27 de outubro de 2017, 21h12

Jonas fez o que mais gosta e a equipa somou!

Futebol

Benfica recebeu e venceu o Feirense, por 1-0, na partida inaugural da 10.ª jornada da Liga NOS. Avançado brasileiro assinou o único golo do jogo e vincou a sua posição como melhor marcador da prova.

Volvido praticamente um mês, o Tetracampeão regressou ao Estádio da Luz. Noite especial para o recinto, num desafio em que se assinalou o 14.º aniversário celebrado na última quarta-feira, dia 25 de outubro. Estádio de histórias e momentos únicos… e esta sexta-feira escrever-se-ia mais um triunfo! Mas já lá vamos…

Sport Lisboa e Benfica e CD Feirense mediram forças num jogo referente à 10.ª jornada da Liga NOS.

Na antevisão ao desafio, Rui Vitória perspetivara uma partida complicada, face a um adversário com ideias simples e muito bem identificadas; do outro lado, Nuno Manta mostrara ambição, dando 50 por cento de probabilidades de triunfo para cada uma das equipas.

Depois da vitória em Vila das Aves, o objetivo dos encarnados passava por somar mais três pontos, mantendo firme a perseguição ao topo, e foi com esse intuito que Rui Vitória fez alinhar de início: Svilar; André Almeida, Luisão, Rúben Dias e Grimaldo; Fejsa, Filipe Augusto, Salvio e Diogo Gonçalves; Jonas e Seferovic.

Ouviu-se o hino na Catedral, os jogadores entraram em campo associando-se ao lema “A defesa é o melhor ataque”, uma campanha levada a cabo pela Liga Portuguesa Contra o Cancro, no âmbito da prevenção do cancro da mama; cumprimentos iniciais e Luís Godinho apitou para o início da partida inaugural da 10.ª ronda.

Começou melhor o Benfica, com Jonas, aos 5’, a dar o mote. Caio encaixou bem. Ora, o aviso estava dado e não foi preciso esperar muito para o primeiro momento de festa nas bancadas da Catedral com 47 207 adeptos presentes.

Dez minutos decorridos, enorme jogada do coletivo, com Jonas a rematar para uma defesa espetacular. Na sequência, um minuto volvido, canto, Rúben Dias ganhou de cabeça, alguma confusão na área, Salvio disparou para a defesa - para a frente - de Caio e aí surgiu Jonas , oportuno e mortífero, a rematar para o 1-0. Não foi à 1.ª, nem à 2.ª… pois bem, à 3.ª foi de vez! E vão 12 golos na Liga NOS para o atacante canarinho.

Com o Benfica em vantagem surgiu então o tal Feirense que o seu técnico antevira. Uma equipa ambiciosa, a desdobrar-se rapidamente, a explorar a velocidade das suas linhas mais avançadas e a discutir o jogo pelo jogo, olhos nos olhos do Tetracampeão.

Aos 17’ o primeiro remate da formação de Santa Maria da Feira, com Flávio a testar os reflexos de Svilar; aos 21’ grande oportunidade, mas o central Fábio chegou atrasado e – em zona frontal – não acertou no esférico; aos 33’, canto na esquerda, João Silva penteia a redondinha, mas esta sai ao lado; aos 39’, remate poderoso de meia distância de Etebo para a defesa da noite do guarda-redes mais jovem de sempre na baliza das águias.

Somente em cima do período de descanso um cheirinho de Benfica, com Jonas, em zona privilegiada, a ter soberana oportunidade para marcar, mas a redondinha, caprichosa, saiu por cima.

Ao intervalo, mantinha-se a vantagem mínima para o Benfica: 1-0.

A segunda metade começou como terminara a primeira, isto é, com um Benfica a tentar sacudir a pressão, perante um adversário disposto a não baixar os braços e a dar tudo por tudo na discussão do resultado.

Etebo deu o aviso; aos 51’ Luís Machado teve tudo para empatar, mas perdeu o tempo de remate; aos 53’ foi outra vez Svilar a salvar, a desviar um remate com selo de golo de Tiago Silva.

O Benfica tardava em pegar no jogo e a incerteza mantinha-se… Grimaldo tentou a sorte, mas foi Salvio quem animou as hostes. 60’, jogada de entendimento, Fejsa deixa para Seferovic, o suíço serve o argentino, Caio defende e a bola sai ao lado do poste por milímetros.

Bola cá, bola lá e foi dos pés do recém-entrado Pizzi (saiu Salvio) que nasceu mais um bom remate. A bola saiu por cima. Aos 66’ mais uma oportunidade para as águias, desta feita com Jonas e Diogo Gonçalves a combinarem bem. Na cara de Caio, o jovem português perdeu o duelo.

Com 20 minutos para se jogar o desafio abriu por completo. As duas equipas procuravam o golo, sem pejo em assumi-lo, e as oportunidades começaram a surgir de forma mais intensa, num jogo longe de ser espetacular, mas com intensidade e muita vontade.

Aos 79’ mais perigo, já com Raúl em campo, mas o mexicano foi apanhado em fora de jogo. Já com menos de dez minutos no tempo regulamentar, Diogo Gonçalves corre de lés a lés, tenta furar pelo meio, mas surge um corte providencial de Jean Sony.

Em cima do apito final de Luís Godinho, a melhor jogada desta segunda parte, com Krovinovic (entrou para o lugar de Jonas) a servir Filipe Augusto, mas o brasileiro acertou na malha lateral.

Ainda se gritou golo, Pizzi também tentou, Krovinovic idem… mas até se esgotar o tempo de jogo o resultado não se alterou. Vitória, por 1-0 para os anfitriões.

Com este resultado o Benfica soma 23 pontos e mantém-se firme na discussão do topo da tabela classificativa.

Segue-se mudança de chip, com o Benfica a viajar até Inglaterra na próxima terça-feira. Às 19h45 de dia 31 as águias sobem ao relvado de Old Trafford para defrontar o Manchester United para as contas da 4.ª jornada da Fase de Grupos da Liga dos Campeões.

O Campeonato Nacional regressa a 5 de novembro, com o Benfica a deslocar-se até à Cidade Berço para defrontar o Vitória de Guimarães. Esta partida está marcada para as 18h00 e é referente à 11.ª jornada da Liga NOS.

Texto: Sónia Antunes

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar