17 de abril de 2019, 19h48

🎥 Bruno Lage: “Queremos o controlo de um jogo que vai ser intenso”

Futebol

O treinador do Benfica deu a receita para a segunda mão dos quartos de final da Liga Europa.

Bruno Lage, treinador do Benfica, anteviu, em conferência de Imprensa e à BTV, o desafio com o Eintracht Frankfurt a contar para a segunda mão dos quartos de final da Liga Europa. O jogo tem início aprazado para as 20h00 desta quinta-feira, no Frankfurt Stadion.

Olhar para o resultado de 4-2 pode ser a maior armadilha para o Benfica?

Sim e seguramente não é isso que vamos fazer. Sentimo-nos confortáveis, fizemos quatro golos e agora queremos seguir com o nosso plano de jogo, prepararmos bem o jogo, escolher o melhor onze, conseguir os nossos golos e o resultado para seguir em frente.

Que desafios terá o Benfica pela frente do ponto de vista tático para o jogo da segunda mão?

É um sistema diferente, com três defesas, que aproveita a largura pelos laterais. Tivemos de fazer uma pressão diferente na primeira mão. É verdade que estão com alguns problemas na defesa e não sabemos se vão alinhar com a defesa a cinco ou a quatro; se vão jogar com um médio atrás de dois médios ou um médio atrás de dois avançados. São questões que só perto da hora de jogo é que vamos saber. Eles querem o controlo de jogo, mas nós também queremos e temos de estar preparados. Vai ser um jogo de grande intensidade.

Com as campanhas do Benfica e do Ajax na Europa, os projetos de formação estão a provar que podem ser mais do que mero romantismo?

Sim, mas não é de agora. Tem acontecido isso na história do futebol. Há 20 ou 30 anos, o Ajax foi uma referência na formação, mas há outros casos. Temos feito essa aposta também e temos crescido no sentido de apostar em jovens da formação. Mas temos de ter consciência que temos uma grande equipa, com jogadores experientes, alguns deles conquistaram o Tetra. Cada clube tem de encontrar o seu caminho para progredir com equilíbrio e o Benfica tem conseguido isso, com jovens, com futebolistas experientes, estrangeiros, portugueses, e tem sabido integrar os jovens da formação na sua equipa principal.

Bruno Lage

Numa recente entrevista, Bruno Fernandes, jogador do Sporting, deixou elogios ao Benfica. Como é que lida com estes elogios por parte de um rival?

O mais importante nesta vida é ser reconhecido pelo nosso trabalho. Recordo-me que há umas semanas falei do Bruno [Fernandes] e no tempo que se passa a comparar quem é o melhor. Não temos de ter medo de elogiar os nossos adversários. Para já, começar a dizer o nome dos nossos adversários. O Sporting, o FC Porto, o SC Braga… Já elogiei o Herrera, o Bruno... Ao elogiar o adversário, não estou a fragilizar o que é meu. No meio de tanto barulho temos de agarrar estes exemplos para passar uma boa imagem internacional, através do que o FC Porto está a fazer na Liga dos Campeões ou o que nós estamos a fazer na Liga Europa.

O Benfica é favorito depois do 4-2 na primeira mão? Salvio está apto para ser opção de início ou para o que o jogo estiver a dar?

Estamos em vantagem e não o escondemos. Quando chegamos a esta altura da competição, temos de perceber que tudo pode acontecer. Já viram vários exemplos de equipas que começam a ganhar e depois não conseguem dar seguimento ao que fizeram no segundo jogo. O Eintracht Frankfurt tem feito uma excelente campanha na Europa, isso é de enorme valor, tal como o que o Ajax tem feito na Champions, e o Benfica já enfrentou as duas. Temos de ir para este jogo como no primeiro encontro para seguir em frente, sem esquecer que estamos a vencer. Salvio já estava apto há cerca de 10 dias e quando entra na convocatória é para estar disponível para jogar os 90’, estar no banco ou na bancada.

Bruno Lage

Frente ao Sporting, na Taça de Portugal, o Benfica estava a vencer a eliminatória e acabou por ser eliminado. Essa eliminatória serve de aviso?

É um facto, mas são competições diferentes, em alturas da época diferentes. Olha-se para o lado negativo, mas pode-se olhar para o lado positivo. A nossa vida é corresponder jogo a jogo, estamos conscientes da vantagem, mas o mais importante é a ambição de querer seguir em frente e ganhar o jogo para que isso aconteça. Não estamos agarrados a medos até porque a equipa já provou que sabe responder após uma derrota.

Benfica está em duas frentes importantes. Que gestão vai fazer para este jogo e para a restante época?

Entre este jogo e o outro do campeonato, o intervalo é maior, vamos ter três dias para recuperar. Na primeira mão, olharam para a equipa e pensaram que tentámos fazer gestão com o Seferovic. Mas não foi. Tentámos surpreender o nosso adversário, foi o lado estratégico que levou a isso. O treinador adversário preparou-se para o facto de jogarmos ou não com um ponta de lança. São os quartos de final, mas é de final em final, seja aqui na Liga Europa, seja no Campeonato.

Bruno Lage

O Samaris tem o processo de renovação em marcha. Dado que reabilitou o jogador, fica agradado com o andamento deste processo de renovação?

Reabilitado? Não! Eu não faço milagres. O que eu faço é olhar para o que o jogador faz no treino. Tenho 24 jogadores. O momento e o caminho são estes. O Samaris começa a jogar, tal como o João Félix, o Ferro e o Florentino. Para estes jogarem quer dizer que alguém saiu. Não quero o rótulo de reabilitação. Para isso temos um excelente médico. Olhamos para todos da mesma forma independentemente da idade. Olhamos para a forma como treinam – e estamos satisfeitos com todos –, analisamos a estratégia para o jogo e escolhemos o onze. Jogar no Benfica é fácil: treinar a mil e ter rendimento no jogo.

Texto: Marco Rebelo

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar