26 de março de 2020, 16h33

Guilherme Saiote: "Mentalidade de dar o máximo"

Basquetebol

Basquetebolista de 17 anos em entrevista ao Site Oficial.

Natural do Barreiro, Guilherme Saiote atua desde o início da temporada ao serviço da equipa Sub-22 de basquetebol do Sport Lisboa e Benfica e já teve a oportunidade de se estrear pela principal formação das águias.

Primeiros passos no basquetebol

"O meu interesse pelo basquetebol começou desde muito novo devido ao meu pai ter sido jogador profissional. Sempre tive um grande amor ao jogo desde que comecei com cerca de quatro anos a treinar não federado. Com cerca de sete comecei a jogar federado no minibasket do Galitos. Aos dez mudei-me para o Barreirense."

Guilherme Saiote

"Momento inesquecível que vou sempre levar no meu coração"

Mudança para o Benfica

"Foi bastante difícil para mim, porque nesse ano tinha sido convidado para o Centro Nacional de Treino de Ponte de Sor, então não pude estar com a minha nova equipa durante a maior parte da semana, sendo que só treinava com eles à sexta-feira e jogava no fim de semana. Passei a maior parte desse ano a lidar com várias lesões (cerca de oito meses parado) e com pouco tempo de jogo devido à difícil adaptação que tive na equipa. Foi um ano bastante importante para o meu crescimento como jogador e como pessoa."

Estreia na equipa principal em 2019/20

"Foi um momento inesquecível que vou sempre levar no meu coração. Estrear-me pela equipa sénior na minha cidade [vitória 70-108 diante do Barreirense, anotou quatro pontos], diante dos meus amigos e família foi surreal. Não podia ter pedido melhor, senti-me abençoado pela oportunidade."

Guilherme Saiote

Referência na equipa principal

"São todos grandes jogadores e tenho aprendido muito com eles no pouco tempo em que estive com a equipa. Não consigo escolher com quem mais me identifico."

Seleção Nacional

"Sempre foi um sonho para mim desde pequeno. Infelizmente, ainda não consegui jogar com a camisola de Portugal em jogos oficiais. Nos meus dois anos no escalão de Sub-16 fui privado de jogar por Portugal devido a lesões num pé, e no verão passado fui dispensado por opção do treinador. Sempre olhei para estes momentos como uma aprendizagem, cada um deles deu-me mais motivação e confiança com o passar do tempo, e espero ter mais oportunidades para vestir aquela camisola."

Guilherme Saiote

Melhor característica

"Gosto de pensar em mim como o jogador que mais trabalha. Desde pequeno que tenho uma mentalidade de dar o meu máximo e não deixar que ninguém trabalhe mais do que eu. Quero todos os dias melhorar o máximo que conseguir e tento passar todo o tempo que posso a trabalhar o meu jogo. Sou muito feliz a jogar basquetebol, tenho um grande amor ao desporto que pratico e, por isso, tento sempre dar o meu melhor e não o tomo como garantido."

Ambição para chegar longe

"Todos os objetivos conquistados servem como motivação para tudo o que faço, mantenho-me sempre humilde e sem esquecer onde comecei. Nunca fico satisfeito e procuro sempre impor mais objetivos que sirvam de motivação para continuar a trabalhar. Sinto que só assim tenho hipóteses de chegar cada vez mais longe."

Guilherme Saiote

"Nunca fico satisfeito, procuro sempre impor mais objetivos"

Planos académicos

"Estou a acabar o secundário no curso de Humanidades. Ainda não sei bem que curso quero seguir na faculdade, mas sei que quero formar-me academicamente. É importante esse lado, mas quero seguir algo que goste mesmo e ainda não descobri bem o que será. Sendo o basquetebol a minha primeira opção, terá de ser alguma coisa que consiga aplicar quando acabar a minha carreira."

Consequências da paragem abrupta

"O mundo está a passar por uma situação complicada para todos [com a pandemia de COVID-19]. Acredito que fisicamente pode afetar um atleta, pois não consegue manter a sua rotina dos treinos, nem sair de casa, e psicologicamente porque foge da rotina e é uma situação nova e desconfortável. O que custa mais é não podermos fazer aquilo que mais gostamos, que é praticar o nosso desporto. Acho que quando voltarmos, se tivermos os cuidados certos, vai sentir-se uma diferença, claro, mas não de proporções muito grandes e demorará pouco tempo para que voltemos ao normal."

Guilherme Saiote

Rotina diária

"Tenho treinado duas a três vezes por dia, com planos que recebi e outros que vi na internet. É importante não perder a forma física, pois acredito que a época ainda seja retomada. Além disso, é a única altura do meu dia em que me sinto bem e útil. O resto do meu dia é passado a ver televisão, fazer chamadas com os meus amigos e família e a dormir."

Isolamento social

"A primeira semana em que estive 'preso' foi difícil de aceitar, em especial pelo facto de não poder jogar. Tem sido complicado não ver as pessoas com quem costumo estar no dia a dia, mas é uma situação que temos de encarar da melhor forma e respeitar o que nos é pedido para que tudo acabe o mais rápido possível. Uma das coisas positivas que tenho retirado desta situação é passar mais tempo com a minha família, pois durante a época estou longe deles e não tenho tantas oportunidades."

Fotos: SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar