13 de maio de 2018, 21h52

Rui Vitória: “Vontade muito grande de começar a nova época e a ganhar”

Futebol

O treinador do Benfica ficou feliz por terminar nos lugares de discussão de acesso à Champions e já aponta à temporada 2018/19 com “ambição enorme”.

Rui Vitória falou no final do triunfo ante o Moreirense (1-0) que marca o cair do pano desta edição da Liga NOS. Para o treinador do Benfica não há tempo a perder: depois das merecidas férias, é regressar a todo o gás em 2018/19.

“Fazemos grandes reflexões quando ganhamos, mas ainda faço mais e maiores quando isso não acontece. Temos noção de uma série de aspetos que foram bem feitos e outros que não foram. Já estamos a preparar tudo para melhorar nos aspetos em que não estivemos tão bem. Esta é a vida dos clubes. Estivemos quatro anos a ganhar, não ganhámos neste. Não acabámos a época como a começamos: a ganhar a Supertaça, mas parece que já ninguém se lembra. Há algum tempo que estamos a trabalhar o futuro e há erros que, claramente, não vão ser cometidos. Queremos reconquistar o que foi nosso até este ano. Hoje é 13 de maio e fica aqui uma mensagem neste dia simbólico para todos: preparar de uma forma determinada e com uma ambição enorme para começar bem a próxima época, porque as férias também fazem bem. A época foi desgastante. Vontade muito grande de começar a nova época e começar a ganhar”, assegurou.

O Benfica não terminou com a conquista do Penta, mas o 2.º lugar alcançado permite colocar, para já, uma mão nos milhões da Liga dos Campeões. As águias vão jogar a 3.ª pré-eliminatória e, caso passem, o play-off de acesso à fase de grupos.

“É fundamental focar-nos nos objetivos que aparecem ao longo da época. Levámos alguns tombos ao longo da época, mas a equipa teve sempre a capacidade de reerguer. Entre dezembro e janeiro ninguém nos posicionaria na posição em que estamos agora. Fizemos uma caminhada fantástica e recolocámo-nos na luta pelo título. Levámos um novo tombo no jogo com o FC Porto. Os jogadores foram fantásticos. Merecíamos esta classificação, pelo menos. Finaliza agora uma época difícil”, considerou.

“Não era, de facto, o principal objetivo. Na realidade, quando entramos, entramos para vencer. Não sendo possível esse objetivo, havia aqui uma compensação pelo que fizemos, que é meritório para todos nós que trabalhamos diariamente. Foi um ano dificílimo para todos. Acabámos por sair mais à frente do que o adversário direto nesta luta que se levou até à última jornada. Esta foi uma época, de certa forma, cruel e estes jogadores mereciam ser premiados com algum resultado positivo e alcançar este 2.º lugar é algo que nos dá alento e prepara para a próxima época. Posicionamo-nos numa disputa pela Liga dos Campeões, que é o lugar do Benfica”, acrescentou.

Instado a comentar se considera justo o Benfica ficar à frente do Sporting na classificação, Rui Vitória foi perentório: “Em relação ao adversário penso que sim, porque fomos mais fortes cá e lá. Ficámos em desvantagem na última jornada, mas acaba por ser um prémio pois fomos mais capazes, na nossa perspetiva. Este jogo teve de ser jogado aqui e no que se passava noutros campos. Temos de ser racionais e na segunda parte sentimos que este era o objetivo que queríamos e controlámos a partida. Era fundamental ficar à frente do Sporting e ficar na 2.ª posição.”

Rui Vitória no Benfica-Moreirense

O técnico benfiquista enalteceu, ainda, os números alcançados pelas águias nesta época e que têm paralelo nas duas anteriores.

“Os pontos que são conquistados ao longo de uma temporada não são discutíveis. Não vale a pena falar da justiça de uns e de outros. O campeonato está terminado. Fizemos mais de 80 pontos, fizemos 80 golos. Pelo terceiro ano, nós, enquanto equipa, estamos a fazer mais de 80 pontos e isso revelador do trabalho que estamos a fazer. Não ganhámos, é um facto. Em relação ao jogo da semana passada, merecemos ficar à frente do Sporting e já tinha ficado com essa ideia no jogo e veio-se a confirmar. Ficámos no 2.º lugar que era a nossa luta nesta jornada”, afirmou.

“O campeonato está terminado, o FC Porto acabou na 1.ª posição. Quando se ganha um campeonato, tal como nós ganhámos os anteriores, foi clarinho e foram campeonatos muito difíceis que foram ganhos… Este foi vencido pelo FC Porto, agora não interessa discutir o mérito. O que me parece deixar claro é que, com mérito ou sem ele, terminou no 1.º lugar e houve uma série de discussões, para tentar fugir do jogo de Alvalade e do que ainda aí vinha, a dizer que o Rui Vitória não deu os parabéns ao FC Porto. Não respondi a uma pergunta da flash interview do jogo anterior e na conferência de Imprensa acabei por dizer que faria o balanço no final do campeonato. Não posso ser hipócrita ao ponto de ter de dar os parabéns a uma pessoa que me tratou mal, chamou-me uma série de coisas. Não o faço porque não me sinto bem a fazê-lo. O campeonato está conquistado, terminado e cada um tem o mérito que tem. Como se os parabéns do Rui Vitória fosse o mais o mais importante numa época em que se disse tudo a toda a gente. Não!”, completou.

Jonas terminou a época com 34 golos na Liga NOS, números que não eram alcançados por um jogador do Benfica desde Eusébio em 1973.

São números que refletem a qualidade de um jogador e de uma equipa que muito contribuiu para que Jonas alcançasse essa enorme marca de golos. Fico muito feliz quando um jogador que joga na nossa equipa é premiado dessa maneira, tal como há um conjunto de jogadores atrás que permita que isso aconteça”, finalizou.

Texto: Marco Rebelo

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar