30 de novembro de 2018, 21h11

SAD: Relatório e Contas aprovado por larga maioria

SAD

Os acionistas da Sociedade Anónima Desportiva do Benfica aprovaram as contas do exercício de 2017/18 e os restantes pontos em apreciação.

O Relatório e Contas da Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD foi aprovado, esta sexta-feira, em Assembleia Geral, por larga maioria.

O ponto 1 foi aprovado por maioria, com dois votos contra e uma abstenção; o ponto 2 foi aprovado por maioria, com uma abstenção; o ponto 3 foi aprovado por maioria, com três votos contra; o ponto 4 foi aprovado por maioria.

Em votação e apreciação estiveram quatro pontos: 

  • Ponto 1: Apreciar e deliberar sobre o Relatório de gestão e as Contas do exercício de 2017/18;

  • Ponto 2: Deliberar sobre a proposta de aplicação;

  • Ponto 3: Proceder à apreciação geral da admnistração e fiscalização da Sociedade;

  • Ponto 4: Apreciar e deliberar sobre uma proposta de alteração parcial dos Estatutos da Sociedade, designadamente, sobre a modificação do número 1 e aditamento dos novos números 3 e 4 do artigo 7.º, sobre a modificação do número 9 e aditamento do novo número 10 do artigo 9.º, sobre a modificação do artigo 13.º, sobre a modificação do número 2 do artigo 24.º, bem como sobre o aditamento de dois novos artigos, com os números 6.º-A e 23.º-A.

Em destaque, o facto de este ser o terceiro maior ano de receitas da Benfica SAD e o segundo maior se estivermos a falar do Grupo Benfica. O resultado líquido é, igualmente, o segundo maior de sempre da SAD, com 20,6 milhões de euros.

Com capitais próprios positivos no valor de 86,8 milhões de euros, realce para o crescimento dos mesmos desde 2014/15, exercício em que ficaram positivos. Também ao nível da dívida bancária há um decréscimo, indo ao encontro do que se conseguira no exercício anterior. Em 2017/18 baixou em 110,3 milhões de euros.

Outro item com resultados positivos é o passivo. O mesmo reduziu em 40,1 milhões de euros para os 398,3 milhões de euros (-9,1%). Nos rendimentos operacionais nota-se um decréscimo de 5,2% por via da performance desportiva interna e na Champions. Porém, desde 2010/11 que a média de crescimento das receitas ronda os 6%. Também dependente da performance desportiva estão os gastos com o pessoal, que diminuíram neste exercício. Ainda nas receitas, houve um crescimento de 4,1% nos direitos televisivos e um decréscimo na bilheteira de 26,2%.

Em relação à venda de lugares no Estádio da Luz, o RED PASS – lugar anual – cresceu em valor e em receita em 21,2% e 18,9%, respetivamente. O Relatório e Contas da SAD mostra, ainda, um crescimento dos camarotes e dos Executive Seats.

Domingos Soares de Oliveira

Domingos Soares de Oliveira: “A nossa posição de tesouraria é muito sólida”

O administrador executivo da SAD e CEO do Grupo Benfica falou aos jornalistas após a apresentação e aprovação do Relatório e Contas. Domingos Soares de Oliveira mostrou-se satisfeito pelos resultados obtidos no exercício 2017/18.

“O exercício de 2017/18 foi positivo do ponto de vista económico-financeiro. Tivemos lucros pelo quinto ano consecutivo e o segundo melhor ano da nossa história. O ano foi razoável ao nível das receitas, em que ultrapassámos os 200 milhões de euros. Temos uma tendência positiva de redução de passivo, de reconstrução dos capitais próprios. Estamos satisfeitos pelos resultados alcançados”, sublinhou.

Domingos Soares de Oliveira garantiu, igualmente, que o Benfica depende cada vez menos da venda de jogadores para equilibrar as suas contas.

“Ao nível da alienação de jogadores, este foi o primeiro ano em que tivemos uma postura mais conservadora. Era preciso reforçar o plantel, e isso não acontece só pelos reforços, mas também pela manutenção dos principais ativos. Esta estratégia de manutenção dos principais atletas é para ser mantida. O Benfica depende cada vez menos de vender jogadores para equilibrar contas. Se o fizermos é por uma questão de oportunidade”, revelou.

O rigor que a SAD tem mantido ao longo dos exercícios na realização do Relatório e Contas ajuda a chegar a 2018 com uma posição financeira solidificada.

Quando fazemos o orçamento somos rigorosos na definição dos objetivos. Na preparação da época, o modelo que seguimos é: terminada a fase de grupos passamos para a Liga Europa. O facto de termos tido duas pré-eliminatórias este ano permitiu-nos gerar uma receita adicional na bilhética. Do ponto de vista de tesouraria, a nossa posição é muito sólida”, frisou Domingos Soares de Oliveira.

Domingos Soares de Oliveira

O tema expansão da Marca Benfica também foi abordado pelo administrador da Sociedade encarnada.

“A expansão que fazemos – mercados chinês e norte-americano – não é suscetível de gerar receitas no imediato. Os projetos que fazemos é a mais de 10 anos. Os prazos que temos em cima da mesa é de décadas. Estamos a construir um Benfica para as próximas décadas. Os projetos vão-se concretizar, vamos obter mais receita para reinvestir na capacidade competitiva do plantel”, destacou.

“Todos os patrocinadores que mostrei já renovaram e confiam na gestão. Dentro de pouco tempo vamos anunciar mais uma renovação de um contrato de um parceiro com o Benfica”, acrescentou.

Texto: Marco Rebelo

Fotos: João Paulo Trindade e Francisca Caria / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar