4 de maio de 2019, 20h01

Alma, garra e fogo

Futebol

O líder Benfica dobrou os problemas criados pelo Portimonense no Estádio da Luz e, agora com uma média de 3 golos por jogo, venceu de virada (0-1 para 5-1) na 32.ª jornada da Liga NOS.

Um Benfica com garra, confiança e determinação desbloqueou e contornou os problemas criados pelo Portimonense no Estádio da Luz, caminhando, golo a golo na segunda parte, para um triunfo robusto na 32.ª jornada da Liga NOS (5-1). Com 96 golos apontados (média de 3 por partida) e 81 pontos conquistados, as águias comandam a competição. Faltam duas finais!

RESUMO DO JOGO

Com circulação de bola rápida, tentando explorar passes a rasgar a defensiva do Portimonense, o Benfica procurou pressionar nos minutos iniciais da partida e alcançar o primeiro golo. Aos 8', Seferovic libertou-se pelo eixo do ataque para corresponder à solicitação milimétrica e venenosa de João Félix; o camisola 14 das águias ficou cara a cara com o guarda-redes Ricardo Ferreira, fez um chapéu, mas este ficou curto, acabando o esférico por morrer nas luvas do camisola 1 do conjunto algarvio.

Desaproveitada a enorme oportunidade para ganhar vantagem na partida, o Benfica teve de suportar a resposta do Portimonense, rápido e persistente nos contra-ataques. Aos 11', após um lance trabalhado sobre a esquerda por Paulinho, Lucas Fernandes chutou para defesa de Odysseas; na recarga, Dener atirou por cima da barra. Era um aviso... e seria reforçado aos 22', num lance desenvolvido por Tabata na direita, de onde cruzou com perigo; na insistência, Paulinho, melhor do que Florentino perto da linha de fundo, centrou para Dener, que disparou ao lado.

A partir deste momento, a equipa benfiquista começou a inclinar o relvado do Estádio da Luz, pondo a bola de forma sistemática na área do Portimonense ou nas imediações da baliza de Ricardo Ferreira. Aos 27', depois de uma recuperação de Jardel, Seferovic deu gás à ofensiva, a bola chegou ao lado direito e Rafa cruzou para o meio da área, onde João Félix cabeceou por cima da barra. No minuto seguinte, Grimaldo recebeu de Pizzi na esquerda, devolveu o esférico ao 21 e este rematou para defesa do guarda-redes do adversário algarvio.

Num contragolpe, o Portimonense teve espaço na direita, Dener rompeu, passou e Tabata atirou para defesa de Odysseas (41'). Em cima do tempo de intervalo (45'+1'), o Benfica dispôs de mais uma chance para faturar, mas Ricardo Ferreira voou e defendeu a bola pontapeada por Samaris num livre direito descaído para a esquerda, já perto da linha limite da área.

No reatamento, João Félix foi o primeiro a manifestar vontade e intenção de agitar as redes (remate na área, aos 52', bloqueado por um defensor), mas o golo inaugural surgiu pelos pés de um jogador forasteiro: Tabata, aos 53' escapou na profundidade, contornou Odysseas e, descaído para a direita, tocou para o interior da baliza (0-1).

Bruno Lage promoveu a primeira alteração na equipa encarnada aos 61', saiu Samaris, entrou Jonas. No minuto seguinte (62'), Rafa pressionou Lucas Possignolo no corredor central, conquistou a posse de bola, correu para a área e picou a bola sobre Ricardo Ferreira, que tentara a mancha (1-1). O Estádio da Luz rebentava de emoção e multiplicava o apoio aos jogadores.

O Benfica voltou a acentuar a inclinação do terreno de jogo e o 2-1 aconteceu aos 64', com Seferovic a trabalhar na área sobre a esquerda, a lançar para um pequeno duelo de Grimaldo no espaço central, de onde a bola sobrou para a intervenção de Rafa, que dominou e chutou de forma indefensável. Foi o 15.º golo de Rafa nesta edição da Liga NOS (já é o segundo melhor marcador das águias na prova).

Consumada a reviravolta, as águias ficaram com o jogo completamente na mão e só um passe errado permitiu que o Portimonense voltasse a desenhar uma jogada perigosa, mas Jardel foi imponente aos 78' e intercetou o esférico no momento exato.

Após a segunda troca (saiu João Félix, entrou Gedson aos 79'), o Benfica alcançou o 3-1. Pizzi foi fortíssimo na construção e condução do ataque, entrou pela direita e centrou para Seferovic, que matou no peito e usou prontamente o pé esquerdo para novo episódio de explosão de alegria na Catedral (84'). Foi a 19.ª assistência de Pizzi neste Campeonato.

Perante 60 677 espectadores, o 4-1 foi fabricado aos 88': André Almeida, na direita, recebeu de Pizzi e cruzou para a finalização bem-sucedida de Seferovic. O camisola 14 das águias, melhor marcador da Liga NOS, esticou para 21 o número de golos nesta prova em 2018/19.

Para a última jogada da partida estava reservado o golo 300 da carreira de Jonas: à matador, no centro da área, o camisola 10 cabeceou com força e colocação como "pedia" a (12.ª) assistência de André Almeida na Liga 2018/19. Três pontos, missão cumprida na luta pela Reconquista!

Descontos Camisolas Adidas Benfica

Texto: João Sanches

Fotos: Isabel Cutileiro e João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar