13 de janeiro de 2018, 22h51

Tetracampeão de mão-cheia!

Futebol

De visita ao Minho, o Benfica anulou as virtudes do Braga e impôs os seus predicados, vencendo por 1-3 no início da segunda volta da Liga NOS, com o Penta na cabeça.

No Minho, contra um aguerrido Braga, o Benfica produziu uma exibição à Tetracampeão na 18.ª jornada da Liga NOS, que marca o arranque da segunda volta da prova. A equipa de Rui Vitória soube neutralizar as mais-valias dos arsenalistas e, ao mesmo tempo, impor a sua qualidade de jogo em todo o campo, triunfando por 1-3 e seguindo firme na luta pelo Penta.

Num terreno pesado e escorregadio face à chuva que caiu de forma intensa antes e durante o desafio disputado no Estádio Municipal de Braga, a equipa do Benfica teve um comportamento tático exemplar durante o primeiro tempo.

Com os jogadores a mostrarem dinâmica nos movimentos e argúcia na leitura de jogo, percebendo sempre os momentos certos para acelerar ou abrandar a circulação de bola e a elaboração das ofensivas, o Tetracampeão colocou-se em vantagem aos 11’, num lance em que velocidade, técnica, frieza e eficácia foram peças de puzzle que encaixaram na perfeição.

Assegurada a recuperação de bola, Krovinovic, pelo eixo fez o endosso para Cervi. O argentino galgou alguns metros e, vendo a desmarcação de Salvio, lançou o compatriota nas costas da linha defensiva dos arsenalistas na altura exata. Perante a saída de Matheus, o camisola 18 das águias foi mortífero na finalização de pé direito: 0-1.

O Benfica liderava o marcador e comandava também o jogo, denotando segurança com a bola nos pés e acerto posicional quando o Braga tentava atacar. Sem bola, aliás, os benfiquistas foram muito pressionantes, estendendo-se no relvado e pressionando com várias unidades logo à saída da grande área da equipa minhota, tirando-lhe espaço e oxigénio para pensar e conceber ataques. Só por uma vez, aliás, os arsenalistas criaram algum perigo, numa incursão e cruzamento de Esgaio pela direita (35’), até ao intervalo.

Atitude muito positiva do Benfica após o descanso, com Jonas a conquistar um canto à direita no primeiro lance. Do subsequente lance de bola parada resultaria uma clara oportunidade de golo, com Jardel a subir na área e a cabecear ao poste esquerdo!

No seguimento da jogada, Jonas caiu na área depois de sofrer um toque nas costas: reclamou-se penálti, mas Artur Soares Dias mandou seguir, mantendo a decisão depois de conferenciar com o videoárbitro (VAR).

Salvio, aos 61’, furou pela direita, mas só pecou no cruzamento, não conseguindo servir Jonas como pretendia. Na resposta, o Braga provocou um susto: de fora da área, Ricardo Horta chutou com força e colocação de pé direito, mas Bruno Varela estirou-se e desviou a bola para canto (62’).

Imperturbável, o Benfica continuou a manobrar no meio campo ofensivo e chegou ao 0-2 aos 64’, num lance iniciado à esquerda, com a bola a seguir rapidamente para o corredor contrário, onde André Almeida cruza com precisão para o cabeceamento letal de Jonas. Era o 21.º golo do matador brasileiro em 18 jornadas da Liga NOS.

A 16 minutos do fim do encontro, Rui Vitória mexeu no xadrez das águias: Jonas, desgastado pelo trabalho de pressão constante, cedeu o lugar a Raúl.

No lance seguinte, Paulinho conseguiu cabecear na área do Benfica e dar o melhor seguimento ao cruzamento de Ricardo Horta a partir da direita: 1-2. O Braga reentrava na discussão.

O Tetracampeão tornou a exibir fibra e bravura, com ideias bem arrumadas. Aos 87’, já depois de Samaris ter entrado para o lugar de Pizzi, Raúl provocou um erro defensivo dos minhotos, isolou-se e depois disparou sobre a barra.

A redenção aconteceria ao primeiro minuto de tempo extra, com o mexicano a fuzilar de pé direito na área, valorizando o cruzamento de Cervi a partir da esquerda: 1-3. Assunto arrumado.

Texto: João Sanches

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar