É assumir claramente que não foi um dia positivo para nós, nem de perto nem de longe.”

Jonas

O lado defensivo

“Quando estamos focados numa determinada fase, neste caso na finalização, acontece depois o contrário. Neste jogo, não fomos rigorosos em termos de marcação, em bloquear as saídas do adversário – algo que nós fazemos com muita qualidade de forma normal –, não fomos pressionantes, deixámos o adversário sair a seu bel-prazer. Não se ataca só… tem de se defender. Começou bem e depois não correu nada bem. Não foi um jogo feliz da nossa parte e temos de o assumir.”

A desilusão dos Benfiquistas

“Percebo perfeitamente a frustração de quem está na bancada e quer ver o Benfica ganhar. Enquanto treinador, se queremos que festejem as vitórias, e que valorizem essas vitórias e que estejam connosco, tenho de aceitar as reações das pessoas, porque isto é um desporto em que a emoção está sempre presente. Eu não desisto de nada por natureza!”

Grupo

Continuar o trabalho

“Os jogadores têm uma fibra tremenda e este é um grupo unido, é um grupo que tem estado sempre presente. Trabalhámos dentro daquilo que foi o jogo. Não correu bem, de facto, mas há que continuar o trabalho e reagir o mais rápido possível.”

Texto: Sónia Antunes

Fotos: Isabel Cutileiro e João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar