Clube

24 janeiro 2021, 02h00

Michel Preud'homme

Dia 24 de janeiro de 1959. Há 62 anos nascia em Ougrée, na Bélgica, aquele que haveria de se tornar um dos grandes nomes mundiais das balizas, e que defenderia a do Benfica na década de 1990, brilhando com grandes exibições. Parabéns, Michel Preud'homme!

Ainda muito recentemente, de forma a celebrar os 125 anos, a federação de futebol belga lançou aos adeptos uma votação, na sua página oficial, do melhor onze da história daquele país. Michel Preud'homme bateu os "concorrentes" Jean-Marie Pfaff, que brilhou no Bayern Munique, e Thibaut Courtois, atual guardião do Real Madrid, e foi eleito melhor guarda-redes de sempre, num onze onde entrou o defesa-central do Benfica Jan Vertonghen e ainda o antigo médio encarnado Axel Witsel.

Michel Preud'homme

Michel Georges Jean Ghislain Preud'homme chegou ao Standard de Liège com apenas 10 anos, tendo feito toda a sua formação no clube belga, até subir à equipa principal (1977). Seria bicampeão nas épocas 1981/82 e 1982/83. Em 1986, mudou-se para o KV Mechelen (também conhecido como Malines), onde ganhou os maiores títulos da sua carreira: a Taça das Taças e a Supertaça Europeia. Ali permaneceu até 1994.

Considerado o melhor guarda-redes do Mundial de 1994 (jogado nos Estados Unidos da América), Michel Preud'homme, vencedor do troféu Lev Yashin, chegou a Lisboa com 35 anos e uma bagagem cheia de promessas.

Ao longo de cinco épocas – de 1994/95 a 1998/99 – e 199 jogos oficiais pelo Benfica, Preud'homme não só cumpriu as expectativas como as superou largamente, confirmando todas as suas qualidades com exibições inesquecíveis. O primeiro guarda-redes estrangeiro e primeiro belga da história do Benfica teve, porém, a infelicidade de defender a baliza encarnada numa fase menos positiva do Clube no plano desportivo. Michel ajudaria à conquista da Taça de Portugal em 1995/96.

Michel Preud'homme

Preud'homme foi estrela no Benfica até 1999, quando encerrou a carreira. A 10 de agosto desse ano aconteceu a despedida de um dos melhores futebolistas que alguma vez jogaram em Portugal.

Aos 40 anos, "Saint Michel" pendurou as chuteiras num jogo particular contra o Bayern Munique. Foi substituído pelo argentino Bossio – naquela que foi a estreia oficial pelos encarnados – e, nos minutos seguintes, os cerca de 80 mil espectadores presentes nas bancadas do velho Estádio da Luz aclamaram-no de pé, enquanto dava uma volta olímpica. Era o fim de uma vitoriosa carreira.

"O Benfica merecerá sempre a minha preferência"

"Só no Benfica é que existe uma coisa destas", exclamou Michel Preud'homme, emocionado, ainda no relvado da Luz, aos jornalistas, destacando, na hora do adeus, a dimensão do Clube e a forma como os adeptos portugueses vibram com o futebol.

"O Benfica é, sem dúvida, o maior dos três clubes que representei. Tem uma dimensão impressionante e mexe com as pessoas de uma forma que não acontece na Bélgica. Merecerá sempre a minha preferência", garantiu na altura da despedida.

Michel Preud'homme

Ainda no Benfica, Preud'homme desempenhou o cargo de diretor de Relações Internacionais, mas em 2000 regressou ao Standard de Liège, como treinador e diretor desportivo, tendo conquistado como técnico, para aquele clube, o campeonato belga na época 2007/08 (após um jejum de 25 anos). Assumiria o final da carreira como treinador em 2019/20...

"Quando pensas no Benfica pensas naturalmente no Michel Preud'homme, que tem história no Clube", disse Philippe Montanier, o treinador do Standard Liège, na altura em que o Benfica visitou o clube belga, em jogo da Liga Europa, em dezembro de 2020.

Hoje em dia, Michel Preud'homme é vice-presidente e diretor desportivo do Standard de Liège.

Texto: Filipa Fernandes Garcia
Fotos: Arquivo / SL Benfica
Última atualização: 24 de janeiro de 2021

Relacionadas

Clube

Parabéns, Chalana!

Fernando Chalana, nascido no Barreiro a 10 de fevereiro de 1959, comemora, nesta quarta-feira, 62 anos. Proveniente dos juniores do FC Barreirense, ingressou com apenas 15 anos no Sport Lisboa e Benfica, onde esteve durante dez temporadas seguidas (1974-1984). Após passagem pelo Bordéus (1984-1987), voltaria a vestir o Manto Sagrado por mais três épocas (1987-1990). A ligação ao Clube cresceu, consolidou-se e fortaleceu-se com o passar das épocas, transformando-o num dos rostos da MísticaParabéns, Pequeno Genial!

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar