18 de janeiro de 2020, 00h35

Cartas mágicas para um final perfeito no dérbi

Futebol

O Benfica triunfou no reduto do Sporting no fecho da primeira volta da Liga NOS, com um bis de Rafa, que saiu do banco, tal como Seferovic (uma assistência), para desequilibrar. Foi a 16.ª vitória em 17 jornadas!

RESUMO DO JOGO

Mostrando alta rotação nas duas partes do dérbi, o Benfica impôs os seus argumentos e ganhou em casa do Sporting por 0-2, com um bis de Rafa, a primeira carta mágica que Bruno Lage fez sair do banco, na 17.ª jornada da Liga NOS.

Alcançada a 16.ª vitória na competição, as águias concluíram a primeira volta com a melhor pontuação de sempre (desde que o triunfo vale três pontos) num campeonato com 18 equipas. E o Benfica materializou também a 17.ª vitória fora de casa consecutiva na Liga, um recorde na principal competição nacional.

Na luta pela revalidação do título nacional, a equipa benfiquista solidificou a liderança na Liga NOS: tem 48 pontos arrecadados (mais sete do que o FC Porto, que nesta ronda perdeu no seu reduto com o Braga por 1-2). As águias mantêm ainda o estatuto de conjunto que mais golos marca (42) e menos sofre (seis).

O Benfica entrou com tudo no dérbi! Ainda não estavam decorridos três minutos e já a equipa liderada por Bruno Lage contava duas oportunidades de golo. No primeiro lance, o remate de Cervi, na direção da baliza, foi "defendido" por Ilori, que de carrinho impediu o 0-1; na segunda jogada prometedora, Vinícius, descaído para a esquerda, chutou com potência de pé canhoto, mas o esférico sobrevoou a trave.

Derbi

Só se viu Benfica nos dez minutos iniciais da partida. O Sporting reagiu por Wendel aos 11', num remate que levou a bola contra o corpo de Ferro. Fazendo jus à grande história destes duelos, o encontro estava frenético, e Pizzi, aos 12', recebeu um passe de Chiquinho e, já na área, visou a baliza leonina, obrigando Maximiano a defesa de recurso, que negou o 0-1. Na jogada seguinte foi o Sporting, numa bola longa, a conseguir ter espaço nas costas de Ferro e, por intermédio de Rafael Camacho, a ter um remate que acertou no poste direito.

A equipa benfiquista, com Weigl e Gabriel no coração do meio-campo, voltou à carga, tendo o golo na ideia: Vinícius chegou ligeiramente atrasado a um cruzamento de André Almeida (14'); Gabriel, de cabeça na sequência de um canto batido por Grimaldo na esquerda, tentou o golo, evitado por uma defesa de Maximiano para novo "corner" (21'); e André Almeida, ao segundo poste, ainda conseguiu chegar à bola, mas esta atingiu as malhas laterais (31'), no seguimento de um livre executado por Grimaldo à direita.

O Sporting libertou-se aos 33', com Acuña a cruzar da esquerda e Rafael Camacho a cabecear para intervenção competente de Odysseas. No minuto seguinte (34'), a bola entrou na baliza do Benfica, mas Luiz Phellype estava em clara posição de fora de jogo e o lance foi prontamente anulado.

Sempre muito disputado, o dérbi perdeu um pouco de intensidade e de frenesim na parte final do primeiro tempo. As águias fecharam esta etapa do jogo com oito remates e 27 duelos ganhos.

A segunda parte teve um começo em falso, digamos assim. Adeptos do Sporting, junto à baliza defendida por Maximiano, arremessaram tochas para o recinto de jogo. O dérbi esteve interrompido durante algum tempo, facto que pesaria nos 10 minutos de tempo de compensação após os 90 regulamentares.

Reatado o desafio, a velocidade e o ritmo da etapa inicial tornaram a ser vistos no relvado. O Sporting, mais laborioso na construção nesta fase do encontro, tentou criar dificuldades diferentes ao Benfica, que, no entanto, foi compacto e soube proteger o seu espaço defensivo.

Jogando sempre como equipa e contando com um apoio fantástico por parte dos adeptos presentes no José Alvalade, os encarnados tiveram energia renovada na linha da frente com a troca de Chiquinho por Rafa (74'). O efeito desta alteração promovida por Bruno Lage não podia ser melhor...

GOLO: 0-1

Aos 80', num lance esforçado na área do Sporting após lançamento de linha lateral à direita, Vinícius furou pela zona central e tocou curto para a sua direita, na direção de Rafa, que estava ali, solto, pronto para chutar de pé direito, cruzado, e inaugurar o marcador (0-1). Era o terceiro golo do 27 na Liga NOS 2019/20 – ele que voltou há competição na passada terça-feira, após lesão – e a quarta assistência do brasileiro.

Os 10 minutos de tempo adicional conferiram ao dérbi um "prolongamento" que era expectável, e Bruno Lage ainda tinha duas cartas para jogar nesse período para validar o triunfo. Taarabt rendeu Cervi (90'+5') e Seferovic substituiu Vinícius (90'+7'). E o suíço seria providencial na recuperação de bola no lance que, aos 90'+9', rendundou no 0-2 para as águias.

GOLO: 0-2

Ilori fez um corte defeituoso, Seferovic estava em cima, na pressão, e depressa atacou a bola. Outra carta mágica do baralho de Bruno Lage, o internacional suíço passou o esférico para o corredor central (assistência), por onde Rafa entrou para aplicar uma trivela de pé direito (quarto golo na prova!), confirmando a 16.ª vitória do Benfica em 17 jornadas neste Campeonato.

OFERTA PERSONALIZAÇÃO E BADGE DE CAMPEÃO

Texto: João Sanches

Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar