8 de agosto de 2020, 15h42

🔴 COVID-19: o que se passa em Portugal e no mundo

Clube

As principais notícias oficiais, desportivas e generalistas sobre o coronavírus nos jornais e sites nacionais e internacionais.

[EM ATUALIZAÇÃO]

A pandemia COVID-19 parou e mudou o mundo desportivo, financeiro e político. Acompanhe aqui EM DIRETO as principais notícias oficiais, desportivas e generalistas do que se passa em Portugal e no mundo.

 

8 de agosto

Boletim DGS 8 de agosto

PORTUGAL: Mais 186 novos casos de infeção e mais 277 recuperados. "A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou este sábado a existência de 1750 mortos e 52 537 casos de COVID-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu de 1746 para 1750, mais 4 do que na sexta-feira (duas na região de Lisboa, uma no Centro e uma no Algarve nas últimas 24 horas).

Já o número de infetados aumentou de 52 351 para 52 537, mais 186.

O relatório mostra uma subida de 277 no número de recuperados, para um total de 38 364 (73,02% dos casos confirmados).

O número de pessoas internadas é de 357, mais uma do que na sexta-feira, e nos cuidados intensivos estão 33 pessoas, menos três em relação ao boletim diário anterior."

7 de agosto

Boletim DGS

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h38] | Mais 290 novos casos de infeção e mais 247 recuperados. "Portugal regista 1746 mortes (mais três que na quinta-feira) e 52 351 casos (mais 290) confirmados de infeção por COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

As três mortes e 208 (71,72%) das novas infeções ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com mais de 26 mil casos confirmados.

O relatório desta sexta-feira, com dados atualizados até às 00h00 de quinta, mostra uma subida de 247 no número de recuperados, para um total de 38 087 (72,75% dos casos confirmados). Após 11 dias consecutivos em queda, o número de casos ativos volta a subir, para 12 518 (mais 40).

A taxa de letalidade mantém-se em 3,3% (15,7% acima dos 70 anos).

Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, em termos cumulativos, pela pandemia, com 26 928 casos (o que representa 51,44% das infeções). Seguem-se Norte (18.952), Centro (4.508), Algarve (911), Alentejo (761), Açores (170) e Madeira (121)."

6 de agosto

Boletim DGS 6 de agosto

PORTUGAL: SIC Notícias [14h19] | Mais 213 novos casos de infeção e mais 275 recuperados. "A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quinta-feira a existência de 1743 mortes e 52 061 casos de COVID-19 em Portugal, desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu de 1740 para 1743, mais 3 do que na quarta-feira. Já o número de infetados aumentou de 51 848 para 52 061, mais 213.

Há 369 doentes internados, 42 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos.

O número de casos recuperados subiu de 37 565 para 37 840, mais 275."

5 de agosto

Boletim DGS 5 de agosto

PORTUGAL: Rádio Renascença [14h30] | Mais 167 novos casos de infeção e mais 247 recuperados. "Portugal regista 1740 mortes (mais uma que na terça-feira) e 51 848 casos (mais 167, um aumento de 0,3%) confirmados de infeção por COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). A única morte e 116 (69,46%) das novas mortes ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com mais de 26 mil casos confirmados.

O relatório desta quarta-feira, com dados atualizados até às 00h00 de terça, mostra uma subida de 247 no número de recuperados, para um total de 37 565 (72,45% dos casos confirmados). O número de casos ativos desce para 12 543 (menos 81).

A taxa de letalidade mantém-se nos 3,4% (15,9% acima dos 70 anos).

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 450 524 casos suspeitos. O relatório revela, ainda, que 1437 casos ainda aguardam os resultados dos testes laboratoriais e mais de 37 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades sanitárias.

Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, em termos cumulativos, pela pandemia, com 26 573 casos (o que representa 51,25% das infeções). Seguem-se Norte (18 854), Centro (4478), Algarve (902), Alentejo (753), Açores (170) e Madeira (118)."

4 de agosto

Boletim DGS 4 de Agosto

PORTUGAL: TVI24 [13h33] | Mais 112 novos casos de infeção e mais 207 recuperados. "Portugal regista mais uma morte e 112 novos casos de COVID-19, segundo o boletim divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O total de óbitos é, agora, de 1739, enquanto o número de casos confirmados subiu para 51 681. O balanço anterior, de segunda-feira, não indicava qualquer vítima mortal.

Foram registados mais 207 casos de recuperação, elevando o total para 37 318. Existem 12 624 casos ativos do novo coronavírus em Portugal.

O número de doentes internados voltou a subir, passando novamente a barreira dos 400. Com mais 11 doentes hospitalizados nas últimas 24 horas, são agora 401 as pessoas que necessitam de cuidados hospitalares. Destas, 44 estão em unidades de cuidados intensivos, mais duas que no balanço anterior."

3 de agosto

Boletim DGS 3 de Agosto

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h21] | "Primeiro dia sem novas mortes desde março." "Portugal não regista quaisquer novas mortes por COVID-19, esta segunda-feira. É a primeira vez que isto acontece desde 17 de março. Ao todo, o registo é de 1738 mortes (as mesmas que no domingo) e 51 569 casos (mais 106, o que supõe um aumento de 0,2%) confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Dos novos diagnósticos, 66 (62,26%) ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com mais de 26 mil casos confirmados.

O relatório desta segunda-feira, com dados atualizados até às 00h00 de domingo, mostra uma subida de 127 no número de recuperados, para um total de 37 111 (71,96% dos casos confirmados). O número de casos ativos desce para 12 720 (menos 21). A taxa de letalidade mantém-se nos 3,4% (15,9% acima dos 70 anos)."

2 de agosto

Boletim DGS

PORTUGAL: TVI24 [12h58] | Mais 153 novos casos de infeção. "Portugal regista hoje mais um morto e 153 novos casos de infeção por COVID-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS).

De acordo com o relatório da situação epidemiológica da DGS, desde o início da pandemia até hoje registaram-se 51 463 casos de infeção confirmados e 1738 mortes.

A região de Lisboa e Vale do Tejo, onde continua a haver mais surtos ativos de COVID-19, totaliza hoje 25 323 casos, mais 92 do que na véspera."

1 de agosto

Boletim DGS 1 de agosto

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h55] | É o sexto dia consecutivo em que o número de casos ativos baixa. "O balanço diário da Direção-Geral da Saúde revela que Portugal regista 1737 óbitos por COVID-19 (mais duas mortes em 24 horas) e 51 310 casos de infeção (mais 238).

Uma das mortes aconteceu em Lisboa e a outra no Alentejo. Ambas as vítimas têm mais de 80 anos.

Até agora, 36 783 pessoas recuperaram da doença (mais 300 nas últimas 24 horas).

Estão internadas 375 pacientes (mais seis do que ontem), dos quais 40 estão nos cuidados intensivos (menos um).

De acordo com o relatório da situação epidemiológica, 164 dos novos casos de infeção são na Grande Lisboa, o que corresponde a 69%.

É o sexto dia consecutivo em que o número de casos ativos baixa (menos 64)."

31 de julho

Bolteim DGS

PORTUGAL: Expresso [15h30] | "O boletim da DGS à lupa: Lisboa continua com a maioria dos novos casos, mas Norte (a subir há seis dias) aproxima-se dos 25%." "Portugal regista 1727 mortes (mais duas que na quarta-feira) e 50 868 casos (mais 255, um aumento de 0,5%) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O número de óbitos é o mais elevado dos últimos 16 dias, desde que a 15 de julho se registaram também oito mortes. Para encontrar um valor superior é necessário recuar a 9 de julho (13). A taxa de crescimento face à véspera é de 0,5%, mas a taxa de letalidade (relação entre o número de infetados e de óbitos) mantém-se nos 3,4%

O boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS), que diz respeito ao que aconteceu na véspera (quinta-feira), dá conta de mais oito mortes, 204 casos de covid-19 e 343 curados em Portugal. Desde o início da pandemia registaram-se no nosso país 1735 vítimas mortais, 51 072 casos confirmados e 36 483 recuperados.

O número de óbitos é o mais elevado dos últimos 16 dias, desde que a 15 de julho se registaram também oito mortes. Para encontrar um valor superior é necessário recuar a 9 de julho (13). A taxa de crescimento face à véspera é de 0,5%, mas a taxa de letalidade (relação entre o número de infetados e de óbitos) mantém-se nos 3,4%.

Há menos 51 novos casos do que na quinta-feira (taxa de crescimento de 0,4%), com o valor desta sexta-feira a ser muito próximo do de quarta-feira (203), já perto do limiar das duas centenas. Ainda assim, é superior à média dos últimos sete dias (197,1).

Os hospitais portugueses têm 381 doentes internados, o número mais baixo desde 9 de junho (394), o último dia em os hospitalizados no país tinham estado abaixo de 400. Nos cuidados intensivos (UCI) estão agora 41 camas ocupadas, menos uma do que na véspera. Portugal volta a aproximar-se da casa das três dezenas de doentes nas UCI, algo que não acontece desde 21 de março (35), no início da pandemia.

O número de recuperados é o mais elevado dos últimos oito dias. O total cresceu 1% face às últimas 24 horas.

Há 128 novas infeções identificadas em Lisboa e Vale do Tejo, o que representa 63% da fotografia do país nas últimas 24 horas. No Norte, que é responsável por 24% desse bolo, há 49 novos casos, o valor mais alto desde 11 de julho (67). Nos últimos seis dias observou-se um aumento dos casos naquela região: 16, 22, 24, 36, 41 e 49.

Na zona Centro registaram-se apenas quatro novos casos, enquanto no Alentejo foram 17, o que, a par de 26 de julho, é o maior aumento das duas últimas semanas. Finalmente, Algarve, Açores e Madeira revelaram cinco, um e zero novos casos, respetivamente."

30 de julho

DGS Boletim 30 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [12h48] | Mais 255 novos casos de infeção e mais 265 recuperados. "Portugal regista 1727 mortes (mais duas que na quarta-feira) e 50 868 casos (mais 255, um aumento de 0,5%) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

As duas mortes e 176 (69,02%) dos novos diagnósticos ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com um total de 25 939 casos confirmados.

O relatório desta quinta-feira, com dados atualizados até às 00h00 de quarta, mostra uma subida de 265 no número de recuperados, para um total de 36 140 (71,05% dos casos confirmados). O número de casos ativos desce para 13 001 (menos 12).

A taxa de letalidade mantém-se nos 3,4%.

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 440 046 casos suspeitos. O relatório revela, ainda, que 1616 casos ainda aguardam os resultados dos testes laboratoriais e mais de 35 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades sanitárias.

Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, em termos cumulativos, pela pandemia, com 25 939 casos (o que representa 50,99% das infeções). Seguem-se Norte (18 626), Centro (4435), Algarve (878), Alentejo (717), Açores (167) e Madeira (106)."

29 de julho

Boletim DGS Covid-19 29 de julho

PORTUGAL: Infarmed [16h30] | SNS já tratou 133 doentes com Remdesivir. O Serviço Nacional de Saúde (SNS) já tratou 133 doentes com COVID-19 com o fármaco Remdesivir desde o início da pandemia do novo coronavírus, anunciou hoje a Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed). Na conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia no país, o presidente do Infarmed, Rui Santos Ivo, lembrou que o fármaco - objeto de uma autorização condicional da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla inglesa) para o tratamento da COVID-19 em adultos e adolescentes com mais de 12 anos com pneumonia e que precisem de oxigénio - está a ser distribuído num programa de "acesso especial".

"Temos conseguido assegurar a disponibilização do medicamento aos doentes para os quais ele tem sido prescrito. Neste momento, foram já tratados com Remdesivir 133 doentes à data de hoje no SNS. Neste âmbito, foi anunciado hoje pela Comissão Europeia que vão ser disponibilizadas quantidades adicionais do medicamento", afirmou.

PORTUGAL: Lusa [14h00] | Números oficiais do dia. Portugal regista hoje mais três mortes e 203 novos casos de infeção por COVID-19 em relação a terça-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registaram-se 50 613 casos de infeção confirmados e 1725 mortes. A região de Lisboa e Vale do Tejo, onde continua a haver mais surtos ativos de COVID-19, totaliza hoje 25 763 casos, mais 146 do que no dia anterior, o que representa 72% dos casos do país.

28 de julho

DGS Boletim 28 de julho

PORTUGAL: SIC Notícias [13h21] | Mais 111 novos casos de infeção e mais 251 recuperados. "A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta terça-feira a existência de 1722 mortes e 50 410 casos de COVID-19 em Portugal, desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu, de ontem para hoje, de 1719 para 1722, mais três em relação a ontem, enquanto o número de infetados aumentou de 50 299 para 50 410, mais 111, o que representa um aumento de 0,2%.

Há 402 doentes internados, menos 12 em relação a ontem; 41 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos, menos quatro face a segunda-feira.

O número de casos recuperados subiu de 35 375 para 35 626, mais 251.

A região de Lisboa e Vale do Tejo, onde há mais surtos ativos, totaliza hoje 25 617 casos, mais 68 do que no dia anterior, ou seja, 61,3% dos novos casos em território nacional.

O aumento de casos diários de hoje é o menor desde 11 de maio, dia em que foram registados 98 novos infetados."

27 de julho

PORTUGAL: TVI24 [18h00] | "Governo admite fim do Estado de Calamidade nas 19 freguesias da Área Metropolitana de Lisboa." "O Governo admitiu, esta segunda-feira, retirar as 19 freguesias nos concelhos de Lisboa, Amadora, Loures, Odivelas e Sintra do Estado de Calamidade e adiantou que as restrições aplicadas nesta zona, nomeadamente nos horários de funcionamento dos estabelecimentos, irão manter-se.

'Não há hoje razões para distinguir estes cinco municípios [Lisboa, Odivelas, Sintra, Amadora e Loures] da restante Área Metropolitana de Lisboa. Isto significa que as medidas devem ser aplicadas de uma forma transversal, intensiva, em toda a Área Metropolitana', afirmou Eduardo Cabrita, no final de uma reunião de acompanhamento da 'estratégia de prevenção e controlo da COVID-19 na Área Metropolitana de Lisboa', com Governo e autarcas.

Sublinhando que não se pode 'baixar a guarda' relativamente à 'vigilância muito intensa' que tem vindo a ser feita, o ministro da Administração Interna remeteu para o Conselho de Ministros de quinta-feira uma decisão final sobre a possibilidade de as 19 freguesias atualmente em situação de calamidade (localizadas nestes cinco concelhos) passarem para a situação de contingência (nível mais reduzido).

'Admitimos que sejam todos eles colocados na situação de contingência, situação que hoje se aplica à Área Metropolitana de Lisboa', salientou.

O ministro da Administração Interna adiantou também que, de qualquer forma, irão manter-se as restrições que neste momento são aplicadas na Área Metropolitana de Lisboa, como o encerramento generalizado dos estabelecimentos comerciais às 20h00 (à exceção dos supermercados, que podem funcionar até às 22h00, e espaços como farmácias), e a manutenção da proibição do consumo de bebidas alcoólicas na via pública."

Relatório DGS 27 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h44] | Mais 135 casos de infeção e 158 recuperados. "Portugal regista 1719 mortes (mais duas que no domingo) e 50 299 casos (mais 135, um aumento de 0,3%) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Este é o segundo melhor dia, em termos do número de novos casos, desde 11 de maio. Contudo, a tendência de decréscimo à segunda-feira não é recente e pode ser explicada pela redução no número de testes realizados durante o fim de semana. Apenas um em cada quatro laboratórios referenciados pela DGS fazem testes de COVID-19 ao domingo.

As duas mortes e 101 (74,81%) dos novos diagnósticos ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com um total de 25 549 casos confirmados.

O relatório desta segunda-feira, com dados atualizados até às 00h00 de domingo, mostra uma subida de 158 no número de recuperados, para um total de 35 375 (70,33% dos casos confirmados). O número de casos ativos desce para 13 205 (menos 25). A taxa de letalidade mantém-se nos 3,4% (16% acima dos 70 anos).

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 433 461 casos suspeitos. O relatório revela, ainda, que 1397 casos ainda aguardam os resultados dos testes laboratoriais e mais de 35 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades sanitárias.

Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, em termos cumulativos, pela pandemia, com 25 549 casos (o que representa 50,79% das infeções). Seguem-se Norte (18 525), Centro (4411), Algarve (853), Alentejo (691), Açores (165) e Madeira (105)."

26 de julho

PORTUGAL: RTP 1 [13h40] | Números oficiais do dia. Portugal regista hoje mais uma morte e 209 novos casos de infeção por COVID-19 relativamente a sábado, ultrapassando a barreira das 50 mil infeções desde o início da pandemia, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o boletim epidemiológico da DGS, Portugal tem agora 50 164 casos confirmados de COVID-19 desde o início da pandemia e 1717 mortes. Lisboa e Vale do Tejo, onde tem havido mais surtos ativos, soma mais 155 infetados do que na véspera, e mais um morto, o único registado no país em 24 horas.

Boletim DGS

25 de julho

Boletim DGS 25 de julho

PORTUGAL: SIC Notícias [13h05] | Mais 263 novos infetados. "A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou este sábado a existência de 1716 mortes e 49 955 casos de COVID-19 em Portugal, desde o início da pandemia. O número de óbitos subiu, de ontem para hoje, de 1712 para 1716, mais quatro em relação a sexta-feira, enquanto o número de infetados aumentou de 49 692 para 49 955, mais 263. Lisboa e Vale do Tejo, onde tem havido mais surtos ativos, soma hoje 25 293 casos, mais 183 infetados do que na véspera."

24 de julho

Boletim DGS 24 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [15h40] | Mais 313 casos de infeção e mais 318 recuperados. "Portugal regista 1712 mortes (mais sete que na quinta-feira) e 49 692 casos (mais 313, o que supõe um aumento de 0,6%) confirmados de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O relatório desta sexta-feira, com dados atualizados até às 00h00 de quinta, mostra uma subida de 318 no número de recuperados, para um total de 34 687. O número de casos ativos desce para 13 293 (menos 12). Do total de novos infetados, 81% registam-se na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT). A taxa de letalidade desce, também, para os 3,4%. Dos sete óbitos, nas últimas 24 horas, seis ocorreram em LVT e um no Alentejo.

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 429 254 casos suspeitos. O relatório revela, ainda, que 1544 casos ainda aguardam os resultados dos testes laboratoriais e mais de 34 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades sanitárias.

Em conferência de Imprensa, a ministra da Saúde adiantou que 4114 profissionais estão infetados como o novo coronavírus e 3463 já recuperaram da doença. Há, ainda, registo de 198 surtos ativos no País: 40 região Norte, 13 no Centro, 127 em LVT, com destaque para o surto de Tomar relacionado com indústria de retalho de carne, 5 no Alentejo e 13 Algarve."

23 de julho

Boletim DGS 23 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h47] | Mais 229 novos casos de infeção e mais 370 recuperados. "Portugal regista 1705 mortes (mais três que na quarta-feira) e 49 379 casos (mais 229, o que supõe um aumento de 0,5%) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Duas das mortes e 172 (75%) dos novos diagnósticos ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com um total de 24 857 casos confirmados.

O relatório desta quinta-feira, com dados atualizados até às 00h00 de quarta, revela uma subida de 370 no número de recuperados, para um total de 34 369. O número de casos ativos desce, assim, para 13 305 (menos 144). A taxa de letalidade mantém-se nos 3,5%."

22 de julho

PORTUGAL: Plataforma Media | Quase 1,5 milhões de testes feitos desde o início da pandemia. "Portugal já realizou 1,48 milhões de testes à COVID-19, revelou hoje a secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira, na conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia no país.

A governante salientou que se 'mantém a capacidade de realização de testes', com uma 'tendência ascendente' em julho face a junho, registando este mês uma média diária de 13 670 provas. Simultaneamente, Jamila Madeira enfatizou a importância do alargamento da rede laboratorial de 20 para 98 laboratórios em julho, com presença em todo o território.

'Este alargamento da capacidade laboratorial tem sido determinante na resposta eficaz à pandemia e será ainda este ano substancialmente reforçada com o novo investimento, conforme previsto no Programa de Estabilização Económica e Social e acomodado no Orçamento Suplementar', frisou."

MUNDO: TSF [18h24] | "OMS avisa que vacinas só deverão surgir na segunda metade de 2021." "O responsável pelo programa de Emergências Sanitárias da Organização Mundial de Saúde afirmou esta quarta-feira que não haverá vacinas para a COVID-19 antes da segunda metade de 2021, apesar de 'sinais de esperança' nos testes clínicos a decorrer.

Numa sessão de perguntas e respostas através da Internet, Michael Ryan afirmou que é preciso 'realismo nas expectativas' em relação a uma vacina e que terão que ser tomadas 'todas as precauções' para garantir que é absolutamente segura.

'De forma realista, não teremos pessoas a serem vacinadas até à segunda metade do próximo ano', afirmou, notando que se assiste a um número crescente de vacinas a passarem à chamada fase três dos testes e a serem experimentadas em voluntários humanos.

Na iniciativa da Organização Mundial de Saúde para garantir o desenvolvimento e acesso equitativo a uma vacina, a que aderiram a maior parte dos países do mundo, cerca de meia dezena de potenciais vacinas 'não fracassaram até agora' e cumpriram nos requisitos de segurança e criação de resposta imunitária.

Michael Ryan pediu também realismo nas expectativas sobre a eficácia de uma vacina, que nunca será total: 'Adoraria poder dizer que vamos ter uma vacina e em dois ou três meses este vírus desaparecerá, mas isso não é realista.'

'É importante fazermos o que pudermos agora. É mais fácil vencer um adversário se já o tivermos cansado', ilustrou.

'Estamos a ver sinais de esperança. Mas em vacinas, por mais depressa que nos esforcemos para as ter, teremos que garantir que são seguras e eficazes e isso levará tempo. Estamos a acelerar, mas não vamos facilitar no que toca à segurança', garantiu."

Boletim DGS 22 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [15h45] | Mais 252 casos de infeção e mais 230 recuperados. "Portugal regista 1702 mortes (mais cinco do que na terça-feira) e 49 150 casos (mais 252, o que supõe um aumento de 0,5% e representa quase o dobro de novos casos da véspera, 127) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Quatro das mortes e 215 (85,32%) dos novos diagnósticos ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com um total de 24 685 casos confirmados.

O relatório desta quarta-feira, com dados atualizados até às 00h00 de terça, mostra uma subida de 230 no número de recuperados, para um total de 33 999 (69,17% dos casos confirmados). O número de casos ativos sobe para 13 449 (mais 17). A taxa de letalidade mantém-se nos 3,5%.

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 425 124 casos suspeitos. O relatório revela, ainda, que 1606 casos ainda aguardam os resultados dos testes laboratoriais e mais de 35 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades sanitárias.

Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, em termos cumulativos, pela pandemia, com 24 685 casos (o que representa 50,22% das infeções). Seguem-se Norte (18 390), Centro (4379), Algarve (796), Alentejo (796), Açores (159) e Madeira (102)."

21 de julho

Boletim Covid-19

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h21] | Mais 127 novos casos de infeção. "É o segundo dia consecutivo com o número de novos infetados abaixo dos 150, depois de ter estado sempre na casa dos 300 na semana passada. Portugal regista, nesta terça-feira, mais seis mortes e 127 novos casos de infeção por COVID-19 em relação a segunda-feira.

Segundo os dados do boletim epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde (DGS), a região de Lisboa e Vale do Tejo conta com 101 das novas infeções. É nesta zona que existem mais casos ativos: 24 470. No total do país, são 13 432 os casos ativos.

Portugal soma agora 48 898 casos de infeção com o novo coronavírus e 1697 mortes desde o início da pandemia. Estão hospitalizadas 439 pessoas, 62 das quais nos cuidados intensivos."

20 de julho

MUNDO: SIC Notícias [16h40] | "Vacina de Oxford desencadeia resposta imune e produz anticorpos que podem combater o coronavírus". A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford parece segura e para já ainda não provocou efeitos secundários nos voluntários. Os dados mais recentes divulgados sobre a vacina contra o novo coronavírus, desenvolvida pela Universidade de Oxford, são promissores. Apesar de ainda ser cedo para se conhecer a real eficácia da vacina, os primeiros resultados indicam que parece segura, desencadeia uma resposta imune e produz anticorpos que podem combater o vírus.

Bola de Ouro 2020 Futebol

MUNDO: France Football [16h00] | "Não haverá Bola de Ouro em 2020". O galardão não sera atribuído este ano, pelo facto da pandemia da COVID-19 ter interrompido e interferido com a temporada de futebol, anunciou hoje a revista francesa responsável pelo prémio. "Não foi uma decisão tomada de ânimo leve, mas tivemos que aceitar que não poderia haver um vencedor de Bola de Ouro normal ou típico, e o que realmente nos preocupava era que não seria premiado de maneira justa", disse o editor da France Football, Pascal Ferre.

ESTADOS UNIDOS: Diário de Notícias [15h20] | "Se todos usarem máscara, a transmissão do vírus sera interrompida". Quando a pandemia chegou, as autoridades de saúde disseram que não - que não era necessário usar máscaras. Mas, em poucas semanas, tudo mudou e hoje, um pouco por todo o mundo, a mensagem passou a ser a inversa: é mesmo necessário usar máscara. Agora, parece quase consensual ser obrigatório recorrer a máscaras faciais se o objetivo for proteger a economia, reabrir as escolas e salvar dezenas de milhares de vidas. "Se todos nós usarmos máscaras faciais nas próximas quatro, seis, oito, 12 semanas em todo o país, a transmissão do vírus será interrompida", disse Robert Redfield, diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) norte-americano.

PORTUGAL: CMTV [15h00] | "Portugal quer adquirir doses de vacina contra coronavírus quando solução estiver disponível". O Governo português já manifestou interesse em adquirir doses de uma eventual vacina contra o novo coronavírus, mas apenas quando estiver disponível, informou hoje a ministra da Saúde, alertando que é prematuro ter mais do que expectativas. "Já sinalizámos o nosso interesse em adquirir para o nosso país, quantidades adequadas a uma eventual vacinação nos critérios que venham a ser definidos quando uma nova vacina vier a aparecer", afirmou Marta Temido, durante a habitual conferência de imprensa sobre a pandemia da COVID-19 em Portugal.

Boletim DGS 18 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h52] | Mais 135 novos casos de infeção e mais 178 pessoas recuperadas. "Portugal regista dois óbitos e 135 novos casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas. No que toca ao número de pessoas dadas como recuperadas, são 178 desde domingo.

Os dados são divulgados nesta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), segundo o qual o número de casos ativos é agora 13 533 (56% dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo).

A região LVT é também a que volta a abranger a maior parte dos novos casos: 80%, ou seja, 108 doentes desde domingo.

A região Norte regista 18 novos casos, o Centro do país mais quatro e o Alentejo mais cinco. Algarve, Açores e Madeira não registam qualquer novo caso nas últimas 24 horas.

No total, e desde que a pandemia chegou, o país soma 1691 vítimas mortais da COVID-19, 48 771 casos confirmados e 33 547 recuperados.

Marta Temido, ministra da Saúde, considera que os números desta segunda-feira são 'encorajadores', ainda que 'representativos do que costuma ser o reporte às segundas-feiras', normalmente com números mais baixos face aos restantes dias."

19 de julho

NIGÉRIA: Observador [17h44] | "Ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria infetado com COVID-19." "Geoffrey Onyeama, o Ministro do Negócios Estrangeiros da Nigéria, testou positivo à COVID-19. A informação foi avançada pelo próprio através de uma publicação do Twitter. Na partilha, Onyeama escreveu: 'Ontem fiz o meu quarto teste do COVID-19 ao primeiro sinal de irritação na garganta e, infelizmente, desta vez voltou positivo. É a vida! Ganhamos algumas vezes, perdemos outras. Estou a ir para o isolamento numa unidade de saúde e rezo pelo melhor'."

ITÁLIA: Jornal de Notícias [17h15] | "Região de Lazio em Itália admite novo confinamento." "Itália registou mais três mortes por COVID-19 nas últimas 24 horas, numa altura em que as autoridades da região de Lazio, onde fica a capital, Roma, ponderam impor o confinamento se houver mais surtos de infeção.

As mortes anunciadas este domingo elevam para 35.045 o número total de óbitos resultantes da pandemia, desde que o estado de emergência foi decretado em Itália, a 21 de fevereiro, indicou a proteção civil local."

HONG KONG: RTP [17h15] | "Número de novos casos dispara em Hong Kong." "Em Hong Kong o número de novos casos de COVID-19 disparou. A chefe do executivo, Carrie Lam, já veio dizer que a situação é crítica. Foram registadas 100 novas infeções por covid-19 nas últimas 24 horas e Carrie Lam anunciou novas medidas."

MUNDO: Lusa [14h45] | "COVID-19: Pandemia já provocou mais de 601 mil mortes e 14,3 milhões de infetados." "A pandemia de COVID-19 já provocou 601.822 mortos em todo o mundo, entre cerca de 14,3 milhões de casos, segundo um balanço da agência France Presse (AFP) baseado em dados oficiais.

Até ao meio-dia de hoje (hora de Lisboa), 14.303.420 casos de infeção tinham sido oficialmente diagnosticados em 196 países desde o início da epidemia, dos quais 7.810.200 estão considerados curados."

ÁFRICA: Correio da Manhã [14h27] | "África supera 700 mil casos de Covid-19 e regista quase 15 mil mortos." "África superou este domingo a barreira dos 700 mil infetados por COVID-19 e regista 14.937 mortos, mais 538 casos que na sexta-feira, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número de casos positivos subiu para 701.573 (mais 37.522, nas últimas 48 horas), enquanto mais 23.799 pessoas foram consideradas curadas, totalizando hoje 369.120 o número de recuperações."

Boletim DGS Covid-19

PORTUGAL: CMTV [12h53] | Números oficiais do dia. Portugal regista 1689 mortes, segundo os dados disponibilizados no boletim epidemiológico da DGS. São assim mais cinco vítimas mortais do que ontem. Há agora 48 636 casos confirmados (mais 246 casos do que no sábado) de infeção com COVID-19. Os recuperados ascendem a 33 369

18 de julho

Boletim DGS 18 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h23] | Mais 313 casos, 77% em Lisboa e Vale do Tejo. "Portugal regista 1684 mortes (mais duas que na sexta-feira) e 48 390 casos (mais 313) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

As duas mortes e 241 (76,99%) dos novos diagnósticos ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com um total de 24 047 casos confirmados.
O relatório deste sábado, com dados atualizados até às 00h00 de sexta-feira, mostra uma subida de 363 no número de recuperados, para um total de 33 153 (68,20% dos casos confirmados). O número de casos ativos desce para 13 553. A taxa de letalidade mantém-se nos 3,5%.

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 417 996 casos suspeitos. O relatório revela, ainda, que 1 617 casos (menos 118) ainda aguardam os resultados dos testes laboratoriais e mais de 35 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades sanitárias.

Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, em termos cumulativos, pela pandemia, com 24 047 casos (o que representa 49,69% das infeções). Seguem-se Norte (18 328), Centro (4354), Algarve (780), Alentejo (627), Açores (153) e Madeira (101)."

17 de julho

PORTUGAL: TSF [17h21] | "Há 206 surtos ativos de COVID-19 no País." "Portugal contabiliza atualmente um total de 206 surtos ativos de COVID-19, anunciou esta sexta-feira a ministra da Saúde, Marta Temido, na conferência de imprensa regular sobre a evolução da pandemia no país.

'Há a referir que temos 41 surtos ativos no Norte, 13 no Centro, 134 em Lisboa e Vale do Tejo, cinco no Alentejo e 13 no Algarve. Esta é, genericamente, a caracterização da situação epidemiológica do país', afirmou a governante, na apresentação do boletim diário das autoridades sanitárias, num somatório que perfaz um total de 206 surtos ativos.

De acordo com Marta Temido, observou-se também uma evolução positiva ao nível dos doentes hospitalizados com o novo coronavírus, bem como os que internados que necessitam de cuidados intensivos.

'Resulta ainda do boletim que os utentes que estão hospitalizados são 447, menos 29 do que ontem, o que é um bom indicador. Destes, 67 estão nos cuidados intensivos, menos cinco do que ontem [quinta-feira]', explicou, esclarecendo que a região de Lisboa e Vale do Tejo concentra 385 do total de 447 internados, ou seja, 86%, e que 302 (68%) estão em hospitais dos cinco concelhos mais vigiados na evolução da doença: Lisboa, Amadora, Sintra, Loures e Odivelas."

DGS Boletim 17 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [15h17] | "Mais 312 casos de infeção e 314 recuperados." "Portugal regista 1682 mortes (mais três que na quinta-feira) e 48 077 casos (mais 312, um aumento de 0,7%) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Duas das mortes e 236 (75,64%) dos novos diagnósticos ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com um total de 23 806 casos confirmados.

O relatório desta sexta-feira, com dados atualizados até às 00h00 de quinta, mostra uma subida de 314 no número de recuperados, para um total de 32 790 (68,20% dos casos confirmados). O número de casos ativos desce para 13 605 (menos cinco). A taxa de letalidade mantém-se nos 3,5%.

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 415 851 casos suspeitos. O relatório revela, ainda, que 1735 casos (mais 193) ainda aguardam os resultados dos testes laboratoriais e mais de 35 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades sanitárias.

Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, em termos cumulativos, pela pandemia, com 23 806 casos (o que representa 49,52% das infeções). Seguem-se Norte (18 293), Centro (4340), Algarve (764), Alentejo (623), Açores (152) e Madeira (99)."

16 de julho

ESPANHA: TSF [18h27] | "Novo máximo de contágios diários desde fim do estado de emergência." "Espanha contabilizou 580 novos casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, o que representa um novo máximo diário desde o fim do estado de emergência naquele país, em junho passado, foi hoje divulgado. Segundo os dados disponibilizados pelas autoridades espanholas, este número diário representa um aumento de 190 casos em relação a quarta-feira. Dos 580 novos casos de infeção, 266 foram diagnosticados em Aragão e 142 na Catalunha.

Os números globais do país, desde o início da pandemia, apontam para 258 855 casos de infeção. Nos últimos sete dias foram contabilizadas nove mortes associadas à doença COVID-19.

Em termos totais, e desde o início da pandemia, Espanha regista 28 416 vítimas mortais (com testes positivos à COVID-19), mais três óbitos em comparação aos dados fornecidos na quarta-feira pelo Ministério da Saúde espanhol.

O fim do estado de emergência em Espanha aconteceu no passado dia 21 de junho, depois de três meses de medidas drásticas para controlar a pandemia."

PORTUGAL: SIC Notícias [16h42] | "Mais de 500 contraordenações registadas nos primeiros 14 dias de novas regras." "A PSP e a GNR registaram 504 contraordenações nos primeiros 14 dias do novo regime no âmbito da pandemia de COVID-19 e detiveram 27 pessoas por desobediência às ordens policiais, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna.

Em comunicado, o Ministério da Administração Interna (MAI) precisa que os 504 autos foram registados pela Guarda Nacional Republicana e Polícia de Segurança Pública entre as 00h00 de 1 de julho e as 23h59 de 14 de julho no âmbito do regime de contraordenações aplicável ao incumprimento dos deveres estabelecidos por declaração da situação de alerta, contingência ou calamidade devido à COVID-19.

O MAI destaca 252 contraordenações por consumo de bebidas alcoólicas na via pública, 72 por incumprimento das regras de ocupação nos locais abertos ao público, 56 por falta de máscara nos estabelecimentos, salas de espetáculos ou edifícios públicos e 42 por incumprimento dos horários de funcionamento dos estabelecimentos, bem como 34 pelo não uso de máscara nos transportes públicos e 28 por violação das regras de aglomeração de pessoas.

O MAI indica também que, no mesmo período, foram encerrados 70 estabelecimentos e suspensa a atividade a outros 23 pelo incumprimento das regras de funcionamento, nomeadamente ao nível da possibilidade de abertura ao público, horário de funcionamento ou regras de permanência no espaço reservado a clientes."

Boletim DGS 16 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h44] | Mais 339 novos casos de infeção nas últimas 24 horas... e 366 recuperados. "Portugal regista 1679 mortes (mais três que na quarta-feira) e 47 765 casos (mais 339, um crescimento de 0,7%) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

As três mortes e 274 (80,83%) dos novos diagnósticos ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com um total de 23 570 casos confirmados.

O relatório desta quinta-feira, com dados atualizados até às 00h00 de quarta, mostra uma subida de 366 no número de recuperados, para um total de 32 476 (67,99% dos casos confirmados). O número de casos ativos desce para 13 610 (menos 30). A taxa de letalidade mantém-se nos 3,5%."

JOGOS OLÍMPICOS: RTP [11h49] | "Organização rejeita Tóquio 2020 sem público." "O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), o alemão Thomas Bach, considerou esta quinta-feira que a realização à porta fechada dos Jogos Tóquio 2020, adiados para 2021, 'é, claramente, algo que não é desejado' pelo organismo.

Thomas Bach adiantou que 'vários cenários' estão a ser ponderados, embora a segurança seja a preocupação principal dos organizadores de Tóquio2020, reagendados para o período entre 23 de julho a 8 de agosto de 2021, devido à pandemia de COVID-19.

'Uns Jogos Olímpicos sem público e com recintos vazios (algo muito comum no desporto hoje em dia) é, claramente, algo que não é desejado por nós', adiantou Thomas Bach, que falava numa videoconferência em que fez o ponto de situação sobre Tóquio 2020.

Thomas Bach referiu que o COI e o comité organizador estão a trabalhar no sentido de que os Jogos Olímpicos, por um lado, salvaguardem a saúde de todos os participantes e, por outro, possam refletir condignamente o espírito olímpico.

O presidente do COI e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, advertiram ainda que será difícil adiar Tóquio 2020 para além de 2021, naquele que seria um cenário de pesadelo, por serem os primeiros Jogos Olímpicos anulados em tempo de paz.

'A prioridade é a segurança de todos os participantes. É por isso que estamos a trabalhar em vários cenários para organizar os Jogos, dependendo da situação de saúde, que não sabemos como será dentro de um ano', disse Thomas Bach."

15 de julho

ESPANHA: El Mundo [18h25] | "Novas infeções por COVID-19 aumentam para 390, o número mais alto desde 22 de maio." "Os números atualizados pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira registam outro forte aumento, com 390 novos casos de coronavírus, em comparação com 263 na terça-feira e 164 na segunda-feira. É necessário voltar a 22 de maio, quando o estado de alarme ainda estava em vigor, para encontrar nas estatísticas oficiais dados tão altos num único dia. O número de mortes nas últimas horas permanece estável em comparação com os últimos dias. Quatro novas mortes foram relatadas (havia três na terça-feira), então já existem 28 413 pessoas que perderam a vida devido ao coronavírus desde o início da pandemia."

EUROPA: TSF [16h35] | "’Não é altura de baixar a guarda’ à COVID-19." "A comissária europeia da Saúde defende ‘prevenção e vigilância’ para preparar os próximos passos, numa altura em que ‘os Estados estão a reportar surtos’. A pensar no ‘outono e no inverno’, a comissária da Saúde, Stella Kyriakides avisou esta quarta-feira para os riscos que seria ‘baixar a guarda’ numa altura em que o vírus ganha força um pouco por toda a Europa. Para a comissária, nesta fase, prevenção e vigilância são ‘fundamentais’."

PORTUGAL: Observador [16h31] | Marcelo Rebelo de Sousa deixa alerta."Depois de o primeiro-ministro ter dito que o país não aguenta um novo confinamento, Marcelo Rebelo de Sousa diz que além da importância de olhar para o futuro, é necessário ‘continuar com os pés na terra’ para que não haja desleixo com a situação atual que o país vive. ‘É preciso olhar para o futuro e preparar o futuro sabendo que, como ele [primeiro-ministro] disse que é muito difícil voltar a repetir o confinamento, portanto tem que se encontrar fórmulas de se antecipar e substituir uma solução radical, prevenindo essa segunda onda. Não podemos é deixar de ter os pés na terra e ter cuidado com esta onda que existe, estabilizou, mas existe. Não vão as pessoas dizer que se vão preocupar com o que se vai passar e desleixar-se com o que se passa agora’, destacou o Presidente da República."

DGS Boletim 15 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h24] | 375 novos casos em 24 horas. "A Direção-Geral da Saúde regista, nas últimas 24 horas, mais oito mortos e mais 375 novos casos de COVID-19. Três das oito vítimas mortais e 77% dos novos casos registaram-se na zona de Lisboa e Vale do Tejo.

A DGS regista ainda mais 560 recuperados, o que significa que nesta altura há 13 640 casos ativos. Desde o início da pandemia, as autoridades de saúde registam até ao momento 47 426 casos positivos de COVID-19, dos quais 1676 morreram e 32 110 recuperaram. A taxa de letalidade mantém-se nos 3,5%."

PORTUGAL: TVI24 [12h19] | "País não aguenta novo confinamento e inverno tem de ser preparado já." "O primeiro-ministro considerou esta quarta-feira que o País não aguenta um novo período de confinamento por causa da COVID-19 e avisou que o tempo é 'curtíssimo' para a sociedade se preparar para o próximo inverno.

Esta advertência foi deixada por António Costa no discurso que encerrou a apresentação do programa Simplex 20-21, no Pavilhão do Conhecimento, no Parque das Nações, em Lisboa, durante uma sessão em que estiveram presentes dez ministros do atual Governo.

'Há uma coisa que sabemos: não podemos voltar a repetir o confinamento que tivemos de impor durante o período do estado de emergência e nas semanas seguintes, porque a sociedade, as famílias e as pessoas não suportarão passar de novo pelo mesmo', declarou António Costa.

Perante uma segunda vaga da pandemia de COVID-19, o líder executivo disse que o trabalho de adaptação da sociedade 'tem de ser feito agora, porque ainda há algum tempo de distância para evitar o pior' no próximo outono e inverno.

'O tempo é curtíssimo, se calhar não conseguimos fazer tudo, mas temos mesmo de arregaçar as mangas e fazer o máximo possível para assegurar a continuidade do funcionamento da sociedade, designadamente das escolas, das empresas e dos serviços da administração pública, mesmo numa condição tão ou mais adversa como aquela que vivemos em março. Temos de acelerar este processo', reforçou António Costa.

António Costa frisou que a ciência não assegura que no próximo outono ou inverno não se vivam momentos 'tão ou mais difíceis como aqueles que se viveram no início de março em matéria de pandemia da COVID-19'.

'Nada nos dizendo a ciência, só sabemos que a nossa intuição nos diz que no inverno há habitualmente menor imunidade. Não é por acaso que no inverno há mais doentes do que no verão, há mais gripes do que no verão. Devemos desejar o melhor, mas temos de nos preparar para o pior com o que já sabemos hoje', insistiu.

O primeiro-ministro reconheceu que a sociedade, em geral, está agora mais disciplinada, com 'máscaras, gel desinfetante, etiqueta respiratória ou distanciamento físico'."

14 de julho

Boletim DGS

PORTUGAL: SIC Notícias [15h43] | Mais 233 novos casos. "A Direção-Geral da Saúde anunciou esta terça-feira a existência de um total de 1668 mortes e 47 051 casos de COVID-19 em Portugal desde o início da pandemia. São mais seis vítimas mortais e mais 233 novos casos de infeção nas últimas 24 horas.

Lisboa continua a ser a região que mais preocupa as autoridades de saúde, uma vez que há mais 143 infetados, ou seja, 61% dos novos casos registados em todo o país. O Norte tem mais 22 casos, o Algarve 17 e o Alentejo 10. O número de doentes internados subiu para 472, mais cinco do que na segunda-feira. Nos cuidados intensivos estão 69 pessoas, mais seis do que no dia anterior. Neste momento, já recuperaram da doença 31 550 pessoas."

INGLATERRA: TVI24 [9h40] | Uso de máscaras obrigatório em lojas e supermercados em Inglaterra. "O uso de máscaras dentro de lojas e supermercados vai passar a ser obrigatório em Inglaterra a partir de 24 de julho para reduzir o risco de agravamento da pandemia de COVID-19, anunciou o governo britânico.

Os infratores serão multados em até 100 libras esterlinas (110 euros), o mesmo valor da penalização para os passageiros que não usem máscara no transporte público, onde o uso de máscaras ou proteções para a cara já é obrigatório desde 15 de junho.

Até agora, o uso de máscara em espaços públicos fechados era apenas recomendado em Inglaterra.

'Há indícios crescentes de que usar uma máscara num espaço fechado ajuda a proteger contra o coronavírus', afirmou um porta-voz do primeiro-ministro, Boris Johnson.

O uso de máscara nas lojas já é obrigatório na Escócia e em vários países europeus, mas o governo britânico tem hesitado em impor a sua utilização.

O País de Gales anunciou que as máscaras vão ser obrigatórias nos transportes públicos a partir de 27 de julho, mas não estendeu a medida aos restantes espaços fechados."

13 de julho

PORTUGAL: SIC Notícias [19h44] | Situação de calamidade prolongada em 19 freguesias da Grande Lisboa. "O Governo vai manter todas as restrições na região da Grande Lisboa por mais 15 dias. As 19 freguesias vão manter-se em situação de calamidade e a Área Metropolitana fica em contingência. O Executivo esteve esta segunda-feira à tarde reunido com os cinco autarcas dos cinco concelhos mais afetados pela COVID-19.

Segundo Mariana Vieira da Silva, que falava em conferência de imprensa em Lisboa, a medida foi tomada depois de serem ouvidos os presidentes dos municípios de Lisboa, Sintra, Loures, Amadora e Odivelas (todos no distrito de Lisboa), nos quais se localizam as 19 freguesias mais afetadas.

'Em todos estes cinco concelhos, nos últimos sete dias, pode-se verificar uma tendência decrescente dos novos casos. Esta é uma tendência que importa consolidar e não estamos em condições de ficar descansados, ela carece de um forte acompanhamento', afirmou a ministra da Presidência.

A esse propósito, a governante referiu que a incidência de novos casos por cada 100 mil habitantes nesses concelhos desceu dos 154 para os 121.

Com a manutenção destas situações, em vigor desde 1 de julho, permanecem em vigor as restrições associadas, como a obrigação de encerramento da generalidade dos estabelecimentos comerciais às 20h00, a proibição de venda de álcool nas estações de serviços e a limitação de ajuntamentos até 10 pessoas na Área Metropolitana de Lisboa e de cinco pessoas naquelas 19 freguesias.

A situação de calamidade abrange: freguesia de Santa Clara (Lisboa); seis freguesias de Sintra (uniões de freguesias de Queluz e Belas, Massamá e Monte Abraão, Cacém e São Marcos, Agualva e Mira Sintra, Algueirão-Mem Martins e a freguesia de Rio de Mouro); duas freguesias de Loures (uniões de freguesias de Sacavém e Prior Velho, e de Camarate, Unhos e Apelação); quatro em Odivelas (Odivelas e as uniões de freguesias de Pontinha e Famões, Póvoa de Santo Adrião e Olival Basto, e Ramada e Caneças); seis na Amadora (Alfragide, Águas Livres, Encosta do Sol, Mina de Água, Venteira e União de Freguesias de Falagueira e Venda Nova)."

Boletim DGS 13 de julho

PORTUGAL: Rádio Renascença [12h55] | Mais 306 casos, 83% em Lisboa e Vale do Tejo. "Portugal regista 1662 mortes (mais duas) e 46 818 casos (mais 306, o que supõe um aumento de 0,7%) confirmados de infeção com COVID-19, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. Uma das mortes e 254 dos diagnósticos (83,01%) ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é, neste momento, o epicentro da pandemia em Portugal, com um total de 22 865 casos confirmados.

O relatório desta segunda-feira, com dados atualizados até às 00h00 de domingo, mostra uma subida de 158 no número de recuperados, para um total de 31 065 (66,35% dos casos confirmados). O número de casos ativos sobe para 14 091 (mais 146). A taxa de letalidade desce para 3,5% (16,1% acima dos 70 anos).

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 406 412 casos suspeitos. O relatório revela, ainda, que 1291 casos ainda aguardam os resultados dos testes laboratoriais e mais de 34 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades sanitárias. Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada, em termos cumulativos, pela pandemia, com 22 865 casos (o que representa 48,84% das infeções). Seguem-se Norte (18 142), Centro (4276), Algarve (708), Alentejo (576), Açores (152) e Madeira (99)."

12 de julho

PERU: El País [18h46] | "Peru, rumo à nova normalidade." "As autoridades do Peru continuam a tomar medidas em direção à nova normalidade após a quarentena para controlar a expansão da COVID-19 com a publicação dos protocolos de viagens e voos à escala nacional, bem como o regresso das visitas a museus."

Tedros Adhanom Ghebreyesus

MUNDO: Organização Mundial de Saúde [18h36] | Novo máximo de casos em 24 horas. A Organização Mundial de Saúde tem feito vários alertas sobre a pandemia do novo coronavírus, sublinhando que a mesma ainda não está ultrapassada. Neste domingo, a OMS revelou que foi ultrapassado um novo máximo de novos casos no mundo: 230 370, deixando para trás os 228 186 de 10 de julho.

REINO UNIDO: The Telegraph [17h00] | Mais 21 mortos e 650 novos casos. "Os números mais recentes de coronavírus em todo o Reino Unido foram divulgados: 21 mortes adicionais e 650 casos foram relatados. O Departamento de Saúde e Assistência Social (DHSC) informou que 44 819 pessoas morreram depois de testarem positivo para coronavírus, mais 21 em relação às 44 798 do dia anterior. O DHSC também disse que, no período de 24 horas, houve mais 650 casos confirmados. No total, foram confirmados 289 603 casos."

ITÁLIA: Corriere della Sera [16h47] | Novos casos e mortos sobem ligeiramente."Em Itália, desde o início da epidemia de coronavírus, 243 061 pessoas (mais 234 em relação a ontem e acima dos 188 de há dois dias) contraíram o vírus Sars-CoV-2. Destes, 34 954 morreram (mais nove em 24 horas; ontem haviam sido sete) e 194 928 (mais 349 em 24 horas). Atualmente, os casos positivos são 13 179 (menos 124 em 24 horas). Existem 776 pacientes hospitalizados com sintomas (menos 50), dos quais 68 estão em terapia intensiva."

ESTADOS UNIDOS: L’Equipe [15h59] | MLS: DC United-Toronto FC adiado após jogadores testarem positivo. "O jogo do Campeonato Norte-Americano de Futebol (MLS) entre o DC United e o Toronto FC, agendado para este domingo, foi adiado devido a dois casos suspeitos de coronavírus em jogadores, disse a liga. Os resultados dos testes de sábado para ambas as equipas mostraram o primeiro teste positivo de um jogador, que ainda não foi confirmado, e outro caso suspeito. O adiamento dessa partida é o mais recente golpe que afeta a MLS, que regressou nesta semana após quatro meses de paralisação devido à pandemia."

ÍNDIA: The Times of Índia [15h31] | Novo máximo diário de casos. A Índia registou 28 637 casos de coronavírus, um novo máximo obtido em 24 horas. O país tem 849 533 infetados, 22 674 óbitos e 534 621 doentes recuperados.

Boletim DGS

PORTUGAL: Observador [13h34] | "Mais 291 novos casos e seis óbitos nas últimas 24 horas." "Nas últimas 24 horas, registaram-se seis mortes e 291 novos casos de COVID-19. Os números são avançados no boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde (DGS) deste domingo. Portugal contabiliza 46 512 casos confirmados de infeção e 1660 óbitos desde o início da pandemia. Dos novos casos, 226 são na região de Lisboa e Vale do Tejo, o que representa 78 por cento do total de novos casos registados nas últimas 24 horas. De acordo com o boletim deste domingo, há 462 pessoas internadas em Portugal, mais três casos do que ontem. Destes casos de internamento, há 64 em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI), menos quatro pessoas do que este sábado. 30 907 recuperaram da COVID-19 desde o início da pandemia. Nas últimas 24 horas, registaram-se mais 252 casos de recuperação."

ÁFRICA: Lusa [13h02] | Continente africano está perto dos 13 mil mortos."O número de mortos em África devido à COVID-19 subiu hoje para 12 988, mais 232 nas últimas 24 horas, em quase 578 mil casos, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia no continente. De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número de infetados subiu para 577 904, mais 18 891 nas últimas 24 horas, enquanto o número de recuperados é hoje de 287 011, mais 13 129."

MUNDO: France-Presse [12h04] | Cerca de 13 milhões de infetados. Um estudo desenvolvido para a agência de notícias France-Presse revelou que, ao final da manhã deste domingo, havia 12 741 273 casos detetados desde o início da pandemia e 565 363 pessoas faleceram devido à COVID-19.

TAILÂNDIA: Bangkok Post [05h32] | Tailândia quer testar vacina em humanos antes do fim de 2020."Uma vacina contra a COVID-19 entrará em testes clínicos em outubro, depois de ter demonstrado e produzido altos níveis de anticorpos entre os primatas. O ministro de Pesquisa e Inovação em Ciências do Ensino Superior, Suvit Maesincee, citou um relatório de investigadores do centro de pesquisa de vacinas da Universidade Chulalongkorn e do Conselho Nacional de Pesquisa da Tailândia (NRCT), que trabalham no projeto há meses. Os investigadores descobriram que a vacina produziu níveis ‘muito bons’ de anticorpos, o que levou à decisão de iniciar testes em humanos em outubro."

ESTADOS UNIDOS: Universidade Johns Hopkins | Novo máximo de casos diários. Os Estados Unidos da América registaram 66 261 casos de coronavírus em 24 horas, o novo máximo diário no país, segundo a Universidade Johns Hopkins. Os Estados Unidos, o país mais fustigado pela pandemia, conta com 3 248 220 casos detetados, 134 817 mortes e 995 576 recuperados.

11 de julho

ITÁLIA: La Repubblica [17h05] | "Boletim de 11 de julho: 188 novos positivos e 7 mortes." "A Itália registou, nas últimas 24 horas, mais 188 casos de Covid-19 e sete mortos. O número de novas infeções e de óbitos é inferior ao de ontem — na sexta-feira houve 276 novos casos e 12 mortes. As regiões que registaram um maior aumento de novos casos são a Lombardia (mais 67 novas infeções), a Emilia-Romagna (mais 47 novos casos), a Lazio (mais 19 casos) e o Veneto (mais 10 casos)."

ÁFRICA: Observador [15h43] | "Número de mortos em África sobe para 12.756." "O número de mortos em África devido à Covid-19 subiu para 12.756, mais 313 nas últimas 24 horas, em cerca de 559 mil casos, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia no continente. De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número de infetados subiu para 559.013, mais 17.632 nas últimas 24 horas, enquanto o número de recuperados é hoje de 273.882, mais 9161."

MUNDO: Agence France Presse [15h30] | "Pelo menos 560 mil mortos e mais de 12,5 milhões de infetados".A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 560 425 pessoas e infetou mais de 12,5 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais. De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa até às 11:00 de Lisboa, mais de 12 522 050 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, no final do ano passado na cidade chinesa de Wuhan, dos quais pelo menos 6 688 300 foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Boletim Covid-19 11 de julho

PORTUGAL: Lusa [14h30] | Números oficiais do dia. Portugal regista hoje mais oito mortes por COVID-19 e mais 342 casos confirmados em relação a sexta-feira, segundo dados da Direção-Geral de Saúde (DGS). De acordo com o boletim epidemiológico diário da DGS, há 46 221 casos confirmados e o número de mortes provocadas pela COVID-19 atinge os 1654. O aumento do número de mortes foi de 0,5% (passou de 1646 para 1654) e o aumento do número de infetados foi de 0,7% (de 45 879 para 46 221), com a incorporação no boletim de hoje de 200 casos que ainda não tinham sido incluídos. Todos os mortos das últimas 24 horas se verificaram na região de Lisboa e Vale do Tejo, enquanto o número de casos nesta região aumentou para 22 385, mais 2,1% que na sexta-feira.

10 de julho

MUNDO: RTP [17h52] | Aumento recorde do número de casos em 24 horas. "Organização Mundial de Saúde diz que nas últimas 24 horas foram registados 228 102 casos do novo coronavírus, o maior aumento de sempre em um dia. O maior crescimento aconteceu nos EUA, Brasil, Índia e África do Sul. A OMS regista ainda que diariamente estão a morrer 5 mil pessoas de COVID-19."

ESPANHA: TVI24 [17h10] Mais 92 casos do que na quinta-feira. "Espanha registou 333 novos casos de pessoas infetadas com a COVID-19 nas últimas 24 horas, mais 92 do que na quinta-feira, mas o número diário de mortes baixou para duas, segundo o Ministério da Saúde espanhol. O relatório divulgado hoje com a atualização da situação epidemiológica no país atualizou o total de pessoas infetadas desde o início da doença para 253 908, dos quais 333 diagnosticados nas últimas 24 horas. A comunidade da Catalunha é a região com mais novos casos (81), seguida de Aragão (68), da Andaluzia (32), de Navarra (26) e da Estremadura (25)."

PORTUGAL: SIC Notícias [15h47] | Estar entre os países a evitar "é uma injustiça", sustenta o primeiro-ministro. "António Costa diz que as negociações com a Comissão Europeia têm corrido melhor no combate à pandemia do novo coronavírus do que na gestão das fronteiras. 'Há uma área em que a União Europeia tem falhado por não haver um critério uniforme relativamente às fronteiras internas, o que depois gera discrepâncias extraordinárias e até casos de pura retaliação. Há países que foram colocados recentemente em listas vermelhas, não porque tenham uma grande incidência da COVID-19, mas porque tinham colocado outros em listas vermelhas.'

Perante a situação, Costa apela ao bom senso e ao diálogo, deixando ainda um aviso às autoridades europeias: 'Se começarmos todos a retaliar uns aos outros, vamos todos estar rapidamente em listas vermelhas.'

O primeiro-ministro considera injusto que Portugal continue a ser colocado nas listas de países a evitar e diz que se tem de evitar entrar em retaliação."

Boletim DGS 10 de julho

PORTUGAL: Público [15h18] | "Mais duas mortes e 402 casos de infeção em Portugal." "Portugal regista esta sexta-feira mais duas mortes (mais 0,1%) e 402 casos de infeção pelo novo coronavírus, o que representa um aumento de 0,9% relativamente ao dia anterior. Dos novos casos, 342 (85%) foram identificados na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Estão internadas 471 pessoas, menos 16 do que na quinta-feira. Há 66 doentes internados em unidades de cuidados intensivos, menos sete do que no dia anterior. Já foram dadas como recuperadas 30.350 pessoas, das quais 301 nas últimas 24 horas. Neste momento há 13.683 casos activos, número que resulta da subtração dos recuperados e dos óbitos ao total de infeções."

PORTUGAL: Expresso [12h38] | Primeiro-ministro "assume que situação nos lares é 'preocupante', mas que 'no resto do país é tranquila'". "O primeiro-ministro, António Costa, está hoje a visitar Loures, um dos concelhos mais afetados pelo surto na área metropolitana de Lisboa. Em declarações aos jornalistas, frisou que a situação pandémica do país tem diferentes cambiantes. A situação nos lares é 'preocupante', admitiu, mas 'no resto do país é tranquila'. 'Sempre dissemos que o risco de contágio necessariamente aumentaria' com o desconfinamento, recordou, acrescentando que 'é prematuro estar a aligeirar medidas'. Na quarta-feira, Costa já tinha preparado as 19 freguesias da Grande Lisboa em estado de calamidade para pelo menos mais 15 dias nessa situação. Após uma reunião com o presidente da Câmara de Loures, Costa prometeu para a próxima segunda-feira 'uma avaliação global' dos concelhos mais afetados pela pandemia de COVID-19."

PORTUGAL: RTP [9h25] | "País considerado 'seguro' para a Champions." "Em declarações à Lusa, a dias de participar numa iniciativa ibérica sobre o impacto da pandemia no sector do turismo, Maurizio Barbeschi, conselheiro do diretor executivo para as Emergências Sanitárias da Organização Mundial de Saúde, diz que não conhece o dossiê que fundamentou a escolha de Portugal para acolher a final a oito da Liga dos Campeões de futebol, agendada para agosto. Porém, realça, tem a certeza de que Portugal 'não foi escolhido por acaso', mas porque 'tem um sistema de saúde forte' e 'foi um dos países que melhor lidaram' com a pandemia, que já causou mais de 500 mil mortos e infetou mais de 12 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

'[Portugal] Não foi escolhido pela qualidade das infraestruturas ou pela tradição futebolística, mas por tudo o que rodeia o campo de futebol', que goza de 'elevada consideração' internacional, destaca. 'Se acrescentarmos o sistema público, a consciência do protocolo, as medidas de verificação e mitigação, tudo isso fundamentou a decisão de considerar que a escolha de Portugal era a que mais minimizava os riscos', considera.

Sobre o risco sanitário associado à realização da final de futebol, o conselheiro responde: 'Não sei qual será a situação no final de agosto para todas as equipas que vão participar.' Sendo certo que 'a pandemia ainda estará presente' na Europa e em Portugal, também é verdade que as equipas finalistas 'vão viajar com atenção especial' e 'já estão a tomar medidas para minimizar os seus próprios riscos', realça. 'As equipas serão uma espécie de bolhas, movendo-se em simultâneo, em direção a Portugal, e isso é muito bom', porque Portugal apresenta garantias, destaca."

9 de julho

MUNDO: SIC Notícias [15h47] | "OMS avisa que pandemia 'não está controlada, está a piorar'." "A Organização Mundial de Saúde (OMS) avisa que o novo coronavírus não está sob controlo na maior parte do mundo. O diretor-geral da OMS afirma que a pandemia continua a crescer. Tedros Adhanom Ghebreyesus diz também que a maioria dos países ainda não encontrou forma de a controlar e gerir. Para o representante, a pandemia evidenciou as desigualdades entre países, sobretudo a nível social e dos sistemas de saúde. A OMS anuncia ainda que vai criar um comité independente para avaliar a resposta à pandemia."

Boletim DGS

PORTUGAL: Rádio Renascença [13h36] | Mais 418 novos casos... e ultrapassada a fasquia dos 30 mil recuperados. "Desde o início de junho que não morria tanta gente com COVID-19 num só dia em Portugal. De acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde, nas últimas 24 horas, morreram 13 pessoas com a doença. Os 13 óbitos registaram-se todos em Lisboa e Vale do Tejo. Há também registo de mais 418 novos casos, sendo que 78,5% são em Lisboa e Vale do Tejo. De acordo com os dados do boletim diário da DGS, Portugal já ultrapassou a fasquia dos 30 mil casos recuperados (30 049). Há, neste momento, 13 584 casos ativos. Ainda segundo os dados da DGS, há agora 487 pessoas internadas, 73 das quais em unidades de cuidados intensivos."

8 de julho

António Costa

PORTUGAL: Observador [18h07] | "19 freguesias vão manter estado de calamidade, diz Costa." "Vai manter-se o estado de calamidade para as 19 freguesias que desde o dia 1 de julho estão neste estado de exceção. A garantia foi dada pelo primeiro-ministro António Costa que disse ‘não antecipar’ que esta situação possa ser alterada a 15 de julho, prevendo que se mantenha."

PORTUGAL: Lusa [18h02] | "DGS rejeita cerca sanitária em Reguengos ou qualquer outra zona de Portugal." "A diretora-geral da Saúde rejeitou hoje a imposição de uma cerca sanitária em torno de Reguengos de Monsaraz ou em qualquer outra região do país, afirmando que o surto de COVID-19 num lar de idosos daquele município alentejano está circunscrito. Em conferência de imprensa no Ministério da Saúde, Graça Freitas afirmou que o que está a acontecer em Reguengos de Monsaraz, onde há 133 casos ativos e morreram já 15 pessoas a partir do surto detetado a 18 de junho, ‘foi um foco da doença que teve origem num lar, está circunscrito, está a ser vigiado e acompanhado’."

ESTADOS UNIDOS: Universidade Johns Hopkins [17h58] | Ultrapassada a barreira dos 3 milhões de infetados. A Universidade Johns Hopkins atualizou os números da COVID-19 nos Estados Unidos da América. O país ultrapassou os 3 milhões de infetados (3 016 515). Há 131 666 mortes e 936 476 recuperados nos Estados Unidos.

ESCÓCIA: The Scotsman [17h50] | Escócia divulga países cujos viajantes escoceses não necessitam de quarentena no regresso. Portugal não está na lista. "As pessoas que moram na Escócia podem viajar para 39 países a partir de 10 de julho, sem precisar ficar em quarentena por 14 dias no regresso. Em conferência de Imprensa Nicola Sturgeon revelou o nome dos países e rejeitou alguns nomes presentes na lista do Governo do Reino Unido. Entre os 39 países não estão, por exemplo, Portugal e Espanha."

BÉLGICA: Brussels Times [16h49] | Viajantes provenientes de Portugal têm de fazer teste ou quarentena. "O Ministério dos Negócios Estrangeiros atualizou a lista de países onde os cidadãos belgas podem viajar e em que condições. Entre a lista de 31 países da UE (que inclui a zona Schengen, o Reino Unido e a União Europeia), 20 são codificados como ‘verde’, sete como ‘laranja’ e quatro ainda estão inacessíveis.

Os belgas podem viajar para a Áustria, França, Alemanha, Hungria, Itália, Luxemburgo, Letónia, Croácia, Holanda, Polónia, Roménia, Eslováquia, Suécia, Suíça, Liechtenstein, Lituânia, Estónia, Bulgária, República Checa e Eslovênia sem condições especiais. Sete países ‘laranja’ ainda impõem restrições aos belgas. São Chipre, Dinamarca, Grécia, Reino Unido, Islândia, Portugal e Espanha."

PORTUGAL: Público [16h11] | "Detetado foco no Hospital de São José." "A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, confirmou que foi detetado um foco de COVID-19 no Hospital de São José, em Lisboa. ‘Estão a fazer-se testes e foram retirados doentes das áreas consideradas afetadas’, afirmou Graça Freitas durante a conferência de imprensa, destacando que ‘ainda é precoce dizer qual o número de casos’."

Boletim DGS

PORTUGAL: SIC Notícias [14h43] | Mais 443 novos casos. "Portugal regista esta quarta-feira mais dois óbitos por COVID-19, em relação a terça-feira, e mais 443 casos de infeção confirmados, dos quais 327 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico diário, o total de óbitos por COVID-19 desde o início da pandemia é agora de 1631 e o total de casos confirmados é de 44 859.

A DGS regista 512 internamentos (mais um face a ontem) e 74 doentes nos cuidados intensivos (menos dois em relação a terça-feira). Lisboa e Vale do Tejo, com um total de 21 256 infetados, permanece como a região onde se regista o maior número de novos casos, com mais 207 nas últimas 24 horas."

PORTUGAL: Jornal da Madeira [14h36] | "Parques infantis reabrem a partir de 18 de julho." "O Conselho do Governo, reunido em plenário, decidiu autorizar a reabertura e utilização de parques infantis na Região Autónoma da Madeira, a partir do dia 18 de julho. Na resolução hoje aprovada, o Governo Regional definiu ainda que a retoma da utilização de parques infantis deve realizar-se no cumprimento, nomeadamente, de certas regras e condições."

7 de julho

MUNDO: Expresso/Lusa [18h33] | "OMS admite transmissão pelo ar e pede que se evitem espaços fechados." "Depois de um grupo de 239 cientistas ter alertado para essa possibilidade numa carta aberta, hoje em conferência de imprensa virtual, a partir da sede da organização em Genebra, Benedetta Allegranzi, especialista da Organização Mundial de Saúde (OMS) em prevenção e controlo de infeções, disse que há novas provas sobre a matéria e que é preciso estar atento para perceber as implicações e precauções a serem tomadas.

'A transmissão pelo ar é uma das formas de transmissão, é importante adotar medidas para evitar essa transmissão. Daremos mais informação assim que estiver disponível', disse também Maria Van Kerkhove, epidemiologista e uma das responsáveis na OMS pela luta contra a pandemia do novo coronavírus, que provoca a doença COVID-19.

Benedetta Allegranzi salientou que é preciso entender o comportamento do vírus nessa forma de transmissão e sugeriu que se evitem espaços fechados com aglomeração de pessoas, recomendando 'ventilação adequada' e o uso de máscara caso não seja possível essa ventilação."

Boletim DGS 7 de julho

PORTUGAL: SIC Notícias [14h10] | Mais 287 novos casos. "Portugal registou esta terça-feira mais nove óbitos por COVID-19, em relação a segunda-feira, e mais 287 casos de infeção confirmados [207 na região de Lisboa e Vale do Tejo], segundo os dados da Direção-Geral da Saúde hoje divulgados. Há ainda mais 279 recuperados no País. De acordo com o boletim epidemiológico diário, o total de óbitos por COVID-19 desde o início da pandemia é agora de 1629 e o total de casos confirmados é de 44 416. Contudo, o boletim volta a referir que há 200 casos ainda por incluir no total na Região de Lisboa e Vale do Tejo, referentes a testes realizados por um laboratório privado que em três dias da semana passada não os registou no sistema para o efeito, estando a sua distribuição ainda a ser analisada pelas autoridades de saúde."

6 de julho

Boletim DGS

PORTUGAL: SIC Notícias [13h13] | Mais 232 novos casos e mais 149 recuperados. "Portugal regista esta segunda-feira mais seis óbitos por COVID-19, em relação a domingo, e mais 232 casos de infeção confirmados, dos quais 195 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral da Saúde hoje divulgados. De acordo com o boletim epidemiológico diário, o total de óbitos por COVID-19 desde o início da pandemia é agora de 1620 e o total de casos confirmados é de 44 129. Em termos percentuais, aumento do número de óbitos foi 0,4%, (passou de 1614 para 1620) e o aumento do número de infetados foi de 0,5%, (de 43 897 para 44 129). A DGS regista ainda mais nove internamentos nas últimas 24 horas, passando para 513 doentes, e mais um nos cuidados intensivos, onde estão agora 74 pessoas.

Lisboa e Vale do Tejo, com um total de 20 722 infetados, permanece como a região onde se regista o maior número de novos casos, com mais 195 nas últimas 24 horas. Contudo, o boletim volta a referir que há 200 casos ainda por incluir no total na Região de Lisboa e Vale do Tejo, referentes a testes realizados por um laboratório privado que em três dias da semana passada não os registou no sistema para o efeito, estando a sua distribuição ainda a ser analisada pelas autoridades de saúde.

As autoridades de saúde mantêm sob vigilância 31 485 contactos de pessoas infetadas e há 1182 pessoas que aguardam resultados laboratoriais. O número de doentes dados como recuperados também registou um aumento, havendo hoje mais 149 pessoas recuperadas, registando-se agora um total de 29 166 casos nessa situação."

5 de julho

REINO UNIDO: The Sun [19h20] | "22 mortes e 516 novos casos". O Reino Unido registou mais 22 mortes associadas à COVID-19 nas últimas 24 horas, elevando para 44 220 o número de óbitos desde o início da pandemia, e 516 novos casos de infeção pelo novo coronavírus. De acordo com a informação divulgada hoje pelas autoridades sanitárias britânicas, citadas pela agência espanhola Efe, o número de novos óbitos é inferior ao dos dias anteriores, com 137 na sexta-feira e 67 no sábado, um dia depois de os bares e restaurantes terem reaberto.

ÁUSTRIA: La Gazzetta dello Sport [19h00] | Formula 1 regressou com novas regras sanitárias. "A FIA estabeleceu um protocolo de saúde muito rigoroso para o reinício dos Grandes Prémios em 2020, com a ajuda do painel de especialistas médicos liderado por Gérard Salliant, com o objetivo de reduzir o risco de contágio para quase zero. Nas corridas deste ano haverá realmente testes à COVID-19 a cada cinco dias para todas as pessoas que têm acesso ao circuito. Os pilotos, claro, mas também os mecânicos e engenheiros das equipas, os funcionários da pista e outros profissionais, incluindo jornalistas."

ITÁLIA: La Repubblica [18h00] | "Sete mortos e 192 novos casos nas últimas 24 horas". Itália registou hoje sete mortes associadas à COVID-19 e viu o número de novos casos descer para menos de 200, o que acontece pela primeira vez em três dias, informou a Proteção Civil. Nas últimas 24 horas, foram comunicados 192 novos contágios, mas as autoridades indicaram que foram feitos apenas 37 mil testes, quando habitualmente se realizam cerca de 70 mil. O número de mortes associadas à COVID-19 em Itália subiu agora para 34 861 desde fevereiro, num total de 241 611 casos.

PORTUGAL: RTP [17h25] | "Ciclismo está de volta com prova de reabertura". O ciclismo português voltou este domingo à atividade competitiva, após meses de paragem devido à pandemia de COVID-19, com um contrarrelógio individual em Sangalhos, Anadia, que junta equipas nacionais a alguns dos melhores atletas lusos do pelotão internacional. Com 22 quilómetros, a Prova de Reabertura serve, ao mesmo tempo, como regresso à competição e como prova pontuável para a Taça de Portugal, reunindo cerca de 100 corredores de equipas portuguesas de elite e sub-23 e alguns nomes internacionais.

CABO VERDE: TVI 24 [15h45] | "Confirmada a 17.ª morte e mais 31 novos casos". As autoridades de saúde cabo-verdianas confirmaram hoje a 17.ª vítima mortal associada à COVID-19 no arquipélago, além de mais 31 novos infetados nas últimas 24 horas, elevando o acumulado de casos a 1451, desde 19 de março.

PORTUGAL: TVI 24 [15h00] | Números oficiais do dia. Portugal regista hoje mais nove óbitos por COVID-19, em relação a sábado, e mais 328 casos de infeção confirmados, dos quais 254 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) hoje divulgados. De acordo com o boletim epidemiológico diário o total de óbitos por COVID-19 desde o início da pandemia é agora de 1614 e o total de casos confirmados é de 43 897 infetados.

ESPANHA: ABC [14h30] | "Novo passo atrás em Espanha". Depois de a região da Catalunha ter confinado cerca de 200 mil pessoas em torno da cidade de Lérida, é a vez da Galiza decretar novas medidas de restrição contra a doença COVID-19. A região espanhola decretou este domingo o confinamento de cerca de 70 mil pessoas perto da cidade de Lugo. A medida tem como objetivo evitar a propagação do contágio depois de ter surgido um surto com mais de 100 casos na cidade de A Mariña. As medidas vão estar em vigor durante cinco dias, mas os autarcas admitem prolongar as restrições.

MUNDO: Agence France Presse [14h00] | "Mais de 530 mil mortes e quase 11,3 milhões de infetados". A pandemia da COVID-19 já provocou pelo menos 530 865 mortes em todo o mundo e quase 11,3 milhões de infetados, segundo um balanço da AFP a partir de dados oficiais até às 11:00 de hoje. Mais de 11 296 470 casos de infeção pelo novo coronavírus foram diagnosticados em 196 países e territórios desde o início da pandemia, dos quais, pelo menos, 5 895 500 estão já recuperados.

4 de julho

Boletim DGS

PORTUGAL: SIC Notícias [14h33] | Mais 413 novos casos... e 348 recuperados. "A Direção-Geral da Saúde anunciou este sábado a existência de 1605 mortes e 43 569 casos de COVID-19 em Portugal desde o início da pandemia. O número de óbitos subiu, de sexta-feira para sábado, de 1598 para 1605, mais 7 em relação a ontem, enquanto o número de infetados aumentou de 43 156 para 43 569, mais 413. O número de casos recuperados subiu de 28 424 para 28 772, mais 348."

3 de julho

Boletim DGS 3 de julho

PORTUGAL: Diário de Notícias [19h59] | "Portugal com mais 374 casos nas últimas 24 horas." "Portugal registou mais 374 casos por coronavírus e mais 11 mortes nas últimas 24 horas, segundo o boletim Epidemiológico divulgado esta sexta-feira, 3 de julho, pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Ao todo, o nosso país tem 43 156 pessoas infetadas e 1598 vítimas mortais devido à COVID-19.

Destes 374 novos casos, 300 são atribuídos à zona de Lisboa e Vale do Tejo, onde, disse esta sexta-feira a ministra da Saúde, Marta Temido, há 7129 casos ativos. A taxa global de letalidade em Portugal é de 3,7% e sobe para 16,2% quando se analisa a faixa etária acima dos 60 anos.

2 de julho

PORTUGAL: TVI 24 [18h00] | "Prolongado prazo para entrega da declaração e pagamento do IVA". As empresas vão ter mais dias para submeter a declaração do IVA e para pagar o imposto dos meses de maio e junho e do trimestre terminado em junho, segundo um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. Assim, as empresas que estão enquadradas no regime mensal do IVA têm até 17 de julho para submeter a declaração periódica do imposto referente ao mês de maio de 2020. O prazo para o envio da declaração das operações realizadas em junho é, por sua vez, prolongado até 17 de agosto.

PORTUGAL: Renascença [17h30] | "Estudo mundial elogia qualidade do sistema de saúde português na resposta à COVID-19". Na resposta à pandemia da COVID-19, Portugal destaca-se pelo "timing" do confinamento e, neste âmbito, pela boa rede de saúde, energia e telecomunicações, por exemplo, que evitaram males maiores. A conclusão é de um estudo mundial, liderado pela Universidade do Minho, sobre o impacto da COVID-19 na gestão de infraestruturas críticas, como sistemas hospitalares, de transportes, de energia, de telecomunicações, de distribuição e financeiros.

ESPANHA: ABC [17h00] | "Cinco mortes e 134 novos casos nas últimas 24 horas". Espanha registou cinco mortes nas últimas 24 horas com a COVID-19 e 134 novos casos de pessoas infetadas, segundo o relatório diário com a atualização da situação epidemiológica no país. O Ministério da Saúde espanhol atualizou para 28 368 o número total de óbitos com a pandemia, mais cinco do que na quarta-feira, havendo 24 óbitos notificados na última semana, dos quais nove na comunidade autónoma de Madrid, a mais atingida pela pandemia.

Boletim DGS Julho

PORTUGAL: TVI 24 [14h50] | Números oficiais do dia. "Portugal regista esta quinta-feira mais oito mortes e 328 novos casos por infeção da COVID-19, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS). O total de vítimas mortais é agora de 1587, enquanto os casos confirmados como positivos são 42 782. Em relação ao último balanço foram registados 299 novos casos de recuperação. Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram registados 273 (83%) dos 328 novos casos.

1 de julho

PORTUGAL: Lusa [18h52] | "COVID-19: IPO já registou mais de cem casos." "Mais de cem casos de COVID-19 foram identificados no Instituto Português de Oncologia (IPO) e há quase 80 profissionais de saúde doentes ou em quarentena, afirmou hoje a diretora-geral da Saúde.

Graça Freitas, que falava numa conferência de imprensa no Ministério da Saúde, referiu que, no acumulado, se registaram 110 casos de infeção e que no surto atual se incluem 'pelo menos 33 profissionais' doentes e 43 que estão de quarentena porque estiveram em contacto com pessoas infetadas."

BRASIL: Globo [18h55] | "COVID-19: Brasil ultrapassa os 60 mil mortos." "O Brasil passou esta quarta-feira à tarde (manhã naquele país) a fasquia dos 60 mil mortos (60 194 baixas). Quanto a casos confirmado, o total às 13h00 locais fixava-se nos 1 426 913."

PORTUGAL: Lusa [18h06] | "COVID-19: GNR vai estar atenta aos ajuntamentos e consumo de álcool na via pública." "A GNR alertou hoje para o novo regime de contraordenações associado às situações de calamidade, contingência e alerta devido à COVID-19, avançando que vai estar atenta aos ajuntamentos de pessoas e consumo de bebidas alcoólicas em espaços públicos.

Em comunicado, a Guarda Nacional Republicana dá conta do novo regime de contraordenações para quem violar as regras estabelecidas no âmbito do combate à pandemia de COVID-19 e associadas às situações de calamidade, contingência e alerta."

COVID-19

PORTUGAL: RTP3 [18h00] | "Costa disse ser 'fundamental continuar a política de testar, testar, testar'." "Na reabertura de fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha ficam os conselhos dos primeiros-ministros dos dois países. É preciso manter cuidados, com António Costa a falar sobre o que está a ser feito na região mais complicada nesta altura, Lisboa e Vale do Tejo (LVT).

O primeiro-ministro disse ser fundamental o executivo seguir 'a política de testar, testar, testar, porque é fundamental para identificar entre as pessoas assintomáticas aquelas que estão sãs e as que não estão'."

ITÁLIA: Corriere Della Sera [17h29] | "Coronavírus em Itália. Boletim de 1 de julho: 240.760 casos positivos, 34.788 mortes." "Itália registou mais 21 mortes associadas à COVID-19 e mais 182 novos casos confirmados de contágio do novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo o balanço mais recente publicado esta quarta-feira pela Proteção Civil italiana.

Com os novos dados, o número total de mortes desde o início da pandemia no país, a 21 de fevereiro, subiu para 34.788 e o de infetados para 240.769."

COVID-19

ESPANHA: El Mundo [17h33] | "Espanha regista oito mortes e 149 novos casos nas últimas 24 horas." "Espanha registou oito mortes nas últimas 24 horas com a COVID-19, menos uma do que na terça-feira, e 149 novos casos de pessoas infetadas, mais 50 do que no dia anterior, anunciou esta quarta-feira o Ministério da Saúde espanhol.

Os serviços sanitários espanhóis atualizaram para 28.363 o número total de óbitos com a pandemia, mais oito do que terça-feira, havendo 19 óbitos notificados na última semana, dos quais sete na comunidade autónoma de Madrid, a mais atingida pela pandemia."

EUROPA: Renascença [16h48] | "Fronteiras aéreas reabrem. Saiba para onde pode voar." "A partir de 1 de julho, estão reabertas as fronteiras aéreas externas da União Europeia, Espaço Schengen e Reino Unido. O cenário não é ainda de normalidade, mas a data assinala o regresso de centenas de aviões aos céus.

A UE decidiu reabrir as fronteiras externas a 15 países, mas destes 15, Portugal apenas tem ligações diretas com Argélia, Canadá, Coreia do Sul, Marrocos, Tunísia e China. Ainda assim, as autorizações para voar para estes destinos estão condicionadas à confirmação de reciprocidade, lê-se no comunicado do Ministério da Administração Interna."

PORTUGAL: Observador [16h23] | "Região Norte com 20% das infeções (menos de 1/3 de LVT)." "Se a região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) foi aquela que voltou a registar mais casos confirmados de infeção esta terça-feira — foram ali detetados 70% dos novos 313 casos —, houve variações relevantes no número de infeções em outras regiões do país.

Na região Norte, a segunda mais afetada pela pandemia a seguir a LVT em valores absolutos (com larga diferença para as outras regiões do país, também pelo maior número de habitantes) foram detetadas mais 64 infeções, o que equivalente a 20% (um em cada cinco) dos novos casos.

Há ainda registo de mais 14 infeções detetadas na região Sul, 11 na região Centro e sete detetadas no Alentejo. Nos Açores não foi detetado mais nenhum caso ao longo de esta terça-feira e na Madeira foi retirado um caso das contas oficiais, que foram avançados na véspera em excesso: não são assim 93 os casos desde o início do surto, mas sim 92."

COVID-19

PORTUGAL: Observador [16h20] | "Quase metade dos novos casos em Portugal circunscritos a cinco concelhos." "Quase metade — 152 dos 313, o equivalente a 49% — dos novos casos de infeção com o novo coronavírus em Portugal foram detetados em cinco concelhos do país.

São eles Lisboa (que regista mais 42 casos), Sintra (mais 36 casos), Loures (mais 29 casos), Amadora (21) e Odivelas (24).

Ainda na região de Lisboa e Vale do Tejo, há aumentos relevantes no número de infetados em quatro concelhos: Oeiras (mais 15), Seixal (mais 14), Cascais (mais 12) e Vila Franca de Xira (também com mais 12)."

ÁFRICA: Lusa [15h46] | "COVID-19: África passa barreira dos 10 mil mortos e 400 mil infetados." "África passou hoje a barreira dos 10 mil mortos devido à covid-19 e os 400 mil infetados pelo novo coronavírus, segundo os números mais recentes sobre a pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), há 10.151 mortos, mais 272 do que na terça-feira, e 404.937 casos, mais 11.632. O número de recuperados é hoje de 192.646, mais 5.839."

COVID-19

PORTUGAL: RTP3 [15h44] | "Portugal com mais três mortos, 313 casos confirmados e 293 recuperados." "Desde o início da pandemia houve 1579 óbitos, 42.454 casos confirmados e 27.798 casos recuperados. Dos 293 novos casos, 70 por cento foram registados em Lisboa e Vale do Tejo.

A secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira, destacou que, dos casos ativos, há 96,2 por cento dos doentes em domicílio, 3,2 por cento em enfermaria e 0,6 por cento em cuidados intensivos. 'É preciso que ninguém baixe a guarda e todos cumpram as regras sanitárias', sublinhou a governante.

A secretária de Estado lembrou os desafios ultrapassados pelo SNS desde o início da pandemia, desde logo a linha SNS24, que deu resposta a mais de um milhão de chamadas nos últimos meses."

COVID-19

MUNDO: Lusa [15h21] | "COVID-19: Doença já matou mais de 511 mil pessoas e infetou mais de 10,5 milhões no mundo." "A pandemia de COVID-19 já matou 511.312 pessoas e infetou mais de 10,5 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 11h00 TMG de hoje, baseado em dados oficiais dos países.

De acordo com os dados recolhidos pela agência noticiosa francesa, às 11h00 TMG (12:00 de Lisboa) de hoje, 10.509.550 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em finais de dezembro passado, na cidade chinesa de Wuhan, dos quais pelo menos 5.302.100 são agora considerados curados."

REINO UNIDO: BBC [14h29] | Reino Unido regista 176 mortes em 24 horas. "O Reino Unido registou 176 mortes de pessoas infetadas pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, mais 21 do que na véspera, aumentando para 43.906 o total desde o início da pandemia COVID-19, informou o ministério da Saúde britânico."

Ver todas as notícias de junho aqui.

Ver todas as notícias de maio aqui.

Ver todas as notícias de abril aqui.

Ver todas as notícias de março aqui.

Texto: Márcia Dores, Filipa Fernandes Garcia, Diogo Nascimento, Sónia Antunes e Marco Rebelo

Fotos: Tuttosport / Corriere dello Sport / The Guardian / Le Figaro / Mundo Deportivo / L'Équipe / AS / La Repubblica / El País / Portugal.gov.pt / UEFA / Twitter Roland Garros / Il Messaggero / Corriere della Sera / Liga Portugal / ACP / COI / Reuters / New York Times / The Telegraph / FIFA / De Telegraaf / Público / Expresso

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar