Covid-19

31 outubro 2020, 23h40

A pandemia COVID-19 parou o mundo desportivo, financeiro e político. Leia aqui as principais notícias oficiais, desportivas e generalistas do que se passou em Portugal e no mundo em outubro. Ver DIRETO aqui.

31 de outubro

Eduardo Cabrita

PORTUGAL: RTP [21h15] | Novas medidas em 121 concelhos do país. "No final de um longo Conselho de Ministros extraordinário, António Costa anunciou as medidas que serão aplicadas já a partir de 4 de novembro nos 121 concelhos do país que têm mais de 240 casos por 100 mil habitantes. Nesses concelhos habita 70 por cento da população do país.

Em primeiro lugar, haverá o 'dever cívico de recolhimento domiciliário', situação que vivemos nos meses seguintes ao fim do estado de emergência. 'Se nada tivermos de fazer de imperioso, devemos ficar em casa', afirmou o primeiro-ministro, referindo exceções como fazer compras, realizar atividade física ou prestar assistência.

Haverá ainda, obrigatoriamente, desfasamento de horários de trabalho e o teletrabalho torna-se obrigatório, salvo impedimento do trabalhador.

Todos os estabelecimentos comerciais (à exceção de farmácias, consultórios e clínicas, funerárias, postos de abastecimento e rent-a-car) encerrarão até às 22h00 e os restaurantes não poderão ter mesas com mais de seis pessoas, tendo de encerrar às 22h30.

Os eventos e celebrações (salvo se do mesmo agregado familiar) serão restringidas a cinco pessoas e estão proibidas as feiras e os mercados de levante. O conjunto destas regras entra em vigor a 4 de novembro e será alvo de uma reavaliação quinzenal.

Apesar das medidas adotadas nos 121 concelhos do país, o encerramento de escolas 'é uma linha vermelha', declarou António Costa, acrescentando que o ano escolar tem estado a correr bem e que é necessário garantir 'a liberdade das nossas crianças', que não devem ter novamente as aulas interrompidas, como teve de acontecer na primeira vaga da pandemia.

António Costa

O primeiro-ministro esclareceu que as visitas aos utentes de lares vão ser permitidas mesmo nos concelhos de risco, desde que sejam realizadas nas condições limitadas que estão já definidas.

Além de Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira, incluem-se agora nestas medidas: Alcácer do Sal, Alcochete, Alenquer, Alfândega da Fé, Alijó, Almada, Amadora, Amarante, Amares, Arouca, Arruda dos Vinhos, Aveiro, Azambuja, Baião, Barcelos, Barreiro, Batalha, Beja, Belmonte, Benavente, Borba, Braga, Bragança, Cabeceiras de Basto, Cadaval, Caminha, Cartaxo, Cascais, Castelo Branco, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Chamusca, Chaves, Cinfães, Constância, Covilhã, Espinho, Esposende, Estremoz, Fafe, Figueira da Foz, Fornos de Algodres, Fundão, Gondomar, Guarda, Guimarães, Idanha-a-Nova, Lisboa, Loures, Macedo de Cavaleiros, Mafra, Maia, Marco de Canaveses, Matosinhos, Mesão Frio, Mogadouro, Moimenta da Beira, Moita, Mondim de Basto, Montijo, Murça, Odivelas, Oeiras, Oliveira de Azeméis, Oliveira de Frades, Ovar, Palmela, Paredes de Coura, Paredes, Penacova, Penafiel, Peso da Régua, Pinhel, Ponte de Lima, Porto, Póvoa de Varzim, Póvoa do Lanhoso, Redondo, Ribeira da Pena, Rio Maior, Sabrosa, Santa Comba Dão, Santa Maria da Feira, Santa Marta de Penaguião, Santarém, Santo Tirso, São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João da Pesqueira, Sardoal, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sever do Vouga, Sines, Sintra, Sobral de Monte Agraço, Tabuaço, Tondela, Trancoso, Trofa, Vale da Cambra, Valença, Valongo, Viana do Alentejo, Viana do Castelo, Vila do Conde, Vila Flor, Vila Franca de Xira, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Gaia, Vila Pouca de Aguiar, Vila Real, Vila Velha de Ródão, Vila Verde, Vila Viçosa e Vizela.

António Costa explicou que o Governo adotou o critério do Centro Europeu de Controlo de Doenças segundo o qual, nas situações em que há pelo menos 240 casos por cada 100 mil pessoas nos 14 dias anteriores, passa a existir um risco acrescido – situação em que se encontram 121 concelhos portugueses.

A cada 15 dias será avaliado o ponto de situação desses 121 concelhos para se decidir quais saem e quais entram na lista dos que serão sujeitos a medidas mais apertadas de controlo da pandemia.

Ainda em declarações aos jornalistas, António Costa avançou que poderá ser decretado um confinamento mais geral no início de dezembro 'de forma a que se criem as melhores condições para que o menor número possível de pessoas esteja infetado pela altura do Natal' e poder assegurar às famílias as melhores condições possíveis para celebrarem essa época.

António Costa

As cinco medidas fundamentais a toda a população

António Costa relembrou as cinco medidas fundamentais que todos devemos seguir para ajudar a combater a pandemia: manter a distância física sempre que possível; usar a máscara nos locais fechados e na via pública sempre que há mais gente à nossa volta; cumprir com a etiqueta respiratória; lavar e desinfetar regularmente as mãos; e, finalmente, utilizar a aplicação Stayaway Covid.

Neste momento, 2,4 milhões de pessoas já descarregaram essa aplicação nos seus telemóveis. 'Temos de libertar profissionais de saúde que estão a fazer este trabalho' para o fazermos nós próprios 'com um simples clique', apelou o líder do Executivo.

No início do seu discurso após o Conselho de Ministros extraordinário, o PM recordou o começo da pandemia em Portugal e frisou que 'o desconfinamento permitiu a evolução da economia', depois de vários meses de quebra.

Agora, segundo o primeiro-ministro, o desafio é 'conter a pandemia sem pagar de novo o brutal custo' pessoal, económico, social e familiar que as medidas iniciais trouxeram.

Frisando que, desde agosto, estamos num crescimento progressivo da crise pandémica 'que nos levou, em meados de setembro, a decretar o estado de contingência e, há cerca de 15 dias, o estado de calamidade', Costa alertou que, 'se nada acontecer', esta subida 'conduzir-nos-á a uma situação de pressão insustentável do SNS e a um agravamento muito significativo da situação de saúde'.

António Costa voltou a apelar à população a colaboração neste combate, apesar de compreender o 'cansaço' em relação às medidas que têm vindo a ser tomadas. O PM destacou que também o cansaço dos profissionais de saúde e de quem está na linha da frente tem sido difícil de vencer, sendo por isso necessário fazer mais para combater a Covid-19."

Boletim DGS

PORTUGAL: TVI24 [14h08] | Novos 4007 casos de infeção. "A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou no boletim diário deste sábado que há mais 39 mortes e 4007 novos casos de COVID-19 em Portugal.

O país regista também um novo máximo de pessoas internadas em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) desde o início da pandemia de COVID-19, com 286 pessoas hospitalizadas, segundo a DGS.

O valor máximo de internamentos em cuidados intensivos foi registado na sexta-feira, 30 de outubro, dia em que 275 pessoas estavam nestas unidades hospitalares com COVID-19.

Das 39 mortes registadas, 23 ocorreram na região Norte, 12 em Lisboa e Vale do Tejo, duas na região Centro, uma no Alentejo e uma no Algarve."

30 de outubro

DGS Boletim 30 de outubro

PORTUGAL: SIC Notícias [14h04] | País com novo máximo: 4656 casos em 24 horas. "A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou no boletim diário desta sexta-feira que há mais 40 mortes e 4656 novos casos de COVID-19 em Portugal.

O número de mortes subiu de 2428 para 2468, mais 40 do que na quinta-feira.

Já o número de infetados subiu de 132 616 para 137 272, mais 4656 casos nas últimas 24 horas.

Portugal regista também um novo máximo de doentes internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) desde o início da pandemia de COVID-19, com 275 pessoas hospitalizadas, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O valor máximo de internamentos em cuidados intensivos foi registado em 7 de abril, dia em que 271 pessoas estavam nestas unidades hospitalares com COVID-19."

29 de outubro

DGS Boletim 29 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h47] | Barreira dos quatro mil casos/dia ultrapassada. "Portugal ultrapassa pela primeira vez os 4 mil casos diários de COVID-19, indica o boletim epidemiológico avançado esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Nas últimas 24 horas foram registados 4224 infeções pelo novo coronavírus e 33 mortes. É o maior número de óbitos desde 24 de abril.

Desde o início da pandemia foram diagnosticados 132 616 casos de COVID-19 e 2428 óbitos.

Nos hospitais portugueses há um total de 1834 pessoas internadas com a COVID-19, são mais 40 em relação ao dia anterior.

Nas unidades de cuidados intensivos (UCI) estão mais sete pacientes, num total de 269, um valor muito perto do máximo de 271 registado na primeira vaga da pandemia.

Portugal tem mais 2490 casos ativos do novo coronavírus, num total de 54 486; e mais 1701 pessoas recuperadas da doença.

Os dados da DGS indicam que, esta quinta-feira, há mais 1969 pessoas em contactos de vigilância. Ao todo são mais de 64 mil.

Numa análise por faixas etárias, o maior aumento de casos aconteceu entre os 20 e 29 anos, com 745 infeções; seguido das pessoas entre os 40-49, com 705 casos. Houve 21 mortes em pessoas com mais de 80 anos, nove entre os 70 e os 79, duas entre os 60 e 69 anos e uma na faixa 50-59."

28 de outubro

DGS Boletim

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h24] | Novo máximo diário de casos de infeção. "Portugal regista esta quarta-feira um novo máximo diário de casos de COVID-19, num total de 3960, e 24 mortes, avança a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia foram diagnosticados 128 392 casos de COVID-19 e 2395 óbitos.

Nos hospitais portugueses estão internados 1792 infetados com o novo coronavírus, são mais 47 em relação ao dia anterior.

Portugal está agora mais perto do número máximo de internados em unidades de cuidados intensivos registados na primeira vaga, que foram 271. Esta quarta-feira, há registo de 262 doentes em UCI, mais nove em comparação com o balanço avançado pela DGS na terça-feira."

27 de outubro

Relatório DGS 27 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h16] | Mais 3299 novos casos de infeção. "Foram registados mais 3299 casos e 28 mortes por COVID-19 em Portugal, indica o boletim epidemiológico divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal contabiliza 2371 óbitos e 124 432 infeções pelo novo coronavírus. Numa análise dos óbitos por faixa etária, nas últimas 24 horas morreram 19 pessoas com mais de 80 anos, sete mortes entre 70-79 anos, uma morte entre 60-69 e uma morte na faixa 50-59 anos.

Há mais 75 pessoas internadas com COVID-19 nos hospitais portugueses, num total de 1747.

Nas últimas 24 horas deram entrada mais 13 doentes em unidades de cuidados intensivos (UCI), que têm agora 253 pacientes com o novo coronavírus.

Esta terça-feira, foram registados mais 883 casos ativos, num total de 49 717; o número de pessoas em vigilância sobe para 60 063 (+432); e 2388 portugueses foram dados como recuperados da COVID-19, indica o mais recente balanço da DGS.

A região Norte volta a registar o maior aumento diário de novos casos: esta terça-feira há mais 2076 infeções e 12 óbitos.

Lisboa e Vale do Tejo tem mais 961 casos e sete óbitos, a região Centro 201 casos e quatro mortes, o Alentejo 12 casos e cinco mortes, há mais 30 infeções no Algarve, 16 na Madeira e três nos Açores."

26 de outubro

Boletim DGS 26 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h08] | Mais 2447 casos de infeção pelo novo coronavírus. "Foram registados mais 2447 casos e 27 mortes por COVID-19 em Portugal nas últimas 24 horas, avança o boletim epidemiológico desta segunda-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde a chegada da pandemia, Portugal tem um total de 2343 óbitos e 121 133 infeções pelo novo coronavírus.

Esta segunda-feira há mais 98 pessoas com COVID-19 internadas nos hospitais portugueses, num total de 1672 pacientes.

Em unidades de cuidados intensivos estão 240 doentes, um aumento de dez em comparação com o dia anterior.

Portugal tem mais 1341 casos ativos de COVID-19, num total de 48 834. Quase 60 mil pessoas estão em vigilância, são mais 882 em relação ao último balanço da DGS.

Um total de 1079 pessoas foram dadas como recuperadas da doença nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, quase 70 mil portugueses ficaram livres da COVID-19.

Por faixa etária, há uma morte entre os 50-59 anos, duas entre 60-69, nove nos 70-79, e 15 em pessoas com mais de 80 anos.
A região Norte é a que regista a maior subida nos casos diários: são mais 1633 infeções e oito mortes."

25 de outubro

DGS Boletim

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h11] | Mais 2577 novos casos de infeção. "Portugal regista este domingo mais 2577 novos casos de infeção por COVID-19 e mais 19 mortes.

Nas mortes ocorridas nas últimas 24 horas, há a registar a de um homem na faixa etária 20-29. Trata-se do terceiro caso mortal neste intervalo, desde o início da pandemia.

Há duas mortes na faixa 70-79, sendo as restantes 16 de pessoas com mais de 80 anos.

Na faixa 20-29 anos, o número de casos ultrapassa, este domingo, a barreira dos 20 mil (20 043), sendo o escalão com maior número de casos.

Dos 2577 novos casos, o Norte tem 1696, o que representa cerca de dois terços do total. A região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) tem cerca de 19% dos novos casos.

Este domingo soma-se ainda o número mais elevado de internamentos desde abril. Há mais 119 pessoas internadas no país, com um total que agora atinge os 1574 internamentos. Destas, há mais nove em unidades de cuidados intensivos, com um total de 230 pessoas em UCI.

Das 19 vítimas mortais, registaram-se 10 no Norte, oito em Lisboa e Vale do Tejo e uma no Alentejo."

Pedro Sánchez

ESPANHA: SIC Notícias [12h08] | Decretado estado de emergência em todo o país. "O Governo espanhol acaba de aprovar em Conselho de Ministros extraordinário um novo estado de emergência.

A decisão vai prolongar-se pelo menos nos próximos seis meses. Passa também a vigorar o recolher obrigatório entre as 23h00 e as 6h00 em todo o país.

Isto acontece depois de várias comunidades autónomas terem pedido ao Governo para avançar com o terceiro estado mais grave, tendo em conta a escalada de novos casos de infeção em Espanha."

24 de outubro

Boletim DGS

PORTUGAL: TVI24 [14h16] | Novo recorde de casos diários. "Portugal regista este sábado mais 3669 infetados e 21 óbitos por COVID-19 nas últimas 24 horas, estabelecendo um novo recorde de casos diários.

De acordo com o relatório de situação divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal contabiliza um total de 116 109 casos confirmados de infeção e 2297 óbitos desde o início da pandemia.

Os dados da DGS referem ainda que há 1455 pessoas internadas devido ao novo coronavírus, mais 37 que no dia anterior."

23 de outubro

Boletim

PORTUGAL: RTP NOTÍCIAS [14h56] | "Portugal com mais 2899 casos e 31 mortos. O boletim epidemiológico desta sexta-feira confirma 2 899 novos casos de Covid-19, mais 31 mortos e 1349 recuperados. 

Desde o início da pandemia, Portugal contabiliza 112 440 casos confirmados, 2 276 óbitos e 65 880 recuperados. Há 44 284 casos ativos, mais 1 519 do que no dia anterior.

O Norte continua a ser a região com um maior aumento diário (1516 novos casos), seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo (918), a região centro (364), Alentejo (53) e Algarve (38). A Madeira registou mais oito novos casos e os Açores dois.

Do total de óbitos, 14 no norte do país, nove em Lisboa, Cinco na região centro, dois no Alentejo e um no Algarve.

Há mais 53 doentes internados e menos dois nos cuidados intensivos. No total, Portugal tem 1418 doentes com Covid-19 internados, dos quais 198 em unidades de cuidados intensivos. 

As autoridades de saúde têm 57 455 pessoas em vigilância, mais 1 646 do que na quinta-feira.

22 de outubro

Boletim DGS

PORTUGAL: TVI24 [15h37] | Mais 3270 novos casos de infeção. "Portugal regista esta quinta-feira mais 3270 casos e 16 óbitos por COVID-19 nas últimas 24 horas, indica o relatório de situação divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

O país ultrapassa, pela primeira vez, mais de 3000 casos em apenas um dia, um novo recorde diário.

No que diz respeito aos casos ativos, há mais 1961 (num total de 42 765), registando-se igualmente mais 1293 doentes recuperados, 64 531 na totalidade.

Quanto aos internamentos, estão hospitalizados 1365 doentes, mais 93 do que ontem, e 200 em cuidados intensivos, mais 13 do que no dia anterior.

Dos 3270 infetados, quase 2000 são na região Norte: regista nesta quinta-feira mais 1954 infetados, num total de 44 875, e 987 óbitos, mais sete do que no dia anterior."

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h28] | "Governo proíbe circulação entre concelhos de 30 de outubro até 3 de novembro." "O Governo proíbe a circulação entre concelhos de 30 de outubro até 3 de novembro, no fim de semana de Finados, foi nesta quinta-feira anunciado. A medida insere-se no combate à pandemia de COVID-19.

'O Conselho de Ministros aprovou a proibição de circulação em diferentes concelhos do território continental no período das 00h00 de 30 de outubro até às 24h00 de 3 de novembro, o fim de semana correspondente ao Dia dos Fiéis Defundos, dia de Finados', afirmou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, no final da reunião do executivo.

'Cada cidadão não pode circular entre concelhos, como aconteceu no passado', revelou a ministra, explicando que a medida entra em vigor entre as 00h00 de 30 de outubro, vigorando até 3 de novembro.

A decisão de limitar a circulação de passageiros surge pouco mais de uma semana após o Conselho de Ministros ter anunciado o regresso do estado de calamidade.

Também vai ser declarado um Dia de Luto Nacional, a 2 de novembro, em honra das vítimas da COVID-19."

21 de outubro

Boletim DGS 21 de outubro COVID-19

PORTUGAL: Lusa [14h20] | Números oficiais do dia. Portugal contabiliza hoje mais 16 mortos relacionados com a COVID-19 e 2535 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o boletim hoje divulgado, desde o início da pandemia de COVID-19, Portugal já contabilizou 106 271 casos confirmados e 2229 óbitos.As autoridades de saúde têm 55 882 pessoas em vigilância, menos 244 do que na terça-feira. A DGS revela ainda que estão ativos 40 804 casos, mais 1179 que na terça-feira.

20 de outubro

DGS Boletim 20 de outubro

PORTUGAL: TVI24 [14h03] | Mais 1876 infetados. "Portugal registou, nesta terça-feira, mais 1876 casos e 15 mortos por COVID-19, de acordo com o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A maioria dos óbitos (seis) ocorreu na região de Lisboa, seguindo-se o Norte, com cinco, e o Centro e o Alentejo, com dois cada.

Desde o início da pandemia já morreram 2213 doentes dos 103 736 infetados até à data.

Nas últimas 24 horas, há mais 63 doentes hospitalizados, para um total de 1237, e mais 11 nos cuidados intensivos (176).

Presentemente, há 39 625 casos ativos de COVID-19, menos 71 que no dia anterior.

Há, ainda, 56 126 pessoas em contactos de vigilância com as autoridades de saúde, mais 701.

O número de recuperações ultrapassa, agora, a barreira dos 60 000, com mais 1932 doentes recuperados da doença, que elevam o total para 61 898."

19 de outubro

Relatório DGS

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h15] | Ultrapassada a barreira dos 100 mil casos. "Há mais 1949 infeções pelo novo coronavírus em Portugal e mais 17 mortes com COVID-19. São os números da Direção-Geral da Saúde relativos às últimas 24 horas e divulgados esta segunda-feira. Com estes números, Portugal ultrapassa a barreira dos cem mil infetados, com 101 860 casos registados desde o início da pandemia no país.

Os dados revelam também mais 966 pessoas dadas como recuperadas.

Os óbitos ocorreram nas regiões do Norte (12), Lisboa e Vale do Tejo (3) e centro (2). Foi também o Norte que registou o maior aumento de novos casos: 987. A região LVT conta mais 749 e a região Centro mais 133.

No Alentejo, foram registados mais 35 doentes com COVID-19, no Algarve mais 32, na Madeira mais 6 e nos Açores mais 7.

Nesta altura, há 1174 pessoas internadas (mais 88 do que no domingo) e 165 em unidades de cuidados intensivos (mais dez). É o maior aumento de internados desde 16 de abril."

18 de outubro

DGS 18 de outubro Relatório

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h01] | Mais 1856 novos casos de infeção. "Há mais 1856 infeções pelo novo coronavírus em Portugal e mais 19 mortes com COVID-19. São os números da Direção-Geral da Saúde relativos às últimas 24 horas e divulgados neste domingo.

Os dados revelam também mais 1081 pessoas dadas como recuperadas, o que faz aumentar em 756 o número de casos ativos no país – agora num total de 38 730.

Os óbitos ocorreram nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo (10) e no Norte (nove). Foi também o Norte que registou o maior aumento de novos casos: 1166. A região LVT conta mais 385 e a região Centro mais 231.

No Alentejo, foram registados mais 35 doentes com COVID-19, no Algarve mais 28, na Madeira mais oito e nos Açores mais um.

Olhando para as faixas etárias, neste domingo foi a que se situa entre os 40 e os 49 anos a mais afetada, com mais 345 casos do que no sábado. Segue-se a faixa 20-29, com mais 316.

Relativamente aos óbitos, cinco ocorreram na faixa 60-69, seis na faixa 70-79 e oito na faixa dos 80 e mais anos.

Nesta altura, há 1086 pessoas internadas (mais 72 do que no sábado) e 155 em unidades de cuidados intensivos (mais sete)."

17 de outubro

DGS 

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h39] | Mais recuperados: quase 2000. "Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registaram mais 2153 novas infeções de COVID-19 e mais 13 óbitos associados à doença. É o que revela o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde (DGS).

Contudo, este sábado regista também um grande número de pessoas dadas como recuperadas: mais 1853 do que na sexta-feira. É o número diário mais alto desde 24 de maio, dia em que foram registados 9844 casos de recuperação. No total, desde que a pandemia chegou ao país, 57 919 pessoas tiveram alta. 

Neste sábado, há também menos uma pessoa internada, mas mais quatro nos cuidados intensivos.

Neste momento, Portugal conta 37 974 casos ativos, dos quais 287 foram acrescentados nas últimas 24 horas.

Do número de novos casos e de óbitos divulgados neste sábado, o Norte é a região mais afetada: tem mais 1124 infeções pelo novo coronavírus e mais seis mortes.

Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT), com mais 781 infeções e cinco óbitos, o Algarve (mais 47 casos e uma morte) e o Alentejo (46 novos casos e uma morte).

A região Centro não registou qualquer aumento nas últimas 24 horas.

Nas regiões autónomas, os Açores registaram sete novos casos e a Madeira três. Nenhum dos arquipélagos têm mais óbitos associados ao novo coronavírus."

16 de outubro

Boletim DGS 16 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h01] | Novo recorde: mais 2608 novos casos de infeção. "Portugal regista mais 2608 casos e 21 mortes por COVID-19 no espaço de um dia, avança esta sexta-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS). Trata-se de um novo máximo, que supera o recorde verificado na quinta-feira.

De acordo com o mais recente boletim epidemiológico, o país contabiliza mais de duas mil infeções pelo terceiro dia consecutivo. Desde a chegada da pandemia no final de fevereiro, Portugal regista 2149 mortes e 95 902 casos da doença.

Há agora um total de 1015 pessoas internadas nos hospitais portugueses, são mais 22 em relação a quinta-feira.

Em unidades de cuidados intensivos estão 144 pessoas com COVID-19, um aumento de cinco em 24 hora, indica a DGS.

Há agora mais 1602 casos ativos da doença, num total de 37 687, indica a Direção-Geral da Saúde.

Em relação aos recuperados, 985 pessoas ficaram livres da COVID-19 no último dia, indica a DGS.

O Norte do país continua a ser a região com mais casos diários (51,7%). Esta quinta-feira tem 1350 novas infeções e dez mortes.

Lisboa e Vale do Tejo regista mais 725 casos de COVID-19 (27,8%) e nove óbitos.

A região Centro regista mais 323 casos, o Alentejo 150, o Algarve 44, Açores quatro e Madeira 12."

15 de outubro

Boletim DGS 15 de outubro

PORTUGAL: TVI24 [14h46] | Mais 2101 novos casos de infeção e 588 recuperados. "Portugal regista mais 2101 casos de COVID-19, um novo máximo diário, e mais 11 mortes pelo novo coronavírus.

A região Norte volta a ser aquela em que um maior número de infetados nas últimas 24 horas foi registado, com mais metade do total do país: 1146 casos para se ser exato.

A seguir, Lisboa e Vale do Tejo com 733, seguindo-se a região Centro com 163 novas infeções. O Alentejo regista 40, o Algarve 13 e as Regiões Autónomas seis: cinco na Madeira, uma nos Açores.

As zonas insulares não registaram qualquer óbito, sendo que, nesse item, Lisboa e Vale do Tejo teve sete das onze verificadas. Norte e Centro tiveram duas cada.

Quanto a recuperados, há mais 588, mas os internamentos continuam a subir: mais 36 pessoas, quatro delas em cuidados intensivos."

14 de outubro

DGS Boletim 14 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h42] | País ultrapassa pela primeira vez a barreira dos 2 mil casos. "Portugal registou nas últimas 24 horas um recorde de 2072 casos de COVID-19 e sete mortes, avança a Direção-Geral da Saúde.

Desde a chegada da pandemia ao país, no final de fevereiro, estão confirmados um total acumulado de 91 193 casos e 2117 óbitos.

Estão internados nos hospitais portugueses 957 doentes com COVID-19, mais 41 em relação ao dia anterior. Há mais três pessoas em unidades de cuidados intensivos, num total de 135.

Portugal tem nesta altura 34 583 casos ativos do novo coronavírus, uma subida de 1619 em relação ao balanço anterior.

Os contactos de vigilância são agora 50 544, mais 253 em comparação com os dados de terça-feira.

Em relação aos doentes recuperados, 446 ficaram livres da doença nas últimas 24 horas.

O Norte é a região com maior aumento de casos nesta quarta-feira: são mais 1001 infeções e três mortes. Lisboa e Vale do Tejo (LVT) tem mais 802 casos e quatro óbitos, seguido da região Centro com 172 casos, do Alentejo com 47, do Algarve com 42, Açores com cinco e Madeira com três.

O recorde diário de casos é registado no dia em que o Governo passou todo o país de situação de contingência para o estado de calamidade.

O Governo aprovou esta quarta-feira oito novas medidas e restrições para conter a pandemia de COVID-19, anuncia o primeiro-ministro, António Costa. Entre elas estão a proibição de ajuntamentos de cinco pessoas, obrigatoriedade do uso da máscara e da app StayAway Covid, restrições aos casamentos e agravamento de coimas para pessoas coletivas."

António Costa

PORTUGAL: SOL [13h29] | Estado de calamidade vai ser ativado em todo o país. "O primeiro-ministro anunciou, esta quarta-feira, que Portugal vai elevar o estado de alerta, em todo o território continental, passado do estado de contingência, atualmente em vigor, para o estado de calamidade.

A decisão foi tomada em sede do Conselho de Ministros. 'Infelizmente, Portugal não é exceção e podemos classificar a evolução da pandemia no nosso país como uma evolução grave', afirmou o primeiro-ministro, António Costa, após a reunião do Governo.

O novo nível de alerta entra em vigor partir das 24 horas desta quarta-feira, com novas medidas mais restritas.

Entre as novas medidas estão a diminuição do número de pessoas permitidas em eventos de natureza familiar, como casamentos e batizados, que passam a ter um máximo de 50 participantes, a proibição de festejos académicos e atividades de carácter não letivo ou científico nas universidades e politécnicos, limitação de ajuntamentos na via pública a cinco pessoas.

O Governo quer impor o uso de máscara na rua (será mesmo apresentada à Assembleia da República uma proposta de lei em que se solicita a imposição da obrigatoriedade do uso de máscara na via pública) assim como a utilização da app Stayaway Covid, em contexto laboral, escolar e académico, nas Forças Armadas e Forças de Segurança e no conjunto da Administração Pública.

O Governo garante ainda um reforço das ações de fiscalização pelas forças de segurança e pela ASAE, quer na via pública quer nos estabelecimentos comerciais."

13 de outubro

Boletim DGS

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h03] | Mais 1208 novos casos de infeção. "O boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) revela que, nas últimas 24 horas, registaram-se mais 16 mortos e 1208 infetados com COVID-19 em Portugal. Há neste momento quase 33 mil casos ativos da doença no país (32 964).

Na leitura destes números, esta terça-feira é o dia que regista maior número de vítimas mortais, desde 20 de maio. O dia com mais mortos por COVID-19, 37, aconteceu no dia 3 de abril.

Destes 16 mortos, 10 registaram-se em Lisboa e Vale do Tejo, um na zona Centro e cinco no Norte. No que diz respeito à distribuição etária, 11 mortes foram acima dos 80 anos, quatro na faixa entre os 70 e os 79 anos e uma entre os 60 e os 69.

O documento refere ainda que estão 916 pessoas internadas nos serviços hospitalares (mais 39 do que ontem), das quais 132 em unidades de cuidados intensivos (mais quatro do que ontem).

Desde o início da pandemia, Portugal registou 89 121 casos da doença, dos quais 2110 acabaram por morrer e 54 047 estão recuperados."

12 de outubro

Boletim DGS 12 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h05] | Mais 1249 novos casos de infeção e 311 recuperados. Portugal regista mais 1249 casos e 14 mortes por COVID-19 nas últimas 24 horas, avança o boletim epidemiológico divulgado esta segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, as autoridades de saúde nacionais confirmaram um total de 2094 óbitos e 87 913 infeções pelo novo coronavírus.

Há nesta segunda-feira 877 pessoas internadas nos hospitais portugueses com COVID-19, mais 34 em comparação com o balanço anterior.

Em unidades de cuidados intensivos estão 128 doentes com o novo coronavírus. São mais quatro em 24 horas, numa altura em que os hospitais portugueses começam a sentir a pressão do aumento do número de casos.

Portugal soma mais 924 casos ativos, num total de 32 321, e há 48 844 pessoas em contactos de vigilância, um aumento de 431.

Em relação aos dados dos recuperados da COVID-19, um total de 311 pessoas ficaram livres da doença nas últimas 24 horas."

11 de outubro

Boletim DGS

PORTUGAL: RTP [13h21] "Portugal com 1090 novos casos e 13 mortes nas últimas 24 horas. Portugal registou, nas últimas 24 horas, mais 1090 casos de infeção pelo novo coronavírus, elevando para 86 664 o total acumulado desde o início da pandemia no país. Foram ainda contabilizados 13 novos óbitos no último dia, para um total de 2080.

Dos novos casos detetados, 625 estão na região Norte, 82 no Centro, 329 em Lisboa e Vale do Tejo, sete no Alentejo, 43 no Algarve e cinco na Madeira.

Foram dadas como recuperadas da doença mais 384 pessoas no último dia, passando o total acumulado para 5 3187.

Há hoje mais 12 pessoas internadas em hospitais do país, num total de 843. Mais duas estão em unidades de cuidados intensivos, elevando para 124 o total."

10 de outubro

Boletim DGS

PORTUGAL: TVI24 [14h18] | Mais 1646 novos casos de infeção, o pior dia desde o início da pandemia. "Portugal regista mais 1646 casos e cinco mortes por COVID-19 nas últimas 24 horas, revela o relatório de situação da Direção-Geral da Saúde divulgado este sábado.

Desde o início da pandemia, em março, este é o maior número de casos de infeção. O segundo maior registo aconteceu a 10 de abril, com 1516, e o segundo mais recentemente, nesta sexta-feira, com 1394 novos casos.

Portugal já registou 2067 mortes e 85 574 casos de infeção, estando hoje ativos 30 704 casos, mais 1002 do que na sexta-feira.

Segundo a DGS, há 831 doentes internados, mais 20 do que no dia anterior, e 122 em cuidados intensivos, menos três do que no boletim da passada sexta-feira.

Em relação aos doentes recuperados, há mais 639, 52 803 no total, e 47 602 contactos em vigilância, menos 119 do que no dia anterior."

9 de outubro

PORTUGAL: Correio da Manhã [13h54] | De 2500 para 19 600 testes. "'Passámos de uma média de 2500 testes por dia em março para 19 600 testes por dia no mês de outubro'", avançou a ministra da Saúde, Marta Temido, sobre a evolução da testagem feita em Portugal desde o início da pandemia. 'No dia 7 de outubro foi batido um novo recorde no número de testes diários, tendo sido reportados 28 392 testes. Desses, quase 8% foram positivos (...) Este é um sinal de alerta', confirmou."

Relatório DGS 9 de outubro

PORTUGAL: TVI24 [13h57] | Mais 1394 novos casos de infeção. "Portugal passou de 82 534 para 83 928 casos de COVID-19 e de 2050 para 2062 mortes, de acordo com os dados desta sexta-feira, do boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Nas últimas 24 horas, os dados oficiais apontam para mais 12 mortes e mais 1394 casos.

É o segundo dia com mais casos desde o início da pandemia em Portugal. Até agora só tinha havido um dia com mais casos: 10 de abril, que tem o recorde de 1516 infetados.

Oito das mortes foram registadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, três no Norte e uma no Centro. Por género, faleceram mais dez mulheres e dois homens.

Dos novos casos, o Norte foi a região que mais ocorrências novas registou: mais 689, correspondentes a 49,4 por cento dos novos casos. Em Lisboa e Vale do Tejo há mais 559 casos, no Centro 96, no Algarve 31, no Alentejo mais 11, na Madeira cinco e nos Açores três.

Há mais 647 pessoas dadas como recuperadas (52 164), mas o número de casos ativos volta a atingir um novo máximo: 29 702.

Há mais dez pessoas internadas (811) e mais dez nos cuidados intensivos (125)."

8 de outubro

Boletim DGS 8 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h17] | "Mais 1278 novos casos de infeção. É o segundo pior dia desde o início da pandemia." "Portugal regista mais dez mortes e 1278 casos de COVID-19 nas últimas 24 horas, indica o boletim epidemiológico divulgado esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

É o segundo dia com maior número de novas infeções desde a chegada da pandemia ao país. Já tinham sido registados 1516 casos positivos, a 10 de abril, mas esse número deveu-se à inclusão de notificações de dias anteriores.

Desde a chegada da pandemia, no final do mês de fevereiro, foram diagnosticadas 82 534 infeções pelo novo coronavírus. O número total de vítimas mortais aumenta para 2050 até esta quinta-feira, avança a DGS.

Nos hospitais portugueses estão internadas 801 pessoas com COVID-19, são mais 37 em comparação com o balanço do dia anterior.

O número de internados nos cuidados intensivos é agora de 115, um aumento de 11 em 24 horas.

Portugal tem mais 788 casos ativos de COVID-19, num total de 28 967.

O boletim desta quarta-feira regista uma subida dos contactos em vigilância. São mais 159 pessoas em comparação com o dia anterior, num total de 46 182.

Em relação aos recuperados, mais 480 pessoas estão agora livres da doença.

Numa análise por regiões, o Norte regista 642 novos casos e cinco mortes, seguido de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) com mais 482 casos e três mortes.

O Centro tem mais 101 casos e duas mortes, o Algarve mais 30 infeções, o Alentejo nove casos, a Madeira mais 10 e os Açores mais quatro."

7 de outubro

Boletim DGS 7 de outubro SL Benfica

PORTUGAL: TVI 24 [15h00] | Números oficiais do dia. Portugal registou, nesta quarta-feira, mais oito mortos e 944 infetados por COVID-19, de acordo com o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Cinco dos óbitos registaram-se em Lisboa e Vale do Tejo e os restantes nas regiões do Norte, Centro e Algarve. A região de Lisboa continua a ser a mais afetada pela doença, com 52% dos novos casos diários (494), seguida do Norte, com 37,8% (356).

O número de internamentos também continua a subir, com mais 32 doentes hospitalizados, elevando o total para 764. Já os doentes em cuidados intensivos mantêm-se os mesmos 104. Neste momento, Portugal tem 28 179 casos ativos, mais 611 que na véspera. Nas últimas 24 horas há mais 325 doentes recuperados, num total de 51 037. Desde o início da pandemia já se registaram 2040 mortos e 81 256 infetados.

6 de outubro

Boletim DGS 6 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h04] | Mais 427 novos casos de infeção e mais 258 recuperados. "Portugal regista mais 14 mortes e 427 casos de COVID-19 nas últimas 24 horas, indica o boletim epidemiológico divulgado esta terça-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país ultrapassa os 80 mil casos confirmados desde a chegada da pandemia. Desde o final do mês de fevereiro, foram diagnosticadas 80 312 infeções pelo novo coronavírus.

O número total de vítimas mortais aumenta para 2032 até esta terça-feira, avança a DGS.

Nos hospitais portugueses estão internadas 732 pessoas com COVID-19, são mais 31 em comparação com o balanço do dia anterior.

Cento e quatro doentes estão em cuidados intensivos, uma redução de duas pessoas nas últimas 24 horas.

Portugal tem mais 155 casos ativos de COVID-19, num total de 27 568, e mais de 46 mil em vigilância, uma subida de 165 desde segunda-feira.

Em relação aos recuperados, mais 258 pessoas estão agora livres da doença.

Numa análise por regiões, o Norte regista um aumento de 231 casos e três mortes, seguida de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) com 131 casos e uma dezena de óbitos."

5 de outubro

Boletim DGS 5 de outubro

PORTUGAL: TVI24 [14h16] | Mais 734 novos casos de infeção e 247 recuperados. "Portugal registou nas últimas 24 horas mais 13 mortos e 734 infetados, de acordo com o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A maior parte dos óbitos (7) ocorreu na região de Lisboa, enquanto os restantes foram contabilizados no Norte (3), Centro (2) e Alentejo (1).

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região mais afetada pela doença, com 48,5% dos novos casos diários (mais 356), logo seguida do Norte, com 40,5% (mais 298).

Desde o início da pandemia, Portugal totaliza 2018 mortes e 79 885 casos positivos, dos quais 27 413 estão ativos, ou seja, mais 474 do que no domingo.

Relativamente ao dia anterior há, ainda, mais 19 doentes internados (701), um dos quais nos cuidados intensivos (106).

O número de doentes recuperados continua a subir, totalizando 50 454 (mais 247)."

4 de outubro

Boletim DGS 4 de outubro

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h14] | Mais 904 novos casos de infeção e 362 recuperados. "Portugal ultrapassou este domingo as duas mil mortes por COVID-19, há agora 2005 óbitos pela doença. Este foi o pior fim de semana desde que a pandemia chegou ao país com quase dois mil novos casos de infeção em dois dias, e 22 mortes.

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registaram mais 904 pessoas infetadas com o novo coronavírus e mais dez óbitos associados à doença.

Trata-se do quarto dia com mais casos de infeções desde a chegada da COVID-19 a Portugal.

O maior aumento ocorreu na região Norte: mais 490 infeções identificadas. Segue-se Lisboa e Vale do Tejo (LVT) (mais 316), o Centro (69), o Algarve (15), o Alentejo (11), os Açores (2) e a Madeira (1). O número de casos ativos também aumentou (mais 532).

Registam-se mais 362 casos recuperados da doença, o maior número desde o dia 23 de julho (quando se registaram 370)."

Boletim DGS 4 de outubro

3 de outubro

Boletim DGS

PORTUGAL: TVI24 [14h38] | Mais 963 novos casos de infeção, o número mais alto desde 31 de março. "Portugal contabiliza este sábado mais 12 óbitos relacionados com a COVID-19 e 963 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este é o número mais alto desde 31 de março, altura em que foram registados 1035 casos e é o terceiro mais elevado desde o início da pandemia.

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 1995 mortes e 78 247 casos de infeção, estando hoje ativos 26 407 casos, mais do 465 que na sexta-feira.

A DGS indica que, das 12 mortes registadas, seis ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde também se verifica o maior número de infeções, três na região Norte, duas na região Centro e uma no Alentejo.

Relativamente aos internamentos hospitalares, o boletim revela que nas últimas 24 horas há menos 14 internados em enfermarias e menos um nos cuidados intensivos relativamente a sexta-feira.

No total, há 668 doentes internados em enfermaria e 106 em Unidades de Cuidados Intensivos, de acordo com o relatório da situação epidemiológica da COVID-19 em Portugal."

2 de outubro

Boletim DGS

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h42] | Mais 888 novos casos de infeção e 422 recuperados. "Portugal registou nas últimas 24 horas mais seis mortes e 888 casos de COVID-19, indica o boletim epidemiológico divulgado esta sexta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde a chegada da pandemia, o país soma um total de 1983 óbitos e 77 284 casos confirmados do novo coronavírus.

O número de doentes internados com COVID-19 nos hospitais portugueses mantém-se em 682. Em cuidados intensivos estão 107 pessoas. É a primeira vez, desde 19 de março, que o número de internados em enfermaria e cuidados intensivos se mantém inalterado de um dia para o outro.

Portugal tem nesta altura 25 942 casos ativos, um aumento de 460 em relação ao último balanço da DGS.

As autoridades de saúde têm um total de 45 613 pessoas em vigilância, são mais 429 no espaço de um dia.

Em relação aos dados dos doentes recuperados, 422 pessoas ficaram livres da COVID-19 nas últimas 24 horas.

Por regiões, Lisboa e Vale do Tejo (LVT) registou mais 381 casos e cinco mortes nas últimas 24 horas, seguida do Norte com 363 infeções e um óbito.

A região Centro tem mais 82 casos, o Alentejo dois, o Algarve 50, enquanto Açores e Madeira têm mais cinco doentes, cada."

1 de outubro

FUTEBOL: Página oficial da FPF [18h00] | "UEFA permite público nos jogos das suas competições." "A UEFA anunciou esta quinta-feira que os jogos das competições de futebol sob a sua alçada vão poder voltar a contar com público nas bancadas. A decisão foi tomada após um teste-piloto bem-sucedido na Supertaça Europeia, disputada em Budapeste, no passado dia 24 de setembro, entre o Bayern de Munique e o Sevilha, que contou com 30% da lotação do estádio preenchida.

Com um limite máximo de 30% da lotação dos estádios, esta permissão está sujeita a aprovação das autoridades de saúde locais/nacionais, sendo que a decisão destas será soberana. Na eventualidade de, no país, estar estabelecido um limite menor da lotação ou a não-aprovação de público nas bancadas, prevalece a decisão das autoridades de saúde nacionais.

Esta lotação será apenas preenchida por adeptos da equipa da casa, de forma a precaver constrangimentos nas viagens e minimizar riscos de propagação da pandemia da COVID-19.

Além destas decisões, o Comité Médico da UEFA elaborou um documento que será entregue às federações e aos clubes e que visa definir os requisitos mínimos a serem implementados para um regresso organizado e seguro dos adeptos aos estádios.

No que diz respeito às competições de futsal, estas ficam, para já, excluídas desta decisão, permanecendo sem público nas bancadas."

Boletim DGS 1 de outubro

PORTUGAL: TVI24 [14h20] | Mais 854 novos casos de infeção. "Portugal registou, esta quinta-feira, mais seis mortes e 854 novos casos de COVID-19. De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), os dados das últimas 24 horas elevam o total de óbitos no país para 1977 e o número de infetados com o novo coronavírus para 76 396, estando hoje ativos 25 482 casos, mais 441 do que na quarta-feira.

A DGS indica que das seis mortes registadas, cinco ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde também se verifica o maior número de infeções, e uma na região Norte.

Relativamente aos internamentos hospitalares, o boletim revela que estão internadas 682 pessoas (mais 16 em relação a quarta-feira). Em cuidados intensivos estão 107 pessoas (mais duas).

O boletim refere ainda que as autoridades de saúde têm em vigilância 45 184 contactos, mais 426 em relação a quarta-feira, e que foram dados como recuperados nas últimas 24 horas 407 doentes."

Ver todas as notícias de setembro aqui.

Ver todas as notícias de agosto aqui.

Ver todas as notícias de julho aqui.

Ver todas as notícias de junho aqui.

Ver todas as notícias de maio aqui.

Ver todas as notícias de abril aqui.

Ver todas as notícias de março aqui.

Texto: Márcia Dores, Filipa Fernandes Garcia, Diogo Nascimento, Sónia Antunes e Marco Rebelo

Fotos: Tuttosport / Corriere dello Sport / The Guardian / Le Figaro / Mundo Deportivo / L'Équipe / AS / La Repubblica / El País / Portugal.gov.pt / UEFA / Twitter Roland Garros / Il Messaggero / Corriere della Sera / Liga Portugal / ACP / COI / Reuters / New York Times / The Telegraph / FIFA / De Telegraaf / Público / Expresso

Última atualização: 19 de janeiro de 2021

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar