15 de maio de 2020, 21h01

Banho de Mística!

Futebol

Shéu Han e Rui Costa juntaram-se por videochamada na BTV a propósito das comemorações do Tetracampeonato.

ENTREVISTA COMPLETA

Duas lendas e símbolos da Mística que saltaram do relvado para a estrutura do Sport Lisboa e Benfica, onde também eles festejaram um inédito Tetracampeonato, a 13 de maio de 2017. Shéu Han e Rui Costa juntaram-se via Skype na BTV para recordar momentos de uma caminhada histórica.

Foi numa conversa descontraída que o então team manager da equipa de futebol durante os anos do Tetra, Shéu Han, e o administrador da SAD encarnada, Rui Costa, falaram sobre quatro épocas marcantes. Depois de terem envergado a camisola 10 do Benfica, ambos deixam agora uma herança de Mística... 

Direto BTV Rui Costa e Shéu Especial Tetra

De jogadores a dirigentes

SHÉU HAN: "É bastante diferente [viver os títulos dentro e fora dos relvados]. Estive, ao longo dos anos, nos festejos dos Campeonatos, e eram momentos muito difíceis para mim. Eu tinha a noção de que a nossa obrigação e o nosso dever aumentavam cada vez mais. Eram dias de grande satisfação porque coletivamente era o atingir daquilo a que nos tínhamos proposto no início da época."

RUI COSTA: "São sentimentos diferentes. Com todo o orgulho e honra em ser dirigente do Benfica, nunca nos dá a mesma sensação que tínhamos quando éramos jogadores. Era o que mais gostávamos de fazer. O título de dirigente acaba por nos dar a satisfação de termos, ao longo do ano, criado as condições para que esse título possa ser festejado. É muito diferente estar dentro e fora de campo."

Evocação do Tetracampeonato

O título mais saboroso do Tetra

SHÉU HAN: "Todos têm o mesmo sabor, que é o de ganhar, que é o mais importante. Com o planeamento que se foi fazendo nos últimos anos, sentíamos que havia um legado que nos era proposto atingirmos. Não se pode escolher um, porque, no fundo, era o concretizar do que estava planeado. Eu lembro-me quando o Presidente, no início da época, perguntou: 'O que é que é preciso para nós ganharmos? Então tomem lá’. Quem sai de uma conversa daquelas transporta consigo um peso enorme e todos os títulos que possam ser conquistados revertem a favor dessa aposta. A minha satisfação é global. Cada vez que se ganha é aumentar o nosso crédito, proposto a cada ano."

RUI COSTA: "Foram dadas todas as condições para se abrir um ciclo que queríamos até que fosse mais amplo… Queríamos chegar bem mais longe. Mas fizemos algo único na história do Benfica... Se analisarmos bem a abertura desse ciclo, começámos por recuperar o título, depois fizemos um Bi – que para mim era o primeiro –, a seguir o Tri, que há mais de 30 anos que o Benfica não conseguia obter, e finalmente o Tetra, que era a primeira vez na história do Clube. Portanto, todos eles têm um sabor realmente grande, dentro de um projeto muito bem construído. O Presidente tentou colocar à disposição do futebol todas as condições para se poder chegar ao que chegámos. Mas, se eu tiver de nomear um, vou nomear o Tricampeonato porque foi o mais difícil de conquistar, onde houve mais polémica, foi um ano extremamente desgastante para os jogadores e para toda a estrutura. Vencer aquele título acabou por ser dos quatro o que mais festejei."

Luisão e Shéu Han

Festejos de Luisão com Shéu

RUI COSTA: "Aquilo que acabamos de ver é sobretudo o respeito e a admiração que todos os jogadores que passaram pelo balneário têm por este senhor. Uma pessoa extraordinária, sempre disponível a apoiar e ajudar todos os jogadores, todos com bons conselhos, sempre com uma palavra, um tom justo… Isto espelha o respeito que todos nós, e falo como jogador e como dirigente, temos pelo Shéu. Muitas vezes era o Shéu que me tentava tranquilizar nos momentos de maior nervosismo."

Direto BTV Rui Costa e Shéu Especial Tetra

Herança de Mística

SHÉU: "Em conversas principalmente com o Luisão, em tempos difíceis, dizia ele: 'Nós andamos aqui à procura de um Campeonato quando este senhor já tem nove'. Isto significa que ele, jogador, percebe que está num sítio onde é para ganhar. É o mesmo que se passa agora, quando os jogadores olham para Rui Costa, Pietra… Há um efeito no próprio jogador, ele próprio vai sentir-se motivado para chegar a um patamar onde outros já chegaram."

Direto BTV Rui Costa e Shéu Especial Tetra

O caminho e os sacrifícios...

RUI COSTA: "As pessoas não imaginam as dores de cabeça que se vai tendo ao longo de anos de êxito. Foram quatro anos de grande sacrifício, de grande empenho de toda a gente e de grande satisfação no final. Lembro-me das semanas onde tínhamos problemas para resolver – num jogo que não tinha corrido bem, ou onde a equipa não tinha estado tão bem – para que na semana seguinte pudéssemos estar outra vez em bom nível… Foram quatro anos de satisfação enorme, de companheirismo, de uma equipa muito coesa, forte e ambiciosa. Isso é o que mais guardo desses quatro anos."

Estádio da Luz

Retoma da Liga sem adeptos

RUI COSTA: "Felizmente nunca tive de jogar à porta fechada. É a realidade de hoje, temos de estar todos preparados para isto. É muito pobre, não faz parte da essência daquilo que é um jogo de futebol ou de um espetáculo. Mas o tempo de hoje é este e temos de aceitar que o futebol hoje seja jogado desta forma. Muito superior ao estádio estar cheio ou não, é o objetivo anual de ser campeão ainda, é nisto que nos vamos focar a 100 por cento, independentemente de as bancadas estarem vazias."

SHÉU: "É estranho, nunca joguei. Mas não nos vamos desviar do que é o essencial, que é entrar para ganhar. O Presidente deu o mote e todos temos de o seguir."

Fotos: SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar