Futebol

15 outubro 2017, 17h34

A três jornadas do fim do Campeonato Nacional 2013/14, a equipa de futebol profissional do Benfica tinha a faca e o queijo na mão: precisava de apenas uma vitória para celebrar pela 33.ª vez a conquista do título mais apetecido dentro de fronteiras. 

Num dos momentos mais relevantes da história do Estádio da Luz, que a 25 de outubro de 2017 comemora 14 anos de existência, os encarnados receberam o Olhanense e não adiaram para a ronda seguinte o que podia ficar resolvido no fim de tarde de 20 de abril de 2014: triunfo por 2-0, com Lima a ser o rosto dos golos.

Numa época para esquecer – e que culminaria com a descida à II Liga –, a equipa algarvia empatou a festa benfiquista enquanto teve forças; tombou ao minuto 57 quando Lima enfiou a primeira bola na baliza defendida por Belec.

Quebrada a resistência, o segundo golo, que confirmaria o sucesso, tardou apenas três minutos, de novo pelo pé direito do matador brasileiro. O Estádio da Luz entrava em êxtase e começava a contar os minutos para ver o troféu erguido aos céus pelos jogadores.

FICHA DE JOGO

Estádio da Luz

Espectadores: 63 982

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco).

Benfica: Oblak; Maxi, Luisão, Garay, André Almeida; Salvio (45’ Markovic), André Gomes, Enzo, Gaitán (75' Djuricic); Rodrigo (84’ Cardozo) e Lima.

Treinador: Jorge Jesus.

Suplentes não utilizados: Artur Moraes, Jardel, Rúben Amorim e Ivan Cavaleiro.

Golos: Lima (57 e 60). 

Cartões amarelos: Lima (61’) e Djuricic (78’).

Cartões vermelhos: nada a assinalar.

Olhanense: Belec; Luís Filipe, Ricardo Ferreira, Diakhité, Jander; Lucas, Obodo, Rui Duarte (65’ Tozé Marreco), Sampirisi (90’+1’ Mirko Bigazzi) ; Dionisi e Celestino (75’ Femi Balogun).

Suplentes não utilizados: Ricardo, Pelé, Vítor Bastos e Agon Mehmeti.

Treinador: Giuseppe Galderisi.

Cartões amarelos: Luís Filipe (58’), Pedro Celestino (58’), Rui Duarte (58’) Mario Sampirisi (66’) e Diakhité (83’).

Cartões vermelhos: nada a assinalar.

Lima marcou e o Marquês de Pombal começou a encher-se de adeptos do Benfica.

Foram milhares, festejando e procurando a melhor posição para receber jogadores, equipa técnica e presidente, que haveriam de chegar ao centro das celebrações por volta da meia-noite, depois de terem serpenteado pelas artérias de Lisboa a bordo do autocarro do campeão.

“Este título é dedicado ao grande Eusébio e ao Mário Coluna”, proclamou o líder benfiquista, Luís Filipe Vieira, recordando dois ícones do Clube – entretanto falecidos – nas primeiras palavras que dirigiu à multidão de entusiastas.

Depois de um período de interação de jogadores e adeptos na emblemática praça da capital portuguesa – onde até a estátua do Marquês de Pombal “vestiu” a camisola –, a comemoração terminou com um pequeno espetáculo de fogo de artifício e ao som do “Ser Benfiquista”, hino do Sport Lisboa e Benfica, da autoria de Luís Piçarra.

 

Texto: João Sanches

Última atualização: 23 de outubro de 2017

Patrocinadores principais do Futebol


Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar