13 de fevereiro de 2019, 17h27

Bruno Lage: “Jogar com a qualidade que temos apresentado em Portugal”

Futebol

O treinador do Benfica elogiou o Galatasaray, o treinador Fatih Terim e o ambiente nas bancadas, mas quer a equipa a vincar a identidade do seu futebol no relvado.

Bruno Lage, treinador do Benfica, anteviu, em conferência de Imprensa, a partida com o Galatasaray, da primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa. O início está aprazado para as 17h55 portuguesas, no Ali Sami Yen Spor Kompleksi, em Istambul.

O Benfica teve jogo no domingo… Conseguiu treinar o que pretendia?

Nunca há muito tempo para treinar quando se joga de três em três dias. Analisámos bem o adversário e o que temos vindo a fazer. Vamos passar tudo o que conhecemos aos jogadores e preparar bem a nossa estratégia. O mais importante está a ser feito e bem feito. Entrar com enorme confiança; queremos jogar num jogo internacional com a qualidade com que jogamos em Portugal.

Qual é a razão para Pizzi, Jonas e Grimaldo não terem sido convocados?

Foi por opção. A época é longa, os meses de dezembro e janeiro foram carregados; fevereiro também vai ser, estamos envolvidos em três competições. O mais importante é que o plantel nos dá garantias para este jogo. Todos têm trabalhado de forma empenhada.

Sente que uma eventual euforia pode trair?

Não! Euforia porquê? Por termos ganho o último jogo? Tem-se falado muito do último jogo, mas vimos de uma boa sequência, com vitórias com o Sporting, Boavista, V. Guimarães... O que se vê é equilíbrio. O mais importante é olharmos para o nosso trabalho. Num clube como o Benfica os resultados são muito importantes, mas só os vamos conseguir se percebermos a nossa evolução enquanto equipa e a nossa forma de jogar. Concentração e pressão é a mesma que coloco em cima de mim e dos jogadores. Para amanhã [quinta-feira] temos de entrar concentrados na nossa forma de jogar, na estratégia e vencer o jogo.

Bruno Lage

Ter prescindido de jogadores importantes é uma forma de confiar na matéria humana que tem ao seu dispor e que tem retribuído com boas exibições?

A decisão é sempre em função de vários pontos e um deles é esse. Outro ponto é o que têm vindo a reparar, até com outras equipas, mas também connosco: meses muito carregados. Não é o facto de jogar de três em três dias, é o facto de jogar de três em três dias muitas vezes. Fizemos gestão de esforço no segundo jogo com o Sporting. Tínhamos duas situações em que poderíamos ter problemas. Uma era com o Rafa e a outra foi com o nosso capitão [Jardel]. Ele sabia que ao mínimo sinal era para sair e fazíamos a alteração. Estas são as situações que vamos tendo. Há o esforço dos atletas, a sequência de jogos, o histórico de lesões, a idade, porque uma coisa é um jogador ter 18, 19 ou 20 anos, outra é ter 30 ou 35, as viagens… A gestão é dia a dia. Esses três jogadores ficaram em casa [Grimaldo, Pizzi e Jonas], mas o mais importante é sentirmos que temos um plantel que nos oferece imensas soluções.

Vai fazer a estreia nas competições europeias. As coisas mudaram para si em pouco tempo. Como está a gerir estas emoções?

Com equilíbrio. O mais importante é o que conseguimos controlar e isso é o nosso trabalho. Temos vivido isto – eu e a minha equipa técnica – com muita determinação. É verdade que o temos feito com um orgulho enorme. Vai ser mais um marco importante na minha carreira. Temos de ter foco na tarefa, no jogo, no treino. Dar continuidade ao trabalho, dia a dia, com qualidade e apresentar resultados.

Bruno Lage

Saiu a notícia sobre a interdição do Estádio da Luz por quatro jogos. Que reação lhe merece? Afeta a equipa?

Não afeta. Não podemos controlar. A Direção respondeu da forma que considera correta. Queremos jogar no Estádio da Luz, é a nossa casa e o último jogo é disso exemplo. Se não houver Estádio da Luz, jogamos em qualquer outro, porque tenho a convicção de que os Sócios e adeptos estão connosco. Eles vão encher qualquer estádio do País a apoiar-nos porque esta equipa merece.

O Benfica está preparado para o ambiente que vai encontrar?

Sim! Vai ser um ambiente igual ao que foi o nosso jogo em casa [Nacional]. A nossa equipa é experiente, com internacionais, que têm vários jogos internacionais. Já vi jogos na Turquia, sei o que nos espera, com apoio máximo à equipa da casa. Temos de estar preocupados com o que controlamos. Os bons jogadores e as boas equipas gostam e têm de jogar nestes ambientes. Já disse aos jogadores: amanhã [quinta-feira], perante uma boa equipa, com um grande treinador, num ambiente fantástico temos de jogar com a mesma qualidade com que temos feito em Portugal.

Texto: Marco Rebelo

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar