31 de outubro de 2019, 22h27

🎥 "O senhor determinação": homenagem a Mário Dias

Clube

Na data em que completou 16 anos na presidência do SL Benfica, Luís Filipe Vieira organizou um jantar para reconhecer o inestimável trabalho do "pai" do novo Estádio da Luz, obra que celebra o 16.º aniversário.

Noite de homenagem a Mário Dias, o "pai" do novo Estádio da Luz, que acaba de completar 16 anos de existência – o recinto do Sport Lisboa e Benfica foi oficialmente inaugurado em 25 de outubro de 2003.

O jantar de reconhecimento, organizado pelo Presidente Luís Filipe Vieira na data em que também se assinalou o seu 16.º ano na liderança do Clube, teve lugar num dos lounges do Estádio, uma obra que nasceu "graças à determinação e perseverança de Mário Dias".

Recuando 18 anos no tempo, Luís Filipe Vieira recordou o momento em que o projeto de construção do novo recinto foi chumbado pelos órgãos sociais do Clube.

"Antes dessa reunião eu tinha dito ao Mário Dias que íamos jantar juntos. Esperei por ele e, quando saiu do velho Estádio, vi-o muito emocionado. 'Lá se foi o sonho, acabou o novo Estádio da Luz', desabafou ele. 'Tem calma, amanhã vamos almoçar e tudo se resolve', disse-lhe eu. E lá fomos almoçar ao 'Barbas', num sábado, juntamente com Seara Cardoso. Foi o almoço mais longo da minha vida, começou às 13h00 da tarde e acabou depois da 1h00 da manhã. Nessa longa conversa, fizemos contas atrás de contas e concluímos que era possível construir o Estádio da Luz. Era a única maneira, e foi esse sentimento que transmiti, de reativarmos e puxarmos para cima o Benfica. Decidimos ir falar com o presidente da Câmara Municipal de Lisboa logo na segunda-feira de manhã. João Soares foi a primeira pessoa a dar um sinal positivo para que avançássemos", enquadrou.

PALAVRAS DE LUÍS FILIPE VIEIRA

"A principal preocupação de Manuel Vilarinho, o nosso presidente na altura, era o dinheiro, onde se arranjaria o dinheiro para fazer o Estádio. Eu dizia-lhe que o dinheiro iria aparecer de certeza, nós tínhamos era de iniciar a obra. Mário Dias teve um trabalho fantástico durante tanto tempo, nunca desistiu, tínhamos de ir para a frente. Tivemos outra reunião com o presidente João Soares, às 17h00 de segunda-feira, e ficou ali decidido que o Benfica ia avançar. A forma como falou connosco e a sua disponibilidade levaram-nos a trabalhar ainda mais para que o Estádio fosse uma realidade", explicou Luís Filipe Vieira.

"Outro homem fundamental neste processo chama-se Diogo Vaz Guedes. Falámos e foi ele que me disse que, se era para avançar, que se avançasse. Expliquei-lhe que não havia dinheiro, que iríamos trabalhar em cima de um project-finance, e que depois ele iria ser ressarcido. A Somague esteve oito meses sem receber um tostão do SL Benfica. Foi um parceiro fantástico para o nosso Clube. Diogo Vaz Guedes foi a segunda pessoa que nos deu um empurrão fantástico", destacou.

"O Benfica avançou, concluiu, mas o Estádio não existiria se não fosse Mário Dias. Ele foi de uma dedicação ao SL Benfica... Começava de manhã cedo e acabava pela noite dentro! Foram dois anos neste trabalho para chegar onde chegámos. Aliás, não chegámos a demorar dois anos, batemos um recorde. Sem Mário Dias nunca existiria este Estádio da Luz. Todos os Benfiquistas lhe devem estar gratos. Se têm orgulho neste maravilhoso Estádio, onde todos já vivemos tantas horas de felicidade, isso só é possível graças a Mário Dias. O acreditar dele foi a grande viragem do Sport Lisboa e Benfica", enfatizou Luís Filipe Vieira, que encerrou a sua intervenção com a entrega de lembranças ao homenageado da noite.

PALAVRAS DE MÁRIO DIAS 

"Não sendo um grande orador", segundo o próprio, Mário Dias usou da palavra para agradecer a homenagem, salientando o "desempenho essencial" de Luís Filipe Vieira na obra que comemora agora 16 anos de vida. 

"Mais uma vez agradecer-vos tudo o que têm feito por mim. Sinto uma enorme honra em ter prestado serviço ao Benfica. Não o fiz para me enaltecer em nada, fi-lo pelo Benfiquismo, pelo enorme amor que tenho ao Clube. Costumo dizer que se tivesse saúde e se fosse necessário teria vontade de fazer outra vez este ou outro projeto qualquer para o nosso Benfica. Estou sempre à disposição", afirmou. 

"Quando era miúdo, vinha para aqui, mas não tinha dinheiro para ir aos jogos. Os Sócios metiam-me cá dentro – a mim e a outros miúdos – para ver os jogos. Foi, para mim, gratificante poder, de alguma forma, poder pagar isso", revelou Mário Dias. 

"Há coisas que não são conhecidas, mas que foram aqui vividas com muita intensidade. E era fácil – mesmo não sendo um grande orador – para mim falar porque é um assunto que eu domino. Eu trabalhava aqui entre 12 a 16 horas por dia, todos os dias. Aqui nada se fazia ou decidia sem eu saber e aprovar", contou. 

"Ter estado na origem da conceção e da construção do Estádio, ter feito esta grande obra para o Benfica deixa-me especialmente orgulhoso. Na fase de construção houve muitos problemas que tiveram de ser ultrapassados, nomeadamente o financiamento, mas tudo isso foi conseguido com as pessoas certas. Uma preocupação inicial foi reciclar muitos materiais do Estádio antigo e metê-los aqui. Pavimentos, algumas paredes, etc. Foi uma exigência que fizemos a nós próprios", recordou. 

"O Clube foi muito feliz por ter disponíveis, na altura certa, as melhores pessoas para abraçarem este projeto, que não foi fácil de fazer. Ainda hoje, se fosse preciso, fazíamos de novo. O Estádio está muito bem conservado, Luís Filipe Vieira tem estado muito atento a tudo. O seu desempenho foi essencial nesta obra", garantiu. 

PALAVRAS DE JOÃO SOARES

João Soares, presidente da CM Lisboa na altura da construção do novo Estádio da Luz, recordou Mário Dias, um homem "simples, trabalhador e profundamente apaixonado pelo Benfica", e fez questão de destacar a "energia espantosa" de Luís Filipe Vieira, líder máximo das águias, que "pôs de pé este projeto".

"Esta é também a homenagem mais que merecida a Mário Dias, com quem eu tive o privilégio de lidar enquanto autarca da cidade de Lisboa, e sei o papel que ele teve na construção deste Estádio, bem como Luís Filipe Vieira. (…) Há aqui também alguém cujo nome não pode ser esquecido, Vítor Santos, junto de quem conheci Mário Dias. Vítor Santos teve também um papel muito decisivo no projeto do novo Estádio do Benfica que se impunha por todas as razões e depois pela altura do Euro 2004. É um Estádio que honra a cidade de Lisboa e o País", assegurou. 

"O Benfica tem – e isso é um dado indiscutível – mais representação internacional do que o Estado português. Há, seguramente, mais Casas do Benfica e representações benfiquistas do que Embaixadas e Consulados somados", realçou. 

"Fui visitar o Xanana Gusmão à Indonésia, onde estava preso, e o símbolo que ele encontrou para definir as responsabilidades claras que os timorenses queriam que Portugal tivesse no processo de libertação de Timor-Leste foi vestir, num jogo de futebol dentro do pátio da prisão, a camisola do Benfica. Era identificada quase como um símbolo nacional", rematou.

Texto: Filipa Fernandes Garcia e João Sanches

Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar